Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres U.Porto: José Pacheco Pereira

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

José Pacheco Pereira

Fotografia de Pacheco Pereira José Pacheco Pereira
1949-
Professor, historiador e politólogo



José Álvaro Machado Pacheco Pereira nasceu na cidade do Porto, no dia 6 de Janeiro de 1949, na freguesia do Bonfim. Filho de Álvaro Gonçalo de Lima Pacheco Pereira e de Maria Celina Machado e irmão de Maria Beatriz Machado Pacheco Pereira Dorminsky de Carvalho, fundadora do Fanstasporto (1981), com o marido, Mário Dorminsky.

Poeta Eugénio de AndradePacheco Pereira foi intelectualmente influenciado, desde os dezasseis anos, pelo amigo Eugénio de Andrade, que o levou a ler obras clássicas da literatura e da poesia, de autores como Thomas Mann, Hermann Hesse, Marguerite Yourcenar ou Rainer Maria Rilke.
Ainda jovem envolveu-se na vida política, em movimentos de oposição ao regime fascista, num período de forte contestação estudantil que teve o seu ponto alto no Maio de 68, em França.
No final dos anos sessenta iniciou a sua vida académica na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, passando depois, no ano letivo de 1968/1969, para o curso de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Em 1971, concluiu o bacharelato com a classificação final de catorze valores. No mesmo ano, traduziu A prática – De onde vêm as ideias justas, de Mao Tsé-Tung, com Maria Helena Parreiro, e Cartas sobre o materialismo histórico de Friedrich Engels.

PCP (m-l)Então politicamente ligado ao maoísmo, fundou no norte do país o PCP (M-L) e na sequência do assalto da PIDE à sua casa, em 1973, passou a viver na semiclandestinidade até 11 de Março de 1975, porque, apesar da Revolução dos Cravos, o partido continuava momentaneamente ilegal. Depois da sua legalização, abandonou o Partido Comunista e, em seguida, o marxismo-leninismo. Regressou à Faculdade para terminar o curso, em 1978, obtendo a classificação final de catorze valores.
Entre 1980 e 1987 foi assistente no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). Em 1983 lançou a revista Estudos sobre o comunismo: Boletim de estudos interdisciplinares sobre o comunismo e os movimentos comunistas. E, em 1984, com João Carlos Espada e Manuel Villaverde Cabral, fundou o Clube da Esquerda Liberal.

Retrato oficial do Presidente Mário Soares de Júlio Pomar (1996)Em 1986 retomou a atividade política, ao participar na primeira candidatura de Mário Soares à Presidência da República, tendo integrado, inclusivamente, a Comissão de Honra do MASP. Em 1987 foi eleito deputado como independente nas listas do PSD, partido ao qual se juntou formalmente em 1988. Foi deputado durante três mandatos na Assembleia da República e chegou a líder do Grupo Parlamentar do PSD, cargo do qual se demitiu por divergências com o Secretário-Geral, Fernando Nogueira. Foi presidente da Distrital do PSD de Lisboa, cargo que abandonou para a ele se recandidatar, embora acabando vencido pelo seu oponente, Duarte Lima. Foi membro da Delegação da Assembleia da República à Assembleia da NATO e Presidente do Subcomité da Europa de Leste e da ex-URSS, da Comissão Política da Assembleia do Atlântico Norte. Foi também Vice-Presidente do Instituto Luso-Árabe para a Cooperação.

Assembeia da República, antigo Palácio de S. BentoNas eleições legislativas de 1995 foi cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Aveiro, enfrentando, muito acesamente, figuras como Paulo Portas, do CDS-PP, e Carlos Candal, do PS. Em 1999, a convite de Durão Barroso, encabeçou a lista do PSD às eleições para o Parlamento Europeu. Em 2002 foi de novo cabeça de lista do seu partido nas eleições legislativas, mas desta vez pelo círculo eleitoral do Porto; contudo, por ser deputado europeu não assumiu o cargo de deputado na Assembleia da República para que foi eleito. Foi Vice-Presidente do Parlamento Europeu entre 1999 e 2004.
Neste último ano foi nomeado embaixador de Portugal na UNESCO, mas apenas um mês depois da divulgação do cargo demitiu-se ao saber que Santana Lopes iria substituir Durão Barroso no lugar de primeiro-ministro.
Além da sua precoce atividade política, cedo também se dedicou à escrita e à crítica. Colabora regularmente em vários órgãos da comunicação social. É cronista do jornal Público e da revista Sábado, tendo já publicado crónicas e artigos de opinião no Jornal de Notícias, no Semanário, no Comércio do Porto e no Diário de Lisboa. É comentador político de televisão, em programas como a Quadratura do Círculo, do canal SIC Notícias, que sucedeu ao programa radiofónico Flashback da TSF. E é comentador do Rádio Clube Português.

Capa da biografia de Álvaro Cunhal de Pacheco PereiraProfere conferências com regularidade e é autor de várias obras, entre as quais se pode destacar a biografia de Álvaro Cunhal. Coordena e prefacia livros sobre Política, Sociologia e História e tem dois blogs (Abrupto e Estudos sobre o Comunismo). Foi professor na Universidade Autónoma de Lisboa e é atualmente docente do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). É membro de várias academias científicas e também colaborador de revistas especializadas.
Possui uma extensa biblioteca privada, na sua casa da Marmeleira, com milhares de livros, onde guarda o material recolhido sobre os movimentos marxistas-leninistas e radicais, publicados até ao fim dos anos 70 do século XX.
Nas comemorações do 10 de Junho de 2005, recebeu a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, uma condecoração concedida pelo Presidente da República Jorge Sampaio.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2008)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2017 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-01-06 Página gerada em: 2017-10-20 às 20:46:18