Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Reitores da U.Porto: Alberto Eduardo Plácido

Memória U.Porto

Reitores da Universidade do Porto


Alberto Eduardo Plácido
6.º Reitor (1931-1932)

Retrato da autoria de Carlos Carneiro
Retrato de Alberto Eduardo Plácido, 6.º Reitor / Portrait of Alberto Eduardo Plácido, 6th Rector

Resumo biográfico

Alberto Eduardo Plácido nasceu no Porto e 4 de outubro de 1874 e faleceu em 1942. Licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra mas não enveredou pela carreira da docência universitária. Profissionalmente foi advogado, decidindo-se depois pela magistratura. Foi juiz de direito, desembargador da Relação do Porto e chegou a juiz conselheiro do Supremo. Terminou a carreira de magistrado como presidente do Tribunal da Relação do Porto em agosto de 1941, cargo para que fora nomeado três anos antes. Foi reitor da Universidade do Porto por nomeação ministerial datada dos princípios de maio de 1931. Foi o único reitor não recrutado no meio académico, mas tal singularidade não constituiu qualquer ilegalidade, visto que a eventual nomeação de juízes do Supremo ou da Relação estava prevista no Estatuto da Instrução Universitária de 27 de julho de 1930. Naquela conjuntura, um reitor oriundo do meio judicial provavelmente inspirava mais confiança ao poder. O seu reitorado, de facto, aconteceu num contexto preocupante de agitação estudantil contra a ditadura. Em abril de 1931, grupos de ativistas, provavelmente estimulados pelos acontecimentos políticos da vizinha Espanha, tentaram levar os estudantes a decretar uma greve académica em defesa da Liberdade e da República. Por outro lado, no final desse mês, um estudante de Medicina do Porto fora morto numa intervenção policial na sua Faculdade, o que causou grande indignação. Mas o juiz-reitor não ocupou o cargo por muito tempo. Tomou posse a 11 de maio de 1931 e foi exonerado, a seu pedido, em 28 de abril de 1932.

No seu curto mandato procurou defender o prestígio e o bom nome da Universidade do Porto, impondo-se contra a indisciplina e a desordem, tentando não agravar professores nem alunos. Assistiu impotente ao encerramento da Faculdade de Letras, contra o qual se manifestou muito clara e veementemente. No fim da comissão foi louvado pelo governo pela forma inteligente como desempenhou, com zelo e competência, o cargo de reitor da Universidade do Porto.

SANTOS, Maria José Moutinho dos; ARAÚJO, Francisco – Alberto Plácido, in “Os Reitores da Universidade do Porto 1911-2011”. Porto, U.Porto / Fundação Engenheiro António de Almeida, 2011, p.119.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2018 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-01-08 Página gerada em: 2018-12-18 às 18:08:37