Saltar para:
Logótipo SIGARRA U.Porto
This page in english A Ajuda Contextual não se encontra disponível Autenticar-se
Hoje é domingo
Você está em: U. Porto > Memória U.Porto > Antigos Estudantes Ilustres U.Porto: Arlindo Rocha

Memória U.Porto

Antigos Estudantes Ilustres da Universidade do Porto

Arlindo Rocha

Inexistência de fotografia Arlindo Rocha
1921-1999
Escultor



Peça Mulher e Árvore Arlindo Gonçalves da Rocha nasceu na cidade do Porto em 1921.

Frequentou a Escola Superior de Belas Artes do Porto numa época de reforma, liderada, entre outros, pelos professores Carlos Ramos, Joaquim Lopes, Dórdio Gomes e Barata Feyo.
Entre 1943 e 1950 participou nas Exposições Independentes que passaram pelo Porto, Lisboa, Coimbra, Leiria e Braga.
Em 1945 concluiu o curso de Escultura na ESBAP e realizou o estágio na Missão Estética de Férias.
Por esta altura, associou-se no Porto ao Grupo dos Independentes, no seio do qual surgiram as primeiras experiências da abstração geométrica, na pintura de Fernando Lanhas e na escultura de Arlindo Rocha.

Peça Abstracção I de Arlindo Rocha Em 1948 exibiu "Mulher e Árvore", um precursor bronze polido, introdutor de uma nova linguagem escultórica, totalmente abstrata, que viria a repetir nas obras "Abstracção" e "Abstracção II", apresentadas em 1949.
Desde esse ano que integrou as Exposições de Arte Moderna do SPN/SNI, na capital. Na época, essas manifestações artísticas eram dominadas pelas propostas neo-realistas e surrealistas.
Em 1953 obteve uma bolsa do Instituto de Alta Cultura que lhe permitiu estagiar em Itália. No ano seguinte participou no I Salão de Arte Abstracta impulsionado pela Galeria de Março, em Lisboa, instituída por Fernando Lemos e José Augusto França e que foi um foco de importante atividade em prol da Arte nacional, entre 1952 e 1954. Nesse ano expôs individualmente em Lourenço Marques, atual cidade de Maputo, e na Beira, em Moçambique, para o que contou com o patrocínio do Ministério do Ultramar.

Em 1957 esteve presente na I Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e participou no concurso para o "Monumento ao infante D. Henrique" a ser erguido em Sagres.
Em 1958 produziu "Poesia" e foi convidado a fazer parte da representação portuguesa à Exposição Internacional de Bruxelas, na qual receberia a medalha de prata.
Em 1959 exibiu "Ritmo de Primavera", alcançou o Prémio de Arte Moderna, em Viana do Castelo, o Prémio de Escultura "Mestre Manuel Pereira", no Salão dos Novíssimos, e obteve uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian que lhe permitiu visitar o Egipto e a Grécia e os principais museus europeus.

Peça Ciência de Arlindo Rocha Em 1961, na II Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, apresentou "Ciência" (1956-1960), uma peça inovadora em metal branco e estanhado, que abriu caminho à abordagem geométrica da forma.
Nos anos seguintes, esteve presente em importantes certames artísticos como a I Exposição dos Artistas Premiados nos Salões dos Novíssimos, em Lisboa, a VIII Bienal de Arte de São Paulo (1965), a exposição "Levantamento da Arte do século XX no Porto", patente no Museu Nacional de Soares dos Reis (1975), Porto, e a exposição "Aspectos da Arte Abstracta em Portugal", na SNBA, em Lisboa (1981).
A par dos seus notáveis trabalhos originais, que lhe garantiram um lugar de destaque no panorama da Escultura nacional, desenvolveu, também, obras figurativas para responder a encomendas nas áreas da arte pública, da medalhística e da arte sacra.

Estátua de António Ferreira Gomes A partir dos anos 80 aproximou-se do movimento Construtivista, produzindo obras que fundem escultura e arquitetura, nomeadamente as peças que mostrou na IV Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira, e peças que homenageiam grandes figuras da cultura nacional: "Homenagem a Florbela Espanca" e "Homenagem a António Aleixo", de 1985, "Colagem-homenagem a Fernando Lanhas", "Memória ao meu tio arquitecto" e "Homenagem a Camilo", de 1987, exibidas na II Bienal das Caldas da Rainha.

Este artista pioneiro da escultura abstrata em Portugal está representado no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, no Museu Amadeo de Souza-Cardoso, em Amarante, e na Secretaria de Estado da Cultura.

Arlindo Rocha faleceu no Porto, em 1999.
(Universidade Digital / Gestão de Informação, 2010)

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2018 © Universidade do Porto Termos e Condições Acessibilidade Índice A-Z Livro de Visitas
Última actualização: 2016-06-20 Página gerada em: 2018-12-16 às 11:12:29