Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres U.Porto: Zulmiro de Carvalho

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

Zulmiro de Carvalho

Fotografia de Zulmiro de Carvalho Zulmiro de Carvalho
1940-
Escultor e professor universitário



Monumento à comunidade maiata, de Pais de Figueiredo e Zulmiro de CarvalhoZulmiro Neves de Carvalho nasceu na Aldeia Alegre, em Valbom, Gondomar, no dia 12 de Março de 1940.

Frequentou a primária na Escola de Rossamonde, em Valbom, o ciclo, na Escola de Ramalho Ortigão (1950-1952) e os estudos liceais na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis, no Porto, de início em regime diurno (1952-1954) e, depois, em regime noturno (1955-1958).

Em 1963 frequentou a Secção Preparatória para ingressar no curso de Escultura da Escola Superior de Belas Artes do Porto (1963-1968).

Durante a formação académica, sustentada por uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian, contactou com grandes vultos das artes, como Lagoa Henriques, Gustavo Bastos, José Rodrigues, Eduardo Tavares, Alberto Carneiro, Barata Feyo, Ângelo de Sousa e Jorge Pinheiro, e participou nas Exposições Magnas da ESBAP e nas Exposições Extra-Escolares.

Em 1968 terminou a licenciatura, tendo obtido a classificação de dezanove valores na tese final.

No ano seguinte foi convidado para assistente de Escultura da ESBAP, onde lecionou até 1995, ano em que se aposentou como professor Auxiliar.

Escultor Anthony CaroEntre 1971 e 1973 obteve uma nova bolsa de estudo, da Fundação Calouste Gulbenkian, que lhe permitiu fazer uma pós-graduação na St. Martin's School of Fine Arts. Durante esses anos passados em Londres trabalhou com artistas vanguardistas como Philip King (1934-), Anthony Caro (1924-), William Tucker (1933-) e David Annesley (1936-)

Em 1973 regressou ao Porto e retomou a atividade docente.
Nos anos 90, em colaboração com Carlos Barreira e Carlos Marques, montou um atelier/oficina experimental (1993-1994), que esteve na base da reformulação do ensino da Escultura na Escola de Belas Artes do Porto e que motivou o seu regresso à ESBAP.

A obra escultórica de Zulmiro de Carvalho parte de um desenho cuidadoso, é executada por técnicos habilitados e caracteriza-se pela simplicidade, sobriedade e grandiosidade das suas estruturas, em ferro, bronze e aço, materiais que veio a combinar com o mármore, a ardósia e a madeira.

O trabalho deste escultor encontra-se bem representado nas três criações a que chamou simplesmente "Escultura" (1896-1987), nas obras que expôs em 1987 na Galeria Nasoni, no Porto, na escultura de grandes dimensões, em granito polido, destinada às comemorações do 150º Centenário do Cemitério do Prado do Repouso, também no Porto (1839-1989), na escultura para a Prelada, no Porto, em 1993, no "Pórtico do Monte Castro" destinado a Gondomar (1994), na Escultura de Antuã (1995) e, ainda, n' "O Arco do Oriente", de Macau, inaugurado a 1 de Junho de 1996.

Escultura de Zulmiro de Carvalho em MatosinhosAs criações de Zulmiro de Carvalho podem ser encontradas no Porto, no Jardim de S. Lázaro, no BCP, no Cemitério do Prado do Repouso, no Jardim da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e no Mercado Abastecedor; na Figueira da Foz, no Parque das Abadias; em Lisboa, no Metropolitano, na Caixa Geral de Depósitos, e na Companhia Portuguesa Rádio Marconi; na Assembleia Legislativa e Regional dos Açores; na Capela do Santíssimo Sacramento, do Santuário de Fátima; em Matosinhos, na Rotunda da Exponor e na Câmara Municipal; na Avenida Visconde de Barreiros, na Maia; nas Caldas da Rainha; nas coleções da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, da Secretaria de Estado da Cultura, da Fundação de Serralves, no Porto, do Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, e do Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, em Amarante; na Alameda Carlos Assumpção, em Macau; no Museu Britânico, em Londres, etc.

A obra do escultor Zulmiro de Carvalho tem recebido diversos prémios nacionais, assim como tem integrado numerosas exposições individuais e coletivas, quer em Portugal (Barcelos, Amarante, Braga, Porto, Coimbra, Lisboa, Santo Tirso, Guimarães, etc.), quer em simpósios e mostras internacionais, designadamente em Madrid, Amesterdão, Bona, Copenhaga, Goa, Brasil (Belém e Rio de Janeiro) e Cabo Verde.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2009)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2018 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2018-12-04 Página gerada em: 2018-12-18 às 17:53:35