Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
FMUP
Você está em: Início » MI624
Autenticação




Esqueceu-se da senha?

Medicina Geral e Familiar (prática clínica)

Código: MI624     Sigla: MGF

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Medicina

Ocorrência: 2019/2020 - SP (de 09-09-2019 a 31-07-2020) Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde
Curso/CE Responsável: Mestrado Integrado em Medicina

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MIMED 284 Mestrado Integrado em Medicina- Plano oficial 2013 (Reforma Curricular) 6 - 6 57 162

Língua de trabalho

Português

Objetivos

Objectivos: Introduzir os estudantes no ambiente da moderna Medicina Geral e Familiar, na equipa dos Cuidados de Saúde Primários, na epidemiologia, na consulta e na prática da Medicina neste contexto; Colocar os estudantes no contexto apropriado para aprenderem os princípios da Saúde Pública, da prevenção, do rastreio, do diagnóstico precoce da doença e da promoção da Saúde; Estudar os aspectos comunitários da pediatria, da saúde mental, da obstetrícia, da saúde da Mulher, da medicina psico-social e dos cuidados aos idosos; Desenvolver a capacidade dos estudantes para trabalhar autonomamente, quer na clínica, quer na auto-formação; Desenvolver atitudes profissionais que melhorem os cuidados de saúde e conduzam a boas relações de trabalho; Alargar a experiência em questões éticas, em aptidões de comunicação e na prática clínica baseada na evidência.

Resultados de aprendizagem e competências

No fim da Residência em Medicina Geral e Familiar - Prática Clínica, o estudante deverá demonstrar ter domínio nas seguintes áreas:

A – Conhecimentos de Cuidados Primários;

B - Conhecimentos de Clínica;

C - Aptidões Clínicas;

D - Atitudes.

Modo de trabalho

Presencial

Programa

Cuidados de Saúde Primários (CSP): Estrutura e funções da equipa; Relações entre Cuidados de Saúde e com entidades e leigos; Papel dos CSP no diagnóstico precoce e na prevenção secundária; Identificação de fatores de risco e aconselhamento de estilo de vida; Motivos de consulta e referência; Epidemiologia e clínica das doenças comuns em CSP.

Saúde Materna: Diagnóstico e Cuidados de rotina.

Saúde InfantiI: desenvolvimento, prevenção e vigilância; saúde da criança e Proteção.

Saúde da Mulher: Cuidados de rotina; Planeamento familiar; Alterações hormonais na puberdade e na menopausa; Leucorreias e infeções ginecológicas comuns; Problemas urinários, incluindo e incontinência.

Saúde Mental: Rastreio da doença mental; Deteção e tratamento da ansiedade, depressão e insónia; Luto e perda; Comportamentos de adição; Avaliação da ideação suicida.

Cuidados aos idosos: Problemas comuns – locomotores, patológicos, cognitivos, psicossociais, etc.; Papel dos diferentes elementos da equipa de CSP

Bibliografia Obrigatória

José M. Mendes Nunes; Comunicação em contexto clínico, Bayer Health Care, 2007
Ian R. Mcwhinney; Manual de medicina familiar, Inforsalus, 1994. ISBN: 972-8158-00-9
Allan H. Goroll, Lawrence A. May, Albert G. Mulley; Cuidados primários em medicina: abordagem do paciente adulto em ambulatório, McGraw-Hill, 1997. ISBN: 972-8298-19-6
edited by Robert B. Taylor; Family Medicine: principles and practice, Springer, 2003. ISBN: 0-387-95400-7
edited by Robert E. Rakel; Textbook of family medicine, Elsiver Saunders, 2007. ISBN: 978-1-4160-2467-5
A. Martín Zurro, J. F. Cano Pérez; Atención primaria: conceptos, organización y prática clínica, Elsiver , 2003. ISBN: 84-8174-650-9
Hespanhol, A.; Couto, L.; Martins, C.; A Ética em Medicina Geral e Familiar: a Medicina Preventiva., Rev Port Clin Geral; 24:49-6., 2008
Hespanhol, A.; Couto, L.; Martins, C.; Viana, M.; Educação para a Saúde e Prevenção na Consulta de Medicina Geral e Familiar (I)., Rev Port Clin Geral; 25: 236-41., 2009
Hespanhol, A.; Couto, L.; Martins, C.; Viana, M.; Educação para a Saúde e Prevenção na Consulta de Medicina Geral e Familiar (II)., Rev Port Clin Geral; 25: 242-52, 2009.

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

Esta Residência de 4 semanas implica a disponibilidade presencial dos estudantes,das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas e a disponibilidade intelectual para estudar durante o restante tempo. Por isso se chama Residência. Está estruturada em 2 módulos, cada um com a duração de duas semanas – um será realizado em ambiente urbano e outro em ambiente rural, ambos em Centros de Saúde / Unidades de Saúde Familiares.

Seminários - 6 horas

Estágios - 45 horas

Orientação Tutorial: 6 horas

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Participação presencial 50,00
Trabalho escrito 50,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Elaboração de relatório/dissertação/tese 10,00
Estudo autónomo 90,00
Frequência das aulas 6,00
Realização de Estágio 45,00
Trabalho de campo 6,00
Trabalho escrito 5,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

Os estudantes terão frequência se cumprirem 75% da assiduidade e das atividades previstas no "Registo de Prática", e se apresentarem o total de 6 trabalhos escritos, 3 no móduilo rural e 3 no módulo urbano, que incluem a colheita e apresentação de uma entrevista clínica com um doente, uma lista descritiva dos casos observados num período de consulta durante o módulo urbano e outra durante o módulo rural, a realização de um panfleto de educação para a saúde, a estruturação de um fluxograma de decisão clínica e uma reflexão, sob a forma de artigo breve de comentário, relativa a um aspeto conceptual do exercício médico em Medicina Geral e Familiar.

Na altura da entrega do registo de prática os estudantes devem obrigatoriamente: Enviar através do Moodle os 6 trabalhos escritos, assim como por e-mail para o Secretariado da UC;


Entregar em papel no Secretariado os formulários de avaliação da valência urbana e rural (Registo de Prática) devidamente rubricados.


 Os estudantes devem responder no Moodle ao inquérito de auto-avaliação e ao inquérito de avaliação pedagógica da UC disponível no sigarra.


As notas finais atribuídas aos estudantes são unicamente as disponibilizadas pelo Regente no livro de termos, pelo que qualquer classificação que possa vir a ser apresentada no Moodle está sempre sujeita a ajuste e validação do Regente da unidade.

Fórmula de cálculo da classificação final

Componentes de avaliação:
1. Avaliação do módulo rural:
a) avaliação qualitativa pelo tutor do módulo rural tendo em conta a observação das aptidões e atitudes do estudante, bem como da sua evolução ao longo do período de residência, usando a escala de “A – Bom; B – Suficiente; C – Insuficiente”, reclassificada em A=20 valores; B=14 valores; C=9 valores.
b) Classificação quantitativa dos trabalhos apresentados, numa escala de 0-20 valores, correspondendo à média aritmética da classificação de cada um dos trabalhos.

 2. Avaliação do módulo urbano:
a) Avaliação quantitativa pelo tutor do módulo urbano tendo em conta a observação das aptidões e atitudes do estudante, bem como da sua evolução ao longo do período de residência, numa escala de 0-20 valores
b) Classificação quantitativa dos trabalhos apresentados, numa escala de 0-20 valores, correspondendo à média aritmética da classificação de cada um dos trabalhos.

Os trabalhos serão classificados tendo em conta os seguintes itens:

  1. Clareza e objetividade
  2. Correção da escrita, em geral e técnico-científica
  3. Profundidade no tratamento do trabalho
  4. Respeito pelo formato proposto
  5. Adequação das referências bibliográficas

Cada item é avaliado numa escala de “Muito bom – 4 Bom - 3; Razoável – 2; Insuficiente - 1; Muito insuficiente - 0”. A classificação final será o somatório das classificações parcelares.

 Para haver aprovação, o estudante terá de obter uma classificação superior a 9,5 valores em cada uma das componentes de avaliação. A classificação inferior a 9,5 implica a repetição dessa componente.

A classificação final será a média aritmética das 4 componentes de avaliação: 1. a); 1.b); 2.a); 2.b).

Melhoria de classificação

Os estudantes poderão proceder à melhoria da classificação pela realização de prova oral de natureza teórica e baseada fundamentalmente em casos da prática clínica, perante um júri a constituir por três docentes da Unidade Curricular.

A classificação desta prova será a classificação final da Unidade Curricular.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Faculdade de Medicina da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2021-03-08 às 22:11:29 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais