Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Galeria de Retratos do Salão Nobre da U.Porto - Alexandre Sousa Pinto

Memória U.Porto

Salão Nobre da Universidade do Porto - Galeria de Retratos


Alexandre Sousa Pinto
Professor universitário, 5.º reitor da Universidade do Porto e político

Retrato da autoria de Agostinho Salgado
Retrato de Alexandre Sousa Pinto, pintado por Agostinho Salgado / Portrait of Alexandre Sousa Pinto, painted by Agostinho Salgado

Biografia de Alexandre Sousa Pinto (1880-1982)

Alexandre Alberto de Sousa Pinto, filho de Basílio Alberto de Sousa Pinto (1853-1912) e de Maria Eufémia da Luz Semedo (1852-1930), nasceu na freguesia da Pena em Lisboa, a 25 de janeiro de 1880.

A infância e a adolescência foram passadas em Coimbra, cidade onde frequentou Matemática e Filosofia. Concluída a sua formação - cerca de 1900 -, concorreu a uma vaga de lente proprietário da secção de Filosofia da Academia Politécnica do Porto, em 1902, apresentando a concurso a dissertação intitulada “Os raios de Becquerel e o Polónio, o Radio e o Actínio por Alexandre Alberto de Sousa Pinto bacharel formado em Matemática e Filosofia.” (Porto, Imprensa Portuguesa, 1902).

Em 1903, pelo decreto de 16 de abril, foi nomeado lente da 20.ª cadeira – Mineralogia -, que fora criada por diploma 2 de setembro de 1901; em 1907, transitou para a 6.ª cadeira – Física Geral.

Em 1911, com a criação da Universidade do Porto e da respetiva Faculdade de Ciências, Alexandre de Sousa Pinto foi provido como professor ordinário e, depois, como professor catedrático do 1.º grupo – Física, da 2.ª Secção – Ciências Físico-Químicas. Nos anos seguintes ministrou as cadeiras de Física Geral, Acústica, Ótica e Calor, Eletricidade e Física dos Sólidos e Fluidos. Em 1918, a Faculdade de Ciências atribuiu-lhe o grau de doutor em Ciências Físico-Químicas.
Ainda em 1911, Sousa Pinto foi apontado para o lugar de secretário da Faculdade de Ciências e, no ano seguinte, nomeado diretor do Observatório Meteorológico da Serra do Pilar, atualmente Instituto Geofísico. Entre 1927 e 1938 dirigiu o Laboratório de Física da FCUP.

Em 1928 assumiu funções como Vice-reitor da U.Porto, tomando posse a 19 de setembro. A 15 de dezembro do mesmo ano foi nomeado reitor. A tomada de posse teve lugar no dia 17 de janeiro de 1929. Durante o seu mandato como Reitor da Universidade do Porto entre 1929 e 1931 foi aprovada a sua proposta relativa à regulamentação da cerimónia de investidura do grau de doutor (1929), levou a cabo missões do Senado da Universidade no estrangeiro (1930-1931) e tentou, em vão, resistir à extinção da Faculdade de Letras. Foi o fundador do Instituto de Hidrologia e Climatologia.

Para além de académico, Alexandre de Sousa Pinto também se ocupou da política. Foi Ministro da Instrução Pública entre 1933 e 1934, presidente da Comissão de Obras dos Hospitais Escolares (1934), presidente da Junta da Educação Nacional (1938), vogal da Comissão de Censura Teatral (1938) e da Comissão Distrital de Lisboa da União Nacional. Presidiu à Comissão Executiva da União Nacional (1938-1945), à Junta de Construções para o Ensino Técnico e Secundário (1938), ao Conselho de Administração dos Portos do Douro e Leixões (1947), ao Conselho de Administração da Companhia de Moçambique (1949-1969), à Junta Consultiva da União Nacional (1952-1959) e ao Grémio Nacional dos Importadores de Algodão em Rama (1947-1948 e 1958-1961). Foi governador do Território da Companhia de Moçambique e de Manica e Sofala (1942-1945) e membro da Comissão Reguladora do Comércio de Algodão em Rama, em representação do Grémio (1959-1964).

Ainda era reitor quando foi agraciado com a Grã-cruz da Ordem da Instrução. A cerimónia de descerramento do seu retrato na galeria dos retratos dos reitores teve lugar a 13 de maio de 1930.
Jubilado desde 1950 (Diário do Governo, 2.ª série, n.º 93, de 22 de abril de 1950), esteve presente na cerimónia inaugural do ano letivo de 1961-62, durante a qual proferiu a Oração de Sapiência “A Universidade do Porto e alguns problemas universitários”.

Foi casado com Maria José de Sousa Vahia da Cunha Lima (1888-1981), de quem teve 5 filhos.

Faleceu no Porto a 16 de abril de 1982.

Universidade Digital / Gestão de Informação, 2012. Revisão científica de Jorge Fernandes Alves (FLUP)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-07-08 Página gerada em: 2019-01-23 às 10:07:46