Saltar para:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Início > Publicações > Visualização > “Esta é a minha casa”: facilitadores e obstáculos de sentimento de pertença em pessoas migrantes e refugiadas em Portugal

“Esta é a minha casa”: facilitadores e obstáculos de sentimento de pertença em pessoas migrantes e refugiadas em Portugal

Título
“Esta é a minha casa”: facilitadores e obstáculos de sentimento de pertença em pessoas migrantes e refugiadas em Portugal
Tipo
Tese
Ano
2020-10-19
Autores
Bárbara Pinheiro Martins Alves
(Autor)
FPCEUP
Ver página pessoal Sem permissões para visualizar e-mail institucional Pesquisar Publicações do Participante Sem AUTHENTICUS Sem ORCID
Classificação Científica
FOS: Ciências sociais > Psicologia
Outras Informações
Resumo (PT): Portugal, um país tradicionalmente de emigração, tem registado, nos últimos anos, um aumento de imigração e de requerentes de asilo, ocupando o segundo lugar no índice de políticas de integração de migrantes (MIPEX). Contudo, poucas pessoas, em particular refugiados/as ou requerentes de asilo, permanecem no país. As diminutas oportunidades de emprego podem prejudicar o seu sentimento de pertença. No presente estudo pretendeu-se investigar os facilitadores e/ou obstáculos ao sentimento de pertença; explorar o papel da aprendizagem ao longo da vida e dos papéis de género; e identificar diferenças e semelhanças entre migrantes e refugiados/as nas suas experiências de integração. Para este efeito foi realizado um estudo de natureza qualitativa, baseado em 14 entrevistas, seis com migrantes e oito com refugiados/as. O sentimento de pertença afigura-se elevado, sendo que apenas um entrevistado revelou não se sentir em casa em Portugal. Foi possível explorar a complexidade de fatores que contribuem para o sentimento de pertença no contexto nacional. Fatores, muitas vezes, interrelacionados. Diversas categorias relativas a esses fatores são partilhadas, detetando-se diferenças em função do estatuto de migrante ou de refugiado. As pessoas refugiadas destacaram as questões da segurança, autonomia e bem-estar como propiciadoras de sentimento de pertença e a Língua como obstáculo. Os resultados sugerem que o sentimento de pertença e o de inclusão são fomentados através da disponibilização e do acesso a recursos legais e socioeconómicos para todos/as. Destaca-se também a importância de oportunidades em termos educativos/formativos, principalmente de aprendizagem da Língua e de acesso ao emprego. A sensibilidade intercultural das pessoas da sociedade de acolhimento revela- se igualmente importante, principalmente, a dos/as diversos/as profissionais e voluntários/as responsáveis pelo acolhimento de migrantes e de refugiados/as, assim como a sensibilidade intercultural destas últimas pessoas. Esta surge associada a outro elemento central: o suporte social, instrumental e afetivo, encontrado no país de acolhimento, assim como a manutenção das relações com a sociedade de origem. Por fim, as diferenças culturais não são apenas obstáculos ao sentimento de pertença, estas podem proporcionar oportunidades de empoderamento através da liberdade e da consagração de direitos a grupos mais vulneráveis, como é o caso das mulheres.
Idioma: Português
Nº de páginas: 88
Documentos
Nome do Ficheiro Descrição Tamanho
dissertação bárbara alves “Esta é a minha casa”: facilitadores e obstáculos de sentimento de pertença em pessoas migrantes e refugiadas em Portugal 662.64 KB
Existem documentos associados à publicação sem acesso permitido.
Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2024 © Reitoria da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2024-06-12 às 16:13:27 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais | Denúncias