Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page is not available in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Hoje é domingo
Você está em: U. Porto > Recursos e Serviços > A Gripe e a U.Porto: As três Gripes

Recursos e Serviços

As três Gripes

A gripe aviária é uma doença infecciosa das aves que ocorre em todo o Mundo, sendo conhecida desde há várias décadas.
Além do impacto nas aves, problema importante do ponto de vista socio-económico e da saúde veterinária, a actual epizootia (epidemia em animais) pelo vírus da gripe aviária A (H5N1) reveste-se de algumas repercussões para a saúde humana, tendo sido acompanhada de casos esporádicos de gripe humana por H5N1 (ver Cumulative Number of Confirmed Human Cases of Avian Influenza A/(H5N1) Reported to WHO em http://www.who.int/csr/disease/avian_influenza/en/).
O número confirmado destes casos, ainda que estejam associados a uma aparente elevada letalidade, é muito reduzido quando comparado com outras doenças, nomeadamente infecciosas [por exemplo, tuberculose, malária ou infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH)] pelo que a gripe aviária em humanos dificilmente pode ser considerada um problema de saúde pública humana.
Do ponto de vista de saúde humana, o principal problema que esta epizootia representa é o seu potencial de originar uma pandemia de gripe.

Em humanos, duas outras formas de gripe apresentam uma magnitude muito maior do que os casos esporádicos de gripe aviária – a gripe sazonal e a gripe pandémica.

A gripe sazonal é uma doença causada pelo vírus da gripe humana.
Em regra, a gripe sazonal tem uma evolução favorável para a cura em poucos dias, habitualmente em menos de uma semana, o que lhe confere um carácter de doença aparentemente benigna. No entanto, importa referir que a gripe sazonal é uma doença com repercussão significativa na saúde pública:

  • Os indivíduos com idade superior a 65 anos e as pessoas com patologia crónica subjacente apresentam maior probabilidade de doença grave e de morte, por agravamento da doença pré-existente ou pneumonia.
  • Estima-se que, em cada ano, cerca de 10 % da população seja afectada, provocando não só uma mortalidade relevante, sobretudo nos grupos de risco (devido às complicações acima referidas), como também absentismo laboral e escolar com efeitos negativos marcantes nos planos económico e social.

Apesar de não serem totalmente compreendidos os mecanismos de transmissão, pensa-se que o vírus é transmitido aos indivíduos susceptíveis através das secreções respiratórias. A doença dissemina-se rapidamente entre a população, particularmente em condições de maior aglomeração.

Uma pandemia de gripe é um acontecimento raro mas recorrente, associado a casos de doença grave, a um excesso de mortalidade e a disrupção social e económica.
Para a ocorrência de uma pandemia, é necessário o preenchimento de três pré-requisitos:

  • emergência de um novo subtipo de vírus para o qual toda a população é imunologicamente susceptível;
  • capacidade de replicação e de causar doença grave em humanos por parte deste novo vírus;
  • transmissão eficiente e sustentada de pessoa a pessoa.

O vírus da gripe aviária A (H5N1) cumpre os dois primeiros requisitos.
Convém, contudo, ter presente que apesar da epizootia aviária pelo vírus A (H5N1), não pode ser descartada a possibilidade de que um outro vírus aviário possa desencadear uma pandemia.
Ainda que seja certo que uma pandemia de gripe ocorrerá no futuro, é impossível, à luz do conhecimento actual, prever quando tal acontecerá e qual será a gravidade desse evento.
Perante estas incertezas, qual será a melhor forma de nos preparamos para uma pandemia?

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2017 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2009-03-19 Página gerada em: 2017-05-28 às 07:31:11