Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres U.Porto: Luís Cunha

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

Luís Cunha

Fotografia de Luís Cunha Luís Cunha
1933-
Arquiteto



Luís Cunha nasceu no Porto a 14 de Abril de 1933 e nesta cidade frequentou o curso de Arquitetura na Escola de Belas Artes do Porto, o qual concluiu em 1953.

Até 1966 trabalhou na Câmara Municipal do Porto, tendo passado, depois, a exercer a profissão de arquiteto em regime liberal, primeiramente no Porto e, de seguida, em Lisboa.

Igreja paroquial do Carvalhido de Luís CunhaCom um estilo expressionista muito próprio traçou um vasto conjunto de edifícios e de equipamentos religiosos que lhe trouxeram a fama. Entre essas obras destacam-se a Igreja Paroquial de Santa Joana Princesa, em Aveiro (1972-1976); convento e seminário em Braga (1979); a igreja e convento dos Padres Dominicanos e a residência para religiosas em Fátima (1978); a Igreja do Carvalhido, consagrada ao Sagrado Coração de Jesus, Maria e José (1967-1969) e a Igreja de Nevogilde, no Porto; a Residência para religiosas na Parede (1977), Lisboa; a Igreja de Ponta Delgada, Açores (1980); a Igreja de Pindelo, em Oliveira de Azeméis; a Igreja de Cristo Rei de Portela de Sacavém (1982), em Loures, inaugurada nos anos 90 (ostenta esculturas de mármore com os símbolos dos Evangelistas desenhados pelo próprio Arquiteto) e o Plano Geral de Ordenamento do Santuário de Cristo Rei, em Almada, obra em colaboração com Domingos Ávila Gomes (1984) – construiu-se o edifício de Acolhimento, onde se encontram instalados a Reitoria e os Serviços Administrativos, e que dispõe de uma capela, uma sala de reuniões e uma galeria de exposições. Luís Cunha é, ainda, o autor do novo altar da Sé de Viseu (1991-1992).

Igreja do Cristo Rei de Portela de SacavémLuís Cunha também projetou arquitetura civil, nomeadamente edifícios administrativos, culturais, turísticos e residenciais. Riscou obras que não chegaram a ser construídas, como um novo teatro municipal para o Porto, com Januário Godinho, serviços municipalizados para Aveiro, com X. Olazabal, e um edifício para a Avenida da República, em Lisboa. É o autor do Jardim do Ouro, com a escultura de Lagoa Henriques, no Porto (1960), de um auditório, em Ponta Delgada, nos Açores (1971-78); da sede do jornal "Diário do Minho", em Braga (1972); de um conjunto de casas em Penafiel, em colaboração com D. Rebelo (1978-1980); da proposta para a nova Assembleia Regional dos Açores, na Horta, em co-autoria com M. Naia (1980); do arranjo da praça e edifícios para Vila do Conde; das novas instalações da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa; do projecto de residência universitária para o Pólo II da Universidade do Porto, com Domingos Ávila Gomes.

Nos Açores riscou uma área turística na Praia do Pópulo, na Ilha de S. Miguel, o complexo náutico-turístico para a Avenida Marginal de Ponta Delgada (1977) e apresentou uma proposta para a reconstrução de Angra do Heroísmo, depois do terramoto de 1 de Janeiro de 1980.

Desenvolveu, igualmente, projetos na área do Urbanismo, tendo participado no Plano de Urbanização do Porto com Robert Auzelle. Também se tem dedicado ao desenho e à pintura.

Em Maio de 2009 associou-se ao I Fórum de Arquitectura Religiosa, realizado na Póvoa de Varzim, onde apresentou uma comunicação intitulada "Arquitectura Religiosa: do movimento de renovação às realizações do Presente e às interrogações do Futuro".
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2010)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-06-22 Página gerada em: 2019-01-23 às 10:14:07