Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres U.Porto: Henrique Pousão

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

Henrique Pousão

Fotografia de Henrique Pousão / Photo of Henrique Pousão Henrique Pousão
1859-1884
Pintor



Fotografia de um Busto de Henrique Pousão / Photo of a Bust of Henrique PousãoHenrique César de Araújo Pousão nasceu em Vila Viçosa a 1 de Janeiro de 1859. Era filho de Francisco Augusto Nunes de Pousão, bacharel em Direito, e de D. Maria Teresa Alves de Araújo e neto e bisneto de pintores. O avô paterno, Caetano Alves de Araújo, pintou a tela Instituição do Santíssimo Sacramento para a Capela do Santíssimo Sacramento da Igreja de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, e o bisavô paterno, António Pousão, foi autor, entre outras obras, de quadros para o Convento de São Paulo da Serra de Ossa, no Redondo.

No ano de 1863, a família fixou-se em Elvas, onde Henrique faria a escola primária. Pouco tempo depois da mudança, a mãe morreu vítima de tuberculose e o pai veio a casar, algum tempo depois, com Maria da Conceição Veiga. Nos anos seguintes, Pousão executou vários desenhos, entre os quais se conta o promissor "Retrato da Prima", de 1869.
No início da década de Setenta de Oitocentos, partiu com o pai para Barcelos. Nesta terra nortenha, inspirado pelos habitantes locais e por gravuras e fotografias, dedicou-se a fazer desenhos assinados e datados de 1872.

António Ramalho, 1880A sua paixão pelo desenho levou o pai a instalá-lo no Porto, na casa de um amigo, para aí investir seriamente na Arte. Por conselho do seu mestre, o pintor António José da Costa, matriculou-se em Outubro de 1872 na Academia Portuense de Belas Artes, sem, no entanto, abdicar das aulas particulares. Naquela Academia foi aluno de Thadeo Maria de Almeida Furtado e de João António Correia e colega de Sousa Pinto, Custódio Rocha e José de Brito. Em 1880 concluía os seus estudos.
Durante as férias visitava o pai, entretanto transferido para Olhão como Juiz de Direito. Aproveitava-as para desenhar paisagens marítimas. No regresso ao Porto, tentou a sorte no concurso a pensionista no estrangeiro, juntamente com António Ramalho. Os dois candidatos foram aprovados com mérito absoluto, sendo Henrique Pousão também aprovado em mérito relativo. Porém, a partida para Paris não foi imediata, uma vez que as provas careciam de aprovação por parte de Lisboa. Nesse compasso de espera, participou no Centro Artístico Portuense e colaborou com a revista Ocidente.

Pintura Cecília, Henrique Pousão, 1882 / Cecília painting, Henrique Pousão, 1882Por fim, em Novembro de 1881, partiu para Paris como pensionista do Estado na classe de Pintura de Paisagem, na companhia de José Júlio Sousa Pinto, pensionista de Pintura Histórica. De passagem, teve oportunidade de visitar o Museu do Prado, em Madrid.

Na cidade luz, após três meses de frequência na Escola Nacional de Belas Artes, a aprender com os mestres Adolphe Yvon e Alexandre Cabanel, foi afetado por uma bronquite aguda, que o obrigou a transferir-se para Bourboule (Puy-de-Dome), em Marselha, para tratar da enfermidade. Dois meses volvidos, regressou a Paris, mas, por determinação médica, seguiu para Roma em Dezembro desse ano. No caminho, visitou Turim e Pisa.

Em Roma, associou-se ao Círculo de Artistas local e pintou. Desta fase destacou-se o quadro Cecília, que retrata uma jovem orante junto a um pilar da Igreja de Santo António dos Portugueses, com o qual concorreu ao Salon de Paris.

Pintura Casas brancas de Capri de Henrique Pousão, 1882 / White houses of Capri, painting of Henrique Pousão, 1882Depois do semestre passado em Roma, e de novo por motivos de saúde, deslocou-se até à comuna de Anacapri, na ilha de Capri, aí passando o Verão e o Outono de 1882. Nesse período retratou as sedutoras paisagens mediterrânicas locais, plenas de luz, em obras como as Casas brancas de Capri. Visitou Pompeia e o Vulcão Vesúvio e instalou-se em Nápoles.

Voltou a Roma em 18 de Janeiro de 1883. Nesta cidade, preparou o envio de quadros para a Academia e conheceu o pintor espanhol Pradilla e a obra de Monelli, dois artistas bem representativos do "impressionismo mediterrânico". Debilitado pela fragilidade dos pulmões, reinstalou-se em Anacapri, durante os meses de Setembro e Outubro.

Pintura A casa das persianas azuis, Henrique Pousão, 1883 / The house of blue shutters, painting of Henrique Pousão, 1883O agravamento do estado de saúde trouxe-o de volta a Portugal. Na viagem de regresso passou por Sorrento, Castellamare, Nápoles, Roma, Génova, Marselha e Barcelona, Valência, Sevilha, Huelva, Ayamonte, Guadiana, Vila Real e Olhão, nesta última paragem era esperado pelo pai.
Finda uma curta estadia no Algarve, voltou a Vila Viçosa. Para morrer. A 20 de Março de 1884, uma hemoptise conduziu-o precocemente à morte.

Em 1888, por disposição testamentária do pai, o espólio de Henrique Pousão foi cedido à Academia Portuense de Belas Artes. Hoje em dia, uma substancial parte da sua obra encontra-se exposta no Museu Nacional de Soares dos Reis.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2008)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2018 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-01-06 Página gerada em: 2018-12-18 às 17:55:05