Saltar para:
Logótipo
Você está em: Início » MeN_07

Modelos Experimentais em Neurociências

Código: MeN_07     Sigla: MEN

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Neurociências

Ocorrência: 2021/2022 - 2S (de 07-02-2022 a 15-07-2022) Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento de Biomedicina
Curso/CE Responsável: Mestrado em Neurobiologia

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MNB 11 Plano Oficial 1 - 6 53,5 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
Fani Lourença Moreira Neto Regente

Língua de trabalho

Português - Suitable for English-speaking students

Objetivos

A unidade fornece conhecimentos teórico-práticos sobre os vários modelos experimentais de uso corrente nas Neurociências.

Resultados de aprendizagem e competências

O aluno fará uma aprendizagem “hands on” em laboratório das metodologias disponíveis para produção de modelos experimentais, dos seus fundamentos, aplicação, requisitos práticos, vantagens, limitações, e do tipo de respostas que cada um fornece. O estudante será confrontado com questões relativas à adequação dos modelos ao objetivo do estudo e sua validação bioquímica, molecular e comportamental. O estudante desenvolve a capacidade de planear corretamente a abordagem de questões científicas em diferentes áreas das neurociências através do uso do modelo mais adequado. Estas competências ajudarão o estudante no desenho e no desenrolar do projeto de investigação da sua tese de mestrado, e permitir-lhe-ão compreender o trabalho realizado por outros investigadores, incentivando-o a procurar colaborações externas de forma a reunir resultados complementares.

Modo de trabalho

Presencial

Programa

A unidade curricular organiza-se em quatro módulos que, complementando-se entre si, permitem ao estudante entrar em contacto com os fundamentos teóricos e práticos da produção de diferentes tipos de modelos experimentais in vivo (cirúrgicos, metabólicos, inflamatórios), in vitro (cultura celular), mutantes e transgénicos, úteis na investigação das diversas áreas das neurociências. Serão também abordadas as suas vantagens e desvantagens, e os princípios que devem reger a escolha do modelo mais apropriado aos objetivos de cada estudo, bem como a adequada validação bioquímica, molecular e comportamental dos modelos experimentais.

Módulo 1 – Modelos animais de doença (Produção e Validação) – Fani Neto (coordenador): Fundamentos da produção e validação de modelos animais ; Modelos de doenças degenerativas, Modelos de dor crónica somática, Modelos de inflamação e dor visceral, Modelos de lesão do sistema nervoso, Modelos animais de adição, Zebra-fish como modelo na investigação em neurociência, Uso de Drophosila na investigação em neurociência, Modelos de doenças metabólicas, Validação de modelos animais.

Módulo 2 – Manipulação Genética em Ratinho: Mutação e Transgénese – Miguel Soares (coordenador): Desenvolvimento embrionário de ratinho; Colheita, cultura e manipulação de embriões pré-implantação; Produção de ratinhos transgénicos e quiméricos; Estratégias de transgénese; alterações genómicas de células estaminais embrionárias; introdução de DNA exógeno; deteção e análise do genoma de ratinho.

Módulo 3 – Modelos in vitro – Ana Charrua (coordenador): Introdução às culturas de células neuronais, treino introdutório aos conceitos básicos de cultura de células, cultura de células primárias, linhagens de células neuronais, culturas organotípicas, Cultura ex-vivo de hipocampo de roedores.

Módulo 4 – Avaliação comportamental – Joana Ferreira Gomes & Clara Monteiro (coordenador): Análise etológica do comportamento, Comportamento em roedores - Avaliação psicofísica, Comportamento em roedores - Avaliação cognitiva, Planeamento de experiências de comportamento em neurociências, Análise prática do comportamento.

Bibliografia Obrigatória

Chris M. Nichols, Terence M. Myckatyn, Susan R.; Choosing the correct functional assay: A comprehensive assessment of functional tests in the rat. Behavioural Brain Research 163 (2005) 143–158
Edited by Erwan Bezard, Antonio Pisani and Oliver Berton.; Neuroscience Disease Models. Neuroscience Volume 211, Pages 1-184 (1 June 2012).
R. Ian Freshney, Wiley-Liss; Culture of animal cells a manual of basic technique.
L. W. Haynes (editor); The Neuron in Tissue Culture. IBRO Handbook series: methods in Neuroscience volume 18., John Wiley & Sons

Bibliografia Complementar

Chris M. Nichols, Terence M. Myckatyn, Susan R. Rickman, Ida K. Fox, Tessa Hadlock, Susan E. Mackinnon; Choosing the correct functional assay: A comprehensive assessment of functional tests in the rat. Behavioural Brain Research 163 (2005) 143–158
Puccio H.; Multicellular models of Friedreich ataxia. J Neurol (2009) 256 [Suppl 1]:18–24
Flinn L1, Bretaud S, Lo C, Ingham PW, Bandmann O.; Zebrafish as a new animal model for movement disorders. J. Neurochem. (2008) 106, 1991–1997.
Augusto Vitale, Arianna Manciocco, Enrico Alleva; The 3R principle and the use of non-human primates in the study of neurodegenerative diseases: The case of Parkinson's disease. Neuroscience and Biobehavioral Reviews 33 (2009) 33–47
Bingwei Lu and Hannes Vogel; Drosophila Models of Neurodegenerative Diseases - Annual Reviews. Annu. Rev. Pathol. Mech. Dis. 2009. 4:315–42

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

A unidade curricular baseia-se em aprendizagem prática, “hands on”, em ambiente de laboratório. Esta é previamente fundamentada, através de um pequeno número de sessões teóricas e teórico-práticas, onde são lecionados os princípios teóricos básicos à compreensão e execução das diferentes metodologias de produção, uso e validação de modelos experimentais em neurociências. O tamanho pequeno dos grupos é garantido, sempre que necessário (dependente do nº de estudantes inscritos) pela multiplicação das sessões práticas. Os estudantes têm acesso prévio a bibliografia específica e são aconselhados a procurarem os docentes sempre que necessário.

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Apresentação/discussão de um trabalho científico 30,00
Participação presencial 15,00
Prova oral 5,00
Trabalho escrito 50,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Apresentação/discussão de um trabalho científico 10,00
Estudo autónomo 100,00
Frequência das aulas 40,00
Trabalho escrito 12,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

Frequência aos quatro módulos com aproveitamento mínimo em cada um.

 

Fórmula de cálculo da classificação final

A classificação final é a média das classificações de cada módulo.

(M1+M2+M3+M4)/4

A avaliação em cada módulo terá em conta a capacidade crítica e preparação prévia do estudante, e a prestação nas sessões práticas e será feita da seguinte forma:
Módulo 1: Trabalho escrito individual sobre um modelo in vivo de doença na área das neurociências com visão crítica relativamente aos seus pontos fortes e fracos;
Módulo 2: Seleção e apresentação oral de artigo científico que utilize um modelo de ratinho geneticamente manipulado e avaliação crítica da adequação do modelo na resolução do problema científico;
Módulo 3: Trabalho escrito individual adqeuado ao tema do módulo;
Módulo 4: Apresentação e discussão de artigos pelos alunos.

Melhoria de classificação

Existe a possibilidade de melhorar a classificação à UC, durante a época de recurso, através da realização de um exame global que englobe os conteúdos de todos os módulos que compõem a UC. É também possível a realização de melhoria por frequência de cada módulo individualmente.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Faculdade de Medicina da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2021-09-18 às 09:57:27 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais