Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page is not available in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Doutores Honoris Causa pela U.Porto - Nuno Teotónio Pereira

Memória U.Porto

Doutores Honoris Causa pela Universidade do Porto

Nuno Teotónio Pereira


Fotografia de Nuno Teotónio Pereira

Proposta: Faculdade de Arquitectura
Data: 22 de janeiro de 2003


Nasceu em Lisboa a 30 de janeiro de 1922.

Em 1949 concluiu o curso de Arquitetura na Escola de Belas Artes de Lisboa com a classificação final de 18 valores. Ainda estudante, colaborou no gabinete do arquiteto Carlos Ramos, vindo mais tarde a constituir o seu primeiro atelier com Chorão Ramalho, Alzina de Menezes e Manuel Tainha. Na categoria de arquiteto estagiário, participou no I Congresso Nacional de Arquitetura de 1948, apresentando a comunicação "Habitação Económica e Reajustamento Social", em colaboração com Costa Martins.

Trabalhou como arquiteto consultor da Federação de Caixa de Previdência - Habitações Económicas, entre 1948 e 1972. Em 1949 foi admitido como sócio – sócio n.º 132 - do Sindicato Nacional dos Arquitetos. Cinco anos depois, instalou o seu atelier na rua da Alegria, em Lisboa, dando início a uma atividade notável no panorama da arquitetura nacional pela qualidade e quantidade das suas coautorias com arquitetos como Nuno Portas, Pedro Botelho, Bartolomeu da Costa Cabral, Pedro Vieira de Almeida, Gonçalo Byrne, Duarte Nuno Simões e João Paciência.
Foi organizador do 1.º Inquérito realizado em Portugal sobre as condições de utilização dos edifícios plurifamiliares (1950) e cofundador e dirigente do “Movimento para a Renovação da Arte Religiosa” (1952/1965). Dirigiu a equipa composta por António Pinto Freitas e Francisco da Silva Dias, que realizou o levantamento da Zona 4 – Estremadura, Ribatejo e Beira Litoral, promovido pelo Sindicato dos Arquitetos e que serviu de base ao livro “Inquérito à Arquitetura Regional Portuguesa” (1956/1958). Participou na organização da exposição “O Cooperativismo habitacional” (1957), promovida pela Associação de Inquilinos Lisbonenses, e foi relator do capítulo sobre Habitação e Urbanismo, áreas pela primeira vez incluídas no Plano de Fomento 1965/1967 (1964).

Presidiu ao Conselho Diretivo Nacional da Associação dos Arquitetos Portugueses (1984-1986 e 1987-1989), à Conferência das Organizações Nacionais de Arquitetos da CEE (1988) e à Secção Portuguesa da U.I.A. - S.P.U.I.A. Foi o primeiro delegado português ao Comité do Habitat da União Internacional dos Arquitetos (Bucareste, 1966). Representou Portugal no Comité de Ligação dos Arquitetos da Europa Unida (1986) e integrou os corpos gerentes do Sindicato Nacional dos Arquitetos, nos anos 60 e 70.
Colaborou no “Dicionário da História de Lisboa” (1994), no “Dicionário da História do Estado Novo” (1996) e no “Dicionário de História de Portugal” (1999-2000). É autor dos livros “Prédios e Vilas de Lisboa” (1995), “Tempos, lugares, pessoas” (1996) e “Escritos” (1996) e de inúmeros artigos e comunicações.

Ao longo da sua carreira foi agraciado com vários prémios de arquitetura, tais como o prémio da “I Exposição Gulbenkian” (1955), o 2.º prémio Nacional de Arquitetura da Fundação Calouste Gulbenkian (1961), o “prémio Arquitetura” da Secção Portuguesa da Associação Internacional dos Críticos de Arte (1985), o 1.º prémio no “Concurso Dyrup - Cidade de Lisboa” (1988), o prémio “Instituto Nacional de Habitação” (1992) e Menção do Júri do INH (1994), vários prémios “Valmor” (1967, 1971 e 1975) e ainda as menções honrosas (1987 e 1988), Menção do Júri do Prémio Secil (1992), o prémio “Espiga de Ouro” da Câmara Municipal de Beja (1993) e o prémio Municipal “Eugénio dos Santos”, da Câmara Municipal de Lisboa, em 1995.

Nuno Teotónio Pereira recebeu o título de Doutor honoris causa pela Universidade do Porto, em 2003, e, no ano seguinte, a sua obra foi tema da exposição “Arquitetura e Cidadania, Atelier Nuno Teotónio Pereira”, no Centro Nacional de Cultura. Em 2009 passou a sócio efetivo da Academia Nacional de Belas Artes. Em 2010 foi distinguido como a Medalha de Mérito Municipal, Grau de Ouro, da Câmara Municipal de Lisboa, e foi homenageado pelo Conselho Diretivo da Ordem Nacional de Arquitetura. Em 2012 recebeu o “Prémio Árvore da Vida – padre Manuel Antunes”, do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura e em 2015 foi distinguido com o Prémio Universidade de Lisboa.

Morreu a 20 de janeiro de 2016.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2013)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-12-20 Página gerada em: 2021-03-01 às 23:13:27