Saltar para:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Início > Publicações > Visualização > A incontinência urinária em mulheres praticantes de exercício recreativo: um estudo transversal.

A incontinência urinária em mulheres praticantes de exercício recreativo: um estudo transversal.

Título
A incontinência urinária em mulheres praticantes de exercício recreativo: um estudo transversal.
Tipo
Tese
Ano
2020-06-30
Autores
Maria Francisca de Castro Ribeiro Pereira da Silva
(Autor)
FMUP
Ver página pessoal Sem permissões para visualizar e-mail institucional Pesquisar Publicações do Participante Sem AUTHENTICUS Sem ORCID
Classificação Científica
FOS: Ciências médicas e da saúde > Medicina clínica
Outras Informações
Resumo (PT): Introdução: A incontinência urinária afeta até 1/3 das mulheres em Portugal. O exercício pode ser fator precipitante ou agravante, mas também protetor, se adequado. O objetivo deste estudo é determinar a prevalência de incontinência urinária em mulheres praticantes de exercício recreativo, avaliar a relação com o tipo de exercício e outros fatores de risco coexistentes, e aferir se o tema é abordado nos ginásios. Materiais e Métodos: Estudo transversal através de questionários de auto-preenchimento em ginásios do Porto e Vila Nova de Gaia. Resultados: Duzentas e noventa mulheres completaram os questionários; 67,6% tinham menos de 40 anos; 25,2% referiam incontinência; 53,4% tinham pelo menos um fator de risco não relacionado com exercício. Verificou-se uma associação estatisticamente significativa (p<0,05) entre incontinência, obesidade e obstipação. Exercícios de alto impacto eram incluídos nos treinos de 62,1% das mulheres continentes e de 50,9% das incontinentes. O tema incontinência e fortalecimento muscular do pavimento pélvico foi abordado em apenas 5,5% na avaliação inicial, 9,7% em treinos coletivos e em 13,5% das 37 com treinos individuais. Discussão: A maior proporção de mulheres continentes, comparativamente às incontinentes, que praticavam exercício extenuante, sugere que este era um fator provocativo para algumas, não se verificando contudo uma associação estatisticamente significativa entre incontinência e tipo de exercício. Conclusão: A incontinência urinária afeta mulheres praticantes de exercício recreativo, independentemente da idade e características do exercício. Raramente é abordada nos ginásios, sendo necessário sensibilizar os profissionais para potenciar os efeitos preventivos/terapêuticos do exercício na função do pavimento pélvico e no controlo de fatores de risco modificáveis.
Abstract (EN): Introduction: Urinary incontinence affects up to 1/3 of women in Portugal. Exercise can be a precipitating/exacerbating factor but also protective, if appropriate. The aim of this study is to determine the prevalence of urinary incontinence in women who practice recreational exercise, to assess its relationship with the type of exercise and other coexisting risk factors, and whether the topic is addressed in gyms. Materials and Methods: Cross-sectional study using self-reported questionnaires in gyms in Porto and Vila Nova de Gaia. Results: Two hundred and ninety women completed the questionnaires; 67.6% were under 40 years old; 25.2% reported incontinence; 53.4% had at least one risk factor unrelated to exercise. There was a statistically significant association (p<0.05) between incontinence, obesity and constipation. High impact exercises were included in the training of 62.1% continent and 50.9% incontinent women. The topic of incontinence and strengthening of the pelvic floor muscles was addressed in only 5.5% in the initial assessment, 9.7% in collective training and in 13.5% of the 37 women with individual training. Discussion: The greater proportion of continent women - compared to incontinent - who practiced strenuous exercise suggests that this might be a provocative factor for some, although there was no statistically significant association between incontinence and type of exercise. Conclusion: Urinary incontinence affects women who practice recreational exercise, regardless of age and exercise characteristics. It is rarely addressed in gyms, and it is necessary to sensitize professionals to enhance the preventive/therapeutic effects of exercise on the function of the pelvic floor and in the control of modifiable risk factors.
Idioma: Português
Nº de páginas: 37
Tipo de Licença: Clique para ver a licença CC BY-NC-ND
Documentos
Não foi encontrado nenhum documento associado à publicação com acesso permitido.
Publicações Relacionadas
Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Reitoria da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2021-04-11 às 06:22:37 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais