Saltar para:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Logótipo
Você está em: Início > E606

Socio antropologia do Desenvolvimento e da Cultura

Código: E606     Sigla: SDC

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Sociologia da Educação

Ocorrência: 2021/2022 - 2S Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Página Web: https://sigarra.up.pt/fpceup/pt/ucurr_geral.ficha_uc_view?pv_ocorrencia_id=381711
Unidade Responsável: Ciências da Educação
Curso/CE Responsável: Licenciatura em Ciências da Educação

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
LCED 35 Plano Oficial 3 - 6 57 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
António Manuel Magalhães Evangelista de Sousa Regente

Docência - Horas

Teorico-Prática: 3,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teorico-Prática Totais 2 6,00
António Manuel Magalhães Evangelista de Sousa 6,00
Mais informaçõesA ficha foi alterada no dia 2021-06-11.

Campos alterados: Componentes de Avaliação e Ocupação

Língua de trabalho

Português - Suitable for English-speaking students

Objetivos

A Socio antropologia do Desenvolvimento e Cultura é uma unidade curricular semestral, de tipo teórico-prático, com 6 ECTS, a desenvolver no sexto semestre do 1º ciclo em Ciências da Educação.

Esta unidade curricular, situada na área científica das ciências sociais, aborda teorias antropológicas e sociológicas do desenvolvimento e da cultura, sendo o seu objectivo mais geral mobilizar, aprofundar e articular conhecimentos desenvolvidos sobretudo nas unidades curriculares da área das ciências sociais e humanas.

A unidade curricular pretende contribuir para a compreensão dos impactos da globalização sobre os actuais contextos sociais, sobretudo na sociedade portuguesa, sobretudo no que se refere à educação.

A unidade curricular aborda os três conceitos centrais de tradição, modernidade e pós-modernidade através de teorias e trabalhos empíricos realizados nos domínios, sobretudo, da Sociologia e da Antropologia da Educação. Desenvolve-se um enquadramento de reflexão sobre os efeitos do fenómeno da globalização, ao nível das políticas sociais e educativas, com ênfase nos seus contributos sobre as práticas profissionais em educação nesses âmbitos.

Objetivos:

  • Contribuir para a concetualização reflexiva das práticas sociais, nomeadamente no campo da educação, como processos de gestão de mudança social.
  • Problematizar o conceito de ‘desenvolvimento’
  • Contextualizar o tratamento das problemáticas da gestão da mudança social no âmbito dos processos de globalização, designdamente na sociedade portuguesa.
  • Identificar os impactos da globalização ao nível das sociabilidades existentes e das emergentes.
  • Contribuir para a reflexividade profissional e política daqueles que desenham projetos para os ‘outros’ (definidos a partir da etnia, da classe, género, estilo de vida, etc.).
  • Identificar as ‘diferenças’ individuais e grupais como sujeitos da sua própria ação social e individual.

Resultados de aprendizagem e competências


  • Análise de projetos de educação enquanto instâncias/instrumentos de mudança social.

  • Identificação em textos sobre o trabalho em educação e nas suas práticas das assunções políticas que os suportam enquanto projetos de desenvolvimento.

  • Identificação, em contextos educacionais, do estatuto sociológico e epistemológico para que são remetidos os alvos/sujeitos dos projetos desenhados.

Modo de trabalho

Presencial

Pré-requisitos (conhecimentos prévios) e co-requisitos (conhecimentos simultâneos)

n.a.

Programa

1. Os impactos da globalização: economia, política e epistemologia

2. A tradição e a modernidade: problemas e dilemas da modernização e o desenvolvimento social

3. O debate sobre a pós-modernidade e a educação

4. ‘Nós’ e ‘Eles’ – Os Modelos de Relação com as Diferenças

5. Desenvolvimento e Cultura: o papel da educação

Bibliografia Obrigatória

Magalhães, António M.; Pensar as Diferenças: contributos para a educação inclusiva” in David Rodrigues (org.), Educação Inclusiva: dos conceitos às práticas de formação”, Instituto Piaget, 2011. ISBN: 978-989-659-091-8
Magalhães, António M.; A Escola na Transição Pós-Moderna, Instituto de Inovação Educacional, 1998
Stoer, Stephen R. e Magalhães, António M.; A Diferença Somos Nós: a gestão da mudança social e as políticas educativas., Edições Afrontamento, 2005. ISBN: 972-36-0761-1
Stoer, Stphen R., Magalhães e Rodrigues, David; Os Lugares da Exclusão Social - um dispositivo de diferenciação pedagógica, Cortez Editora, 2004
Vieira, Ricardo; Educação e diversidade cultural: Notas de Antropologia da Educação, Edições Afrontamento e CIID/IPL, 2011

Bibliografia Complementar

Dale, Roger; ),“A Globalização e a Reavaliação da Governação Educacional. Um caso de ectopia sociológica“ in António Teodoro, Carlos Alberto Torres (orgs.), Educação Crítica e Utopia: Perspectivas para o Século XXI., : Edições Afrontamento, : Edições Afrontamento

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

- Exposição presencial e online por parte do professor

- Leitura e análise de textos

- Trabalho de Grupos

- Discussão presencial e online em pequeno e grande grupo

Palavras Chave

Ciências Sociais > Antropologia > Antropologia cultural
Ciências Sociais > Ciências da educação

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Trabalho escrito 50,00
Exame 50,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Elaboração de projeto 7,00
Estudo autónomo 55,00
Frequência das aulas 57,00
Trabalho de campo 8,00
Trabalho de investigação 30,00
Trabalho escrito 5,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

De acordo com a modalidade de avaliação da disciplina (Avaliação distribuída com exame final), o/a estudante obtém a frequência da unidade curricular se, tendo estado regularmente inscrito/a, não exceder o número limite de faltas correspondente a 25 % das aulas previstas.

Fórmula de cálculo da classificação final

 A classificação final corresponde à média da classificação de um trabalho (em grupo) (50%) e do exame final (50%) e é expressa numa escala de 0 a 20 valores, sendo necessária a obtenção de uma classificação final igual ou superior a 10 valores para obter aproveitamento. Os estudantes que faltarem à entrega do trabalho elaborado em grupo, ou que nele obtenham classificação negativa, farão um exame final sobre todos os conteúdos desenvolvidos na unidade curricular.  

Provas e trabalhos especiais

n.a.

Trabalho de estágio/projeto

n.a.

Avaliação especial (TE, DA, ...)

Os/as estudantes que por lei/regulamento estão dispensados/as da presença nas aulas poderão realizar a unidade curricular através do exame final, sendo, no entanto, adicionalmente, obrigados/as à apresentação de um relatório sobre um dos temas do programa a combinar com o docente, assim como a data da respectiva entrega.

Melhoria de classificação

Os/as estudantes que pretendam melhorar a classificação final e aqueles que não obtiveram aproveitamento poderão fazê-lo através da realização de um exame escrito sobre os conteúdos programáticos da disciplina na época de recurso estipulada no calendário escolar.

Observações

n.a.
Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2021-09-22 às 16:49:38 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais