Saltar para:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Início > Notícias > O cinema proibido: ciclo de cinema em comemoração dos 50 anos do 25 de abril

Notícias

O cinema proibido: ciclo de cinema em comemoração dos 50 anos do 25 de abril

Org.: Mestrado em Artes Plásticas da Faculdade de Belas Artes da U.Porto

Sessões nos dias 02 e 16 de abril [terças-feiras] e nos dias 10 e 24 de abril [quartas-feiras]

SESSÕES DE CINEMA | ABRIL/ 2024 | 17H
Aula Magna, FBAUP

          Jean-Luc Godard | FR | 1964 | 95’           

           Luchino Visconti | IT | 1948 | 152’

           Ingmar Bergman | SE | 1949 | 76’

           Basil Dearden | GB | 1961 | 100’

Todos os dias, a história é revisitada através de fotografias, livros, documentários, filmes. Nesse exercício de revisitação do passado encontram-se, por vezes, pistas para o que já se foi, o que se é e o que se poderá vir a ser. Revisitar a história pode, no entanto, nem sempre ser tarefa fácil. Porque revisitar um passado (coletivo ou individual) é sempre possível, em certa medida, a partir do nível de informação disponível num dado momento e respetivo acesso que dela se tem. Revisitam-se passados familiares pelo olhar atento de álbuns fotográficos, cartas, diários e acontecimentos históricos através de filmes, livros e documentários. Por conseguinte, o cinema pode constituir-se como material de arquivo, recurso útil para a compreensão do passado de um determinado lugar.

O ciclo de cinema que agora se divulga procura dar a ver um total de quatro filmes estrangeiros que viram, à época, a sua estreia em Portugal ser proibida pela censura. Propõe-se desta forma a estimulação de novos encontros e que, através da lente do cinema, se seja capaz de olhar criticamente o passado de um país em ditadura, na expectativa de que se consiga perspetivar coletivamente melhores possibilidades de futuro.

Este ciclo de cinema enquadra-se no âmbito de um projeto artístico mais vasto e ainda em curso com o título Os arquivos também falam: Imagem, memória e tudo o que fica por dizer, inserido no contexto do plano curricular do Mestrado de Artes Plásticas da Faculdade de Belas Artes da U.Porto, desenvolvido por David Cordeiro, sob a orientação de Miguel Leal. O apoio ao projeto é feito pelo i2ADS - INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE.

DAVID CORDEIRO (Viseu, 1997). Licenciado em Teatro pela Universidade do Minho e mestrando em Artes Plásticas – Intermédia na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Neste momento, encontra-se a desenvolver o trabalho prático do 2.º ano de mestrado com o título Os arquivos também falam: Imagem, memória e tudo o que fica por dizer, no qual se insere a organização do ciclo de cinema agora apresentado.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2024 © Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2024-04-24 às 18:52:43 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais | Denúncias