Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Casa do Gólgota

Memória U.Porto

U.Porto - Edifícios com história

Casa do Gólgota

Fotografia da Casa do Gólgota / Photo of Casa do GólgotaA Quinta do Gólgota foi adquirida pela Universidade do Porto, que nela instalou a Faculdade de Arquitectura, carenciada de instalações próprias desde há algum tempo. O Palacete Braguinha, na Avenida Rodrigues de Freitas, onde esta Faculdade teve as primeiras instalações, esgotara a sua capacidade logística. O local de implantação da Casa do Gólgota tornava este imóvel ainda mais apetecível pois o Projecto de Planeamento Geral do Pólo 3 já se encontrava em curso nessa altura (início dos anos 80 do século XX) e, assim, as novas instalações da FAUP ficariam integradas nesta zona universitária.

Fotografia do Miradouro dos jardins da Casa do Gólgota / Photo of the Belvedere in the gardens of Casa do GólgotaO edifício foi adquirido pelo Ministério das Obras Públicas por escritura de compra e venda lavrada a 30 de Novembro de 1984. O imóvel tinha o nome de "Casa do Gólgota", ocupando o número 215 da rua com o mesmo nome: rua que "bifurca com a denominada via panorâmica, belo miradouro debruçado sobre a meia encosta da margem direita do Rio Douro, inserida no complexo rodoviário que serve a Ponte da Arrábida." (Memorando de 11 de Junho de 1984, incluído no [Processo de] aquisição de um prédio na Quinta do Gólgota: Avaliação promovida pela CEN do prédio denominado "Casa do Gólgota" (…). In Projectos de Obras, pasta 519 – Arquivo Central da Reitoria da U.Porto).

Fotografia de fonte em pedra nos jardins da Casa do Gólgota / Photo of a stone fountain in the gardens of Casa do GólgotaNo processo de aquisição de um prédio na Quinta do Gólgota (In Projectos de Obras, pasta 519 – Arquivo Central da Reitoria da U.Porto), a casa é assim descrita:

"Velha mansão constituída por parcela ajardinada, cuidada, com arruamentos pavimentados, murada, com uma fonte em pedra e estufas, uma mina [que] abastece de água a rega, [um] anexo de um piso, com desvão do telhado aproveitado, para arrumos de jardim. Moradia de 4 frentes e 4 pisos – R/c – sala de estar, átrio, cozinha, arrumos, despensa, garrafeira e sanitário. 1.º andar – grande salão, sala de estar, sala de jantar, copa e sala de trabalho. 2.º andar – 5 quartos, um com saleta anexa e 2 quartos de banho. Águas furtadas – 6 divisões zona de serviço e acomodação de pessoal apoiada por um quarto de banho. Comunicações verticais – por 2 escadas (principal e de serviço).
Fotografia do jardim da Casa do Gólgota / Photo of garden of Casa do GólgotaA construção [do] anexo [foi feita em] cobertura de telha sobre armação de madeira. Paredes de alvenaria de pedra, areadas e pintadas. Pavimento de betonilha. [A] moradia – Grande habitação, antiga (próxima do início do século), sólida, de categoria média no mundo actual, mas sem dúvida, de luxo para a época em que foi levantada.
Sem nada de excepcional sob o ponto de vista construtivo, houve porém a intenção de criar ambiente confortável através do uso de pavimentos de mármore (átrio e casas de banho) e do guarnecimento de paredes interiores com madeira de qualidade. Cobertura de telha. Estrutura de madeira. Paredes de alvenaria de pedra areadas ou estucadas com papel, madeira ou pintura a guarnecer. Pavimentos de madeira (soalho, excepto no átrio e quartos de banho (mármore) e na cozinha (mosaico). Caixilharias e esquadrias de madeira pintadas.
Fotografia da Quinta do Gólgota / Photo of Quinta do Gólgota (Gólgota Estate)Tem instalações de água canalizada (pública e de mina), de electricidade e de esgotos, desactualizadas.
Conservação – A manutenção tem sido atenta e cuidada pelo que o prédio mostra boa conservação e possibilidade de utilização imediata, só carecido de beneficiações e alterações específicas, exigidas pelos novos utentes.
"

Para autor da obra de recuperação da Quinta e Casa do Gólgota foi escolhido o arquitecto Álvaro Siza Vieira, também docente na Faculdade de Arquitectura. As novas instalações foram entregues à FAUP a 18 de Dezembro de 1984, o que permitiu que os trabalhos escolares do ano lectivo em curso decorressem já no Pólo 3.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2017 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2011-05-23 Página gerada em: 2017-09-26 às 15:35:11