Saltar para:
Logótipo
Você está em: Início > Q1003
Mapa das Instalações
FC6 - Departamento de Ciência de Computadores FC5 - Edifício Central FC4 - Departamento de Biologia FC3 - Departamento de Física e Astronomia e Departamento GAOT FC2 - Departamento de Química e Bioquímica FC1 - Departamento de Matemática

Laboratório de Química I

Código: Q1003     Sigla: Q1003     Nível: 100

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Química

Ocorrência: 2018/2019 - 1S Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento de Química e Bioquímica
Curso/CE Responsável: Licenciatura em Química

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
L:B 0 Plano de Estudos Oficial 3 - 6 56 162
L:CC 3 Plano de estudos a partir de 2014 2 - 6 56 162
3
L:F 0 Plano de Estudos Oficial 2 - 6 56 162
3
L:G 0 Plano estudos a partir do ano letivo 2017/18 3 - 6 56 162
L:M 1 Plano de Estudos Oficial 2 - 6 56 162
3
L:Q 58 Plano estudos a partir do ano letivo 2016/17 1 - 6 56 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
Maria João da Encarnação Ferreira Sottomayor Regente
Jorge Marques Gonçalves Regente

Docência - Horas

Teorico-Prática: 1,00
Práticas Laboratoriais: 3,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teorico-Prática Totais 2 2,00
Maria João da Encarnação Ferreira Sottomayor 2,00
Práticas Laboratoriais Totais 4 12,00
Jorge Marques Gonçalves 6,00
Maria João da Encarnação Ferreira Sottomayor 6,00

Língua de trabalho

Português

Objetivos

Fornecer uma formação básica em Química Laboratorial, através da realização de trabalhos práticos envolvendo técnicas e operações fundamentais.

Resultados de aprendizagem e competências

Consolidação de conhecimentos através da execução de experiências, interpretação e discussão de resultados e elaboração de relatórios.
Pretende-se que no final da frequência da disciplina o estudante tenha adquirido as seguintes competências básicas: efetuar  um conjunto de operações unitárias básicas em Química Laboratorial; planear e executar experiências laboratoriais de Química; interpretar resultados experimentais e elaborar relatórios de atividades experimentais.

Modo de trabalho

Presencial

Programa

Esta unidade curricular consiste em aulas práticas laboratoriais e aulas teórico-práticas, que precedem as aulas laboratoriais, sobre os trabalhos a realizar.

AULAS TEÓRICO-PRÁTICAS (1 h / semana)

1 – Segurança em laboratórios de Química. Fichas de segurança de substâncias (MSDS e ICSC). Procura de fichas de segurança de substâncias e outra informação sobre segurança química na Internet. Sistema Global Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos – GHS (Globally Harmonised System of Classification and Labelling of Chemicals).

2 – Algarismos significativos. Precisão e exatidão. Tipos de erros. Incertezas associadas a material de laboratório. Grandezas físicas. Unidades. Precisão: média, desvio padrão e distribuição normal. Exatidão: erro absoluto e erro relativo. Indicação da precisão e da exatidão de medições. Propagação de incertezas e erros. Avaliação da exatidão e da precisão de uma série de resultados experimentais: cálculo do erro, cálculo da média e do desvio padrão.

3 – Traçado e utilização de gráficos.

4 – Soluções de concentração rigorosa e de concentração aproximada. Material utilizado na preparação de cada um dos tipos de solução.

5 – Titulações volumétricas de ácido-base: reação química; deteção do ponto de equivalência da reação. Indicadores de ácido-base. Medição rigorosa dos reagentes.

6 – Purificação por recristalização.

7 – Cálculos estequiométricos.

8 – Destilação simples e destilação fracionada. Fundamentos teóricos: diagramas de fases. Execução laboratorial. Aplicações industriais.

9 – Espetroscopia de ultravioleta-visível. Fundamentos teóricos: lei de Beer-Lambert.

 
AULAS PRÁTICAS LABORATORIAIS (3 h / semana)

1 – Regras fundamentais de segurança no laboratório. Localização de extintores, lava-olhos, chuveiros e materiais de primeiros socorros. Localização de saídas de emergência. Procedimento em caso de toque de alarme. Recolha seletiva de resíduos.

2 – Consulta de rótulos de embalagens de reagentes (símbolos de perigo). Consulta de Fichas de Segurança de substâncias (MSDS e ICSC).

3 – Apresentação e utilização de algum material de laboratório: balanças, balões volumétricos e pipetas volumétricas, buretas.

