Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres U.Porto: Camilo Cortesão

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

Camilo Cortesão

Inexistência de fotografia Camilo Cortesão
1949-
Arquiteto



Camilo dos Santos Pinto Cortesão nasceu a 2 de Abril de 1949, na freguesia portuense de Santo Ildefonso.

Frequentou o curso de Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, que concluiu em 1972. No entanto, já desde 1969 que Camilo Cortesão projetava arquitetura, nomeadamente para o Fundo de Fomento da Habitação.

No período pós 25 de Abril de 1974 integrou o projeto SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local) criado para suprir as necessidades das populações precariamente alojadas e fez a tropa na Direção do Serviço de Fortificações e Obras Militares, em Coimbra, na qualidade de Arquiteto.

Jardim da Cordoaria, PortoNa sua carreira de arquiteto, construída ao longo de quatro décadas, destacam-se duas obras de grande impacto: a colaboração na discutida recuperação da baixa portuense, durante o "Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura" e a do emblemático Parque Verde do Mondego, em Coimbra. Sem qualquer dúvida, são dois marcos no seu percurso profissional. Cortesão integrou o grupo de quatro arquitetos designados pela Sociedade Porto 2001 SA para realizar intervenções de reabilitação urbana na Baixa do Porto, tendo-lhe competido a recuperação da Zona Oeste-A (Cordoaria, Leões e Restauração). No âmbito deste projeto, Camilo Cortesão e Mercês Vieira, Arquitetos Lda. transformaram, de uma forma arrojada e pouco consensual, o romântico Jardim João Chagas (popularmente conhecido como "Jardim da Cordoaria"), traçado em Oitocentos pelo arquiteto alemão Emílio David (sobre um espaço organizado no século XVIII), no sentido de o converter num lugar moderno, seguro e transparente (1999-2000).

Parque Verde do Mondego, CoimbraO Parque Verde do Mondego, riscado em colaboração com Mercês Vieira e João Nunes, é um projeto mais tranquilo. Resulta de um concurso público decorrido em 1995, posteriormente integrado no Programa Polis (2001) e afirma-se como uma proposta de reabilitação e valorização dos elementos naturais nas margens do Mondego. Este novo parque coimbrão dispõe de espaços ajardinados, bosques e estufas; de um parque de estacionamento arborizado; de esplanadas, com bares e restaurantes voltados para o rio; de uma ponte pedonal da autoria de Cecil Balmond e Adão da Fonseca; do antigo Pavilhão de Portugal da Expo'98, da autoria de Siza Vieira, Souto Moura e Cecil Balmond, etc.

Outras obras arquitetónicas da sua autoria são, por exemplo, um projeto de habitação individual em Coimbra (1973), em parceria com Alexandre Alves Costa; o Pólo II da Universidade de Coimbra (1989), com Mercês Vieira e António Babo; e um conjunto habitacional em Castro Verde, em colaboração com Nuno Portas, J. L. Gomes e Mercês Vieira.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2010)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2020 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-06-29 Página gerada em: 2020-08-13 às 01:39:54