Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Hoje é domingo
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Enquadramento Urbano do Edifício da Reitoria da U.Porto - Igreja de Nossa Senhora da Vitória

Memória U.Porto

Edifício da Reitoria da U.Porto - Enquadramento Urbano

Igreja de Nossa Senhora da Vitória

Fotografia da Igreja de Nossa Senhora da Vitória, no Porto / Photo of the Nossa Senhora da Vitória Church, in PortoOs serviços da Paróquia de Nossa Senhora da Vitória, instituída pelo Bispo D. Frei Marcos de Lisboa (1581-1591), foram transferidos em 1755 para a Capela de S. José das Taipas. Esta decisão ficou a dever-se ao estado de degradação em que se encontrava a igreja, carenciada de uma remodelação profunda. As obras tiveram início em 1758 por determinação do Bispo D. Frei António de Sousa (1758-1766) e o templo, reconstruído quase na íntegra, foi inaugurado no dia 5 de Agosto de 1769.

Durante o século XIX a igreja sofreu vários estragos. Primeiro, no decurso do Cerco do Porto (1832-1833), o que obrigou à transferência das funções de igreja paroquial para a igreja vizinha, do Mosteiro de São Bento da Vitória; depois, em 1874, quando foi atingida por um incêndio devastador.

Fotografia da Bateria da Vitória de Sérgio Veludo Coelho / Photo of Vitória battery, by Sérgio Veludo CoelhoEste templo barroco situa-se na confluência da Rua de S. Bento da Vitória com a Rua da Bataria da Vitória. O topónimo "Bataria da Vitória" remete para uma bateria liberal que actuou durante o Cerco do Porto e que dirigia o seu tiro sobre os pontos miguelistas na margem sul do rio Douro (S. V. Coelho, 1994). Ainda se conserva uma bala na parede lateral, junto à porta Sul. Voltada para uma área murada, a igreja funciona como um excelente miradouro de onde se avistam os centros históricos do Porto e de Vila Nova de Gaia.

A Igreja de Nossa Senhora da Vitória é composta por uma única nave, por uma cabeceira rectangular e por uma torre sineira adossada à capela-mor. A residência paroquial e a sacristia ladeiam a fachada posterior. O frontispício, de grande simetria, encontra-se ornado por frontões, curvos e triangulares, nichos, colunas coríntias e pelas armas dos Sousa e Arronches. A representação de um sol no tímpano remata a composição.

Fotografia da Imagem da Senhora da Vitória / Photo of the sculpture of Senhora da VitóriaNo interior da igreja sobressaem vários elementos artísticos. Desde logo, a arte da talha da autoria de artistas do rococó portuense: Francisco Pereira Campanhã, autor do retábulo-mor (datado de 1765 e alterado pelo seu filho, o entalhador Damião Pereira de Azevedo, em 1780) e José Teixeira Guimarães, responsável pelos púlpitos, pelos retábulos laterais (1772-1773) e pela sanefa do arco cruzeiro. Lugar de destaque é ocupado pela tela do altar-mor, do pintor João Glama Stroberle (1708-1792) e por uma imagem da autoria do escultor António Soares dos Reis, ambas alusivas à padroeira da igreja.

A escultura da Senhora da Vitória que se encontra colocada num altar lateral não apresenta a cabeça original, moldada pelo mestre Soares dos Reis, que terá usado como modelo a própria mãe. A humanidade da imagem desagradou à confraria encomendadora da obra, que a substituiu por uma obra menor, executada por um canteiro. No entanto, o trabalho primitivo foi salvo pela intervenção do Padre Agostinho Jardim e hoje pode ser vista mediante autorização.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2018 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2011-09-29 Página gerada em: 2018-12-16 às 04:48:43