Saltar para:
Logótipo
Você está em: Início > GEOL1004
Mapa das Instalações
FC6 - Departamento de Ciência de Computadores FC5 - Edifício Central FC4 - Departamento de Biologia FC3 - Departamento de Física e Astronomia e Departamento GAOT FC2 - Departamento de Química e Bioquímica FC1 - Departamento de Matemática

Petrologia Ígnea

Código: GEOL1004     Sigla: GEOL1004     Nível: 100

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Geologia

Ocorrência: 2018/2019 - 2S

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território
Curso/CE Responsável: Licenciatura em Geologia

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
L:B 2 Plano de Estudos Oficial 3 - 6 56 162
L:CC 3 Plano de estudos a partir de 2014 2 - 6 56 162
3
L:F 0 Plano de Estudos Oficial 2 - 6 56 162
3
L:G 23 Plano estudos a partir do ano letivo 2017/18 2 - 6 56 162
L:M 0 Plano de Estudos Oficial 2 - 6 56 162
3
L:Q 0 Plano estudos a partir do ano letivo 2016/17 3 - 6 56 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
Helena Cristina Brites Martins Regente

Docência - Horas

Teórica: 2,00
Teorico-Prática: 2,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teórica Totais 1 2,00
Helena Cristina Brites Martins 2,00
Teorico-Prática Totais 2 4,00
Helena Cristina Brites Martins 4,00

Língua de trabalho

Português - Suitable for English-speaking students

Objetivos

 Compreensão dos processos e princípios envolvidos na génese das rochas ígneas numa integração geotectónica.

 

Resultados de aprendizagem e competências

Identificação e caracterização das rochas ígneas e respetivos processos genéticos.

Modo de trabalho

Presencial

Pré-requisitos (conhecimentos prévios) e co-requisitos (conhecimentos simultâneos)

Mineralogia e Cristalografia; Mineralogia ótica

 

Programa

 PROGRAMA  TEÓRICO
1.INTRODUÇÃO

1.1Definição e conceitos fundamentais em Petrologia Ígnea. Metodologia de estudo das rochas ígneas.

1.2Formação de magmas. Possibilidade de formação de magmas no manto e na crusta.

2.TEXTURA, COMPOSIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

2.1Texturas das rochas ígneas. Texturas primárias e secundárias. Factores condicionantes.

2.2Composição mineralógica. Análise modal. Critérios gerais de classificação das rochas magmáticas. Classificação mineralógica IUGS.

2.3Composição química. Características gerais das análises químicas das rochas ígneas. Parâmetros químicos e norma CIPW .

2.4Elementos maiores e menores. Diagramas de classificação. Tipos principais de séries magmáticas. Diagramas de variação.

2.5Elementos traço. Elementos compatíveis e incompatíveis: coeficientes de distribuição. Elementos imóveis. Aplicação dos elementos traço em Petrologia Ígnea. Diagramas normalizados.

2.6Geoquímica isotópica. Aplicação dos isótopos em petrologia Ígnea. Principais isótopos radiogénicos (sistemas Rb-Sr , Sm-Nd e U-Pb). Isótopos estáveis.

3.INSTALAÇÃO DE MAGMAS E MORFOLOGIA DE CORPOS ÍGNEOS

3.1Características fisico-químicas de magmas.

3.2Modo de ocorrência dos corpos rochosos plutónicos.

3.3Idade e nível de instalação. Evolução da idade e nível de instalação numa área orogénica.

3.4Mecanismo de instalação: instalação forçada (diapírica) e permissiva.

4.PROCESSOS MAGMÁTICOS

4.1O processo de fusão parcial: factores composicionais e físicos. Tipos de fusão parcial. Características de magmas primários de origem mantélica.

4.2Diferenciação e fraccionamento magmáticos. Diferenciação entre líquidos: difusão térmica, imiscibilidade e movimentos de convecção.

4.3Mecanismos de separação de fases sólidas e líquidas (fraccionamento cristalino s.l.). Separação gravítica de cristais.

4.4Fenómenos de diferenciação em sistemas abertos. Mistura e hibridização de magmas. Processos de assimilação e contaminação de magmas.

5.ASSOCIAÇÕES ÍGNEAS

5.1Formação de magmas basálticos . Associações toleíticas vulcânicas(I): basaltos de fundos oceânicos (MORB). Evolução do vulcanismo em ilhas oceânicas (OIB).

5.2Associações toleíticas vulcânicas (II): basaltos de inundação de zonas continentais (CFB).

5.3Associações vulcânicas de arcos insulares e margens continentais. Séries calcoalcalinas e shoshoníticas.

5.4Formação de magmas graníticos. Anatexia crustal. Classificação alfabética de granitos. 

 

 

PROGRAMA PRÁTICO

1. Tipos de texturas ígneas; Critérios de descrição estrutural e textural;

2. Estudo macro e microscópico dos principais tipos de rochas ígneas: caracterização de paragéneses minerais e de texturas; interpretação petrogenética; Exemplificação com rochas do orógeno hercínico em contextos geográficos e geológicos de referência.

 

Bibliografia Obrigatória

Winter John DuNann; An introduction to igneous and metamorphic petrology. ISBN: 0-13-240342-0
Best Myron G.; Igneous petrology. ISBN: 0-86542-541-8
Best Myron G.; Igneous and metamorphic petrology. ISBN: 1-405-10588-7
Mackenzie W. S. William Scott; Atlas of igneous rocks and their textures. ISBN: 0-582-30082-7
Wilson Marjorie; Igneous petrogenesis. ISBN: 0-412-53310-3

Bibliografia Complementar

Hibbard M.J.; Petrography to Petrogenesis. ISBN: 0-05-354145-8
Faure Gunter; Origin of igneous rocks. ISBN: 3-540-67772-0

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

 

 Aulas expositivas, previligiando-se a interação professor/aluno, quer com levantamento de questões quer com discussões abertas ao grupo turma. Como recursos didácticos recorre-se a apresentações em Powerpoint (disponibilizadas, posteriormente on-line). Promove-se o trabalho de pesquisa, nomeadamente no trabalho prático a ser desenvolvido individualmente.

 

Palavras Chave

Ciências Naturais > Ciências do ambiente > Ciências da terra

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Exame 75,00
Participação presencial 10,00
Trabalho laboratorial 15,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Estudo autónomo 86,00
Frequência das aulas 56,00
Trabalho laboratorial 20,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

 

Para obterem frequência nas aulas práticas é necessário cumprir o exigido pelo Regulamento da Faculdade no que respeita ao número máximo de faltas admitido, bem como apresentação de 2/3 dos trabalhos práticos.

 

 

 

Fórmula de cálculo da classificação final

A classificação final da disciplina será 75% do exame teórico mais 15% do trabalho prático mais 10% participação nas aulas.

Notas inferiores a 8 valores no exame final correspondem a reprovação

NF= 75% T + 25% P.

 

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2022 © Faculdade de Ciências da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2022-10-05 às 01:08:52 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais | Denúncias