Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres da U.Porto: José Teixeira Barreto

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

José Teixeira Barreto

Desenho de José Teixeira Barreto por José Augusto de Figueiredo c. 1880 / Drawing of José Teixeira Barreto by José Augusto de Figueiredo c. 1880 José Teixeira Barreto
1763-1810
Pintor e colecionador



José Teixeira Barreto, filho de Domingos Teixeira Barreto, pintor, dourador e riscador de talha, que viveu e trabalhou em Santo Ildefonso, e de Josefa Maria Angelica, nasceu no Porto a 19 de março de 1763 e foi batizado seis dias depois na igreja de Santo Ildefonso.

Livro de Pedro Vitorino de 1925 / Book of Pedro Vitorino, 1925Iniciou a sua aprendizagem como pintor na oficina do pai e frequentou a "Escola da Porta do Olival" ou a Aula de Debuxo e Desenho.

Em 21 de novembro de 1782 tomou o hábito beneditino no Mosteiro de S. Martinho de Tibães, distrito de Braga, adotando o nome de Fr. José da Apresentação. Durante esta fase inicial da sua vida executou várias pinturas para os mosteiros de Tibães e de Santo Tirso. Quando foi para Lisboa estudar Desenho na aula do professor Joaquim Manuel da Rocha passou a residir no Mosteiro de S. Bento da Saúde (hoje edifício da Assembleia da República).

Em 1790, cinco anos depois de ter ido viver para Lisboa, viajou até Roma, tal como Francisco Vieira, para aperfeiçoar a sua pintura, frequentar os museus de arte italianos e copiar obras da Arte Clássica. Durante a estadia em Itália estudou com os mestres Marcelo Lombardi, José Cades e Cagnereaux e obteve a secularização por intermédio do embaixador D. Alexandre de Sousa de Calhariz e Holstein, seu protetor, que lhe concedeu uma pensão mensal.

Gravura de José Teixeira Barreto (1794) / Picture of José Teixeira Barreto (1794)Entre as obras que então realizou, contam-se duas águas-fortes datadas de 1794 e de 1795, dedicadas ao seu patrono, e 41 gravuras para o livro "Scherzi Poetici Pittorici" de Giovanni Gherardo Rosse, publicadas na edição de luxo dessa obra (Parma, 1811), oferecida a Napoleão.

De regresso a Portugal, trouxe uma coleção de pintura que veio a constituir um museu no Mosteiro de Tibães (dispersa após 1834 e que veio a integrar o Museu Portuense), as relíquias da virgem e mártir Santa Clara, depositadas na igreja do Terço (1798) e depois trasladadas (1803) para a capela do Bonfim, e três livros de desenhos da sua autoria, dois deles hoje pertencentes à Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e o outro ao Museu Nacional de Soares dos Reis.

José Teixeira Barreto por J. Baptista (coleção de Vitorino Ribeiro) / José Teixeira Barreto by J. Baptista (colection of Vitorino Ribeiro)No período pós-romano, produziu as pinturas do coro-alto da igreja matriz de Santo Tirso, o pano de boca do camarim do altar-mor da igreja da Venerável Ordem Terceira de S. Francisco, no Porto (c. 1800), o pano de boca do altar-mor da igreja paroquial de S. João da Foz, no Porto, pinturas para os mosteiros de S. João de Pendorada e de Santa Maria de Pombeiro, possivelmente duas telas para a igreja portuense de S. Lourenço e hoje guardadas no Museu Nacional de Soares dos Reis ("S. Pedro mostrando a Eucaristia" e "O Maná"), o auto-retrato (Museu Nacional de Soares dos Reis) e um retrato do pintor Francisco Vieira, o Portuense.

Entre 1803 e 1810 lecionou Desenho na Academia Real de Marinha e Comércio da Cidade do Porto. Nomeado lente proprietário por carta régia de 1 de outubro, auferia o ordenado anual de 600 réis.
Nesta fase final da vida solicitou o reingresso na ordem beneditina. Porém, a morte surpreendeu-o no dia 6 de novembro de 1810. Foi sepultado no dia seguinte, numa campa rasa com o n.º 18, no cruzeiro da igreja do Mosteiro de S. Bento da Vitória, no Porto.

José Teixeira Barreto deixou um valioso legado, composto pela sua obra pictórica e também pelos quadros que colecionou. Pinturas de sua autoria ficaram a pertencer à Congregação Beneditina. Figura de grande influência na pintura da época e na produção artística em sentido lato, ficou também a dever-se-lhe a criação do primeiro museu de pintura em Portugal.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2012)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-07-15 Página gerada em: 2021-06-18 às 14:11:59