Go to:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Start > Publications > View > “Solteiras, mas não solteironas...”: perceções, significações e vivências de mulheres solteiras mais velhas
Publication

“Solteiras, mas não solteironas...”: perceções, significações e vivências de mulheres solteiras mais velhas

Title
“Solteiras, mas não solteironas...”: perceções, significações e vivências de mulheres solteiras mais velhas
Type
Thesis
Year
2020-12-10
Authors
Maria José Lopes Rola
(Author)
FPCEUP
View Personal Page You do not have permissions to view the institutional email. Search for Participant Publications Without AUTHENTICUS Without ORCID
Scientific classification
FOS: Social sciences > Psychology
Other information
Resumo (PT): São esporádicas as investigações que se centram no grupo de pessoas solteiras e especificamente em mulheres solteiras. A sociedade confere uma suprema importância às relações heterossexuais românticas e assume que estas são as mais significativas na vida de uma mulher. As normas e expetativas culturais sociais normativas associadas aquilo que é percecionado como sendo o papel da mulher pressionam a mulher solteira para a ideologia do casamento e da família. Pretendeu-se, com esta dissertação, perceber como é compreendida, significada e vivenciada a solteirice em mulheres solteiras e idosas e explorar os possíveis estereótipos/rótulos, representações sociais e discriminação associados à identidade de mulher solteira e mulher idosa. Para o efeito foram conduzidas entrevistas semiestruturadas a oito mulheres idosas solteiras com idades compreendidas entre os 65 e os 78 anos de idade. Os discursos das entrevistadas foram submetidos a análise temática (Braun & Clarke, 2006). Emergiram desta análise quatro temas principais, identificados por frases discursivas das entrevistadas: 1) “Foi uma escolha que eu fiz”, 2) “Digo que sou Mãe, Mãe Solteira”, 3) “Na minha terra chamam-se Solteironas”, e 4) “Ser velha é ser triste”. O organizador central dos temas é o Estatuto de Solteira, que marca todos os elementos da análise. Entre as principais conclusões do trabalho, destaca-se que a permanência no estatuto de solteira é uma decisão voluntária desejada e uma identidade legítima. A ausência de uma parceira romântica deve ser encarada com naturalidade e como uma opção/estilo de vida. À mulher solteira ainda são atribuídos rótulos/estereótipos que a definem socialmente e que moldam a sua identidade pessoal. O estatuto de solteira impacta a trajetória de vida da mulher no que concerne também ao seu processo de envelhecimento.
Language: Portuguese
No. of pages: 76
Documents
File name Description Size
Maria Rola_Tese1 “Solteiras, mas não solteironas...”: perceções, significações e vivências de mulheres solteiras mais velhas 685.20 KB
Recommend this page Top
Copyright 1996-2021 © Reitoria da Universidade do Porto  I Terms and Conditions  I Acessibility  I Index A-Z  I Guest Book
Page created on: 2021-06-22 22:34:28