4 – Técnicas laboratoriais básicas: pesagem (balança monoprato e balança analítica); medição de volume (utilização de balões volumétricos e pipetas volumétricas, utilização de buretas).

5 – Soluções de concentração rigorosa e de concentração aproximada: material utilizado na preparação de cada um dos tipos de solução.


TRABALHOS PRÁTICOS:

1 – Preparação de soluções (2 aulas)
1.1 – Preparação de soluções de concentração aproximada
1.2 – Preparação de soluções de concentração rigorosa

2 – Volumetria de ácido-base (2 aulas)
2.1 – Titulação ácido forte - base forte
2.2 – Titulação ácido fraco - base forte

3 – Purificação por recristalização

4 – Determinação da estequiometria de uma reação

5 – Destilação de uma mistura de água e acetona

6 – Determinação espetrofotométrica de um corante alimentar


Discussão dos trabalhos e dos relatórios.

Avaliação prática individual.

Bibliografia Obrigatória

Laboratório de Química I (Q1003) – Trabalhos Práticos; Departamento de Química e Bioquímica – Faculdade de Ciências, Porto, 2018
Eduardo Figueira Marques; Notas sobre Erros e Tratamento de Dados em Química, Departamento de Química e Bioquímica – Faculdade de Ciências, Porto, 2012

Bibliografia Complementar

José A. Martinho Simões, Miguel A. R. Botas Castanho, Isabel M. S. Lampreia, Fernando J. V. Santos, Carlos A. Nieto de Castro, M. Teresa Pamplona, Manuel E. Minas da Piedade; Guia do Laboratório de Química e Bioquímica, 3ª edição, Lidel, Lisboa, 2017
Manuel A. V. Ribeiro da Silva; Técnicas Laboratoriais, Departamento de Química – Faculdade de Ciências, Porto, 1977
Manuel A. V. Ribeiro da Silva e Maria das Dores M. C. Ribeiro da Silva; Técnicas Laboratoriais – Trabalhos Práticos, Departamento de Química – Faculdade de Ciências, Porto, 1977

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

Aulas teórico-práticas, aulas práticas e aulas na Web (Moodle U.Porto).

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Teste 50,00
Trabalho laboratorial 50,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Estudo autónomo 106,00
Frequência das aulas 56,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

Nesta unidade curricular é obrigatório o cumprimento da assiduidade nas aulas teórico-práticas e nas aulas práticas laboratoriais.
Para obter frequência é necessário comparecer a um mínimo de 75% do número total de aulas práticas e teórico-práticas e obter classificação positiva em 6 dos 8 trabalhos laboratoriais previstos.

Fórmula de cálculo da classificação final

Dada a sua índole laboratorial, a avaliação nesta unidade curricular é distribuída sem exame final, não existindo exame em qualquer das épocas (normal ou de recurso).

Nas aulas práticas laboratoriais, a avaliação de cada trabalho prático é efetuada com base na preparação e execução experimental do trabalho e no respetivo relatório. A nota global dos trabalhos práticos, NTP, é a média das notas obtidas nos trabalhos práticos realizados.
Como elemento adicional de avaliação, após terminada a execução da série de trabalhos práticos, os estudantes com nota dos trabalhos práticos positiva efetuam uma prova prática de avaliação individual. A nota final (NF) é calculada atribuindo 50 % à nota global dos trabalhos práticos (NTP) e 50 % à nota correspondente à avaliação prática individual (NAP): NF = 0,50 x NTP + 0,50 x NAP.

Para obter aprovação é necessário que, cumulativamente, a nota global dos trabalhos práticos seja igual ou superior a 10 valores (NTP ≥ 10) e a nota da prova de avaliação individual seja igual ou superior a 8 valores (NAP ≥ 8).

Provas e trabalhos especiais

Todos os casos omissos ou não previstos serão resolvidos com o recurso a uma prova oral.

Avaliação especial (TE, DA, ...)

Os estudantes com o estatuto de trabalhador-estudante, que não efetuem o número mínimo de trabalhos práticos para obter frequência, terão de realizar a prova prática de avaliação individual. Esta regra aplica-se também aos estudantes que, tendo obtido relevação de faltas, não efetuem o número mínimo de trabalhos práticos. Nestes casos, a nota final é igual à nota obtida na prova prática de avaliação individual: NF = NAP.

Melhoria de classificação

Dada a índole laboratorial da disciplina, todas as componentes de avaliação apenas são passíveis de melhoria de classificação mediante uma nova frequência.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2022 © Faculdade de Ciências da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2022-10-06 às 10:38:55 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais | Denúncias