Saltar para:

Unidade de Tecnologias Educativas em Moçambique

Visita à Faculdade de Medicina da Universidade Eduardo Mondlane

Unidade de Tecnologias Educativas em Moçambique

No âmbito do projeto “Colaborar e partilhar: experiência de um curso b-learning na área da biopatologia e anatomia patológica” a unidade de Tecnologias Educativas está neste momento em Moçambique na Faculdade de Medicina da Universidade Eduardo Mondlane (FMUEM). A nossa participação neste consórcio materializa-se na prestação de apoio, na formação de técnicos e professores da FMUEM, na utilização de tecnologias educativas e na criação de conteúdos pedagógicos que compõem o curso piloto.

Neste contexto, temos vindo a aperfeiçoar e ampliar a disponibilização de conteúdos, bem como a introduzir progressivamente novos instrumentos de autoavaliação e de avaliação distribuída. Para além da atualização e expansão da plataforma para os estudantes da U.Porto, o objetivo inicial é também o de disponibilizar este curso para estudantes de outras universidades de língua portuguesa, e nomeadamente para a Universidade de Eduardo Mondlane.

Do lado da FMUEM há interesse manifesto neste desenvolvimento que permitirá a melhoria do curso através do acesso, por parte dos estudantes, a material de estudo de elevada qualidade que dificilmente se encontra disponível em Moçambique. Pelo lado da FMUP, ganhamos com a disponibilização de material valiosíssimo e raro entre nós, tanto de diversos tipos de patologia infecciosa, como de algumas formas de patologia tumoral. Destaca-se ainda a existência em Moçambique de abundante documentação de autópsias anátomo-patológicas de que temos grave carência em Portugal, e que são essenciais para a compreensão da etiopatogenia de várias doenças.

As equipas docentes das Faculdades de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e da Universidade Eduardo Mondlane (FMUEM), Maputo, Moçambique, colaboram desde há muitos anos tendo agora a intenção de avançar para a construção de módulos educativos de interesse mútuo, pensados e desenhados para formato e-learning. Este projeto para a criação do curso piloto tem a duração de 2 anos e é financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian.