Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Nota biográfica de Almeida Garrett

Memória U.Porto

Enquadramento Urbano do Edifício da Reitoria da U.Porto - Casa onde nasceu Almeida Garrett

Nota Biográfica de Almeida Garrett (1799-1854)

"Ora eu nasci no Porto e criei-me em Gaia"
(Almeida Garrett, no prefácio do romance "O Arco de Sant’Ana")

Litografia de Almeida Garrett, cerca de 1850 / lithography of Almeida Garrett, about 1850João Baptista da Silva Leitão, segundo filho de António Bernardo da Silva e de Ana Augusta de Almeida Leitão, nasceu no Porto a 4 de Fevereiro de 1799. Foi batizado passados seis dias na Igreja Paroquial de Santo Ildefonso, tendo recebido por padrinhos João Baptista da Silva e Antónia Margarida Garrett. A partir de 1818 adotou em definitivo os apelidos Almeida Garrett, pelos quais ficou para sempre conhecido.

Fotografia do Aqueduto dos Arcos do Sardão, em Oliveira do Douro / Photo of Arcos do Sardão Aqueduct, in Oliveira do DouroEm 1804, com 5 anos de idade, foi viver para Vila Nova de Gaia, onde a família tinha propriedades. Numa primeira fase, habitou a Quinta do Castelo, no lugar do Candal, freguesia de Santa Marinha, sita nas proximidades das ruínas do Castelo de Gaia. Terá sido aqui que ouviu pela primeira vez a lenda de Gaia que, mais tarde, integraria o seu universo literário. Numa segunda fase, fixou-se na Quinta do Sardão, em Oliveira do Douro, imponente propriedade rural servida de água pelo aqueduto dos Arcos do Sardão, construído pelo avô materno de Almeida Garrett.

Em 1809, com a aproximação das tropas napoleónicas, a família deslocou-se para Lisboa, de onde seguiu para Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira. Nesta ilha açoriana, João Baptista foi educado por D. Frei Alexandre da Sagrada Família, Bispo de Angra e seu tio.

Em 1816 regressou ao continente para estudar Leis em Coimbra. Durante o tempo passado no meio académico coimbrão dedicou-se à literatura e conviveu com novas correntes políticas.

Depois de concluir o curso em 1821, Almeida Garrett procurou fazer carreira em Lisboa, como funcionário público e escritor. Entretanto, casou com Luísa Midosi, de quem se viria a separar em 1836.

Desenho do Arco de Santana / Drawing of Santana ArcA viragem de regime resultante da Vilafrancada (1823) conduziu-o ao exílio, como a tantos outros. Primeiro em Inglaterra, depois em França, onde deu à estampa a obra "Camões", pioneira da literatura romântica portuguesa.

Em 1826 regressou a Portugal, mas por pouco tempo, pois esteve novamente exilado. Em 1832 juntou-se ao exército liberal organizado por D. Pedro na Ilha Terceira e que desembarcou triunfalmente na praia do Mindelo. O soldado Garrett integrava o famoso Batalhão Académico.

Durante o Cerco do Porto, Almeida Garrett esteve aquartelado com o n.º 72 no Colégio de S. Lourenço (actual Seminário Maior de Nossa Senhora da Conceição), como voluntário do Batalhão Académico. Nessa altura começou a escrever o romance histórico "O Arco de Sant’Ana (Crónica Portuense). Manuscrito achado no convento dos Grilos no Porto, por um soldado do Corpo Académico", publicado em dois volumes, entre 1845 e 1851.

A vitória dos liberais na guerra civil proporcionou-lhe o desempenho de vários cargos políticos, como o de Encarregado de Negócios e Cônsul-Geral na Bélgica, de Inspetor-Geral dos Teatros e Espetáculos Nacionais, de deputado e de responsável pela Pasta dos Negócios Estrangeiros. Recebeu, também, várias distinções como o título de Visconde e a eleição de Par do Reino.

Fotografia da Estátua de Almeida Garrett da autoria do escultor Barata Feyo / Photo of a Almeida Garrett Statue, by the sculptor Barata FeyoAlmeida Garrett teve uma vida sentimental atribulada. Manteve relações amorosas com Adelaide Pastor Deville, de quem teve uma filha, Maria Adelaide, nascida em 1841, e com a viscondessa da Luz, que inspirou muitas das suas poesias.

Almeida Garrett abandonou a vida pública aos 53 anos. Pouco depois faleceu em Lisboa, a 9 de Dezembro de 1854.

Na Praça do General Humberto Delgado, Porto, em frente aos Paços do Concelho, foi erguida uma estátua da autoria do mestre Salvador Barata Feyo para comemorar o 1.º centenário da morte de Almeida Garrett.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-07-05 Página gerada em: 2019-01-23 às 10:28:09