Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
FMUP
Você está em: Início » Cursos/CE » Unidade de Formação Contínua » NCMI
Autenticação




Esqueceu-se da senha?

Informações

Nutrição Clínica para Médicos Internistas

A Nutrição humana no campo da medicina exige um conhecimento interdisciplinar para coadjuvar na prevenção e tratamento da doença envolvendo equipas multidisciplinares em saúde, com o objetivo final de evitar e/ou tratar a malnutrição hospitalar.
Os recentes avanços na compreensão da fisiopatologia da desnutrição e das doenças crónicas e aguda dismetabólica mais prevalentes em meio hospitalar, exigem uma nova abordagem através da terapêutica nutricional/dietética como suporte metabólico.

Quando nos referimos à desnutrição fazemos referência a uma das definições de Sitges Serra quando diz: "Desnutrição é um distúrbio da composição corporal, caracterizado por um excesso de água extracelular, um défice de potássio e massa muscular, associado com frequência à diminuição de tecido gordo e hipoproteinemía, que interfere com a resposta normal do hospedeiro à sua doença e ao seu tratamento”.

A desnutrição do doente hospitalizado é o resultado da complexa interação entre doença, alimentação e nutrição.
Entre as doenças associadas à desnutrição temos a insuficiência cardíaca congestiva principalmente em estágios avançados. Dentro das manifestações clássicas da doença cardíaca encontramos variados graus de depleção proteico-calórica, até aos quadros extremos designados de caquexia cardíaca. As doenças renais são outra das doenças com importantes implicações com a Nutrição/Dietética. Para o doente com insuficiência renal, a dieta é uma parte importante do plano de tratamento. Outras doenças crónicas que podem conduzir à malnutrição são a Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica, o Acidente Vascular Cerebral e a Doença Oncológica.

A necessidade de manter um estado nutricional adequado não é um fenómeno novo. Já Hipócrates dizia que as feridas curavam melhor com uma boa nutrição.
Quando o estado nutricional é deficiente há comprometimento da recuperação, prolonga-se a estada hospitalar, aumenta a taxa de reinternamentos prematuros, aumenta o risco de infeções e diminui a 
qualidade de vida.

A alimentação e nutrição do doente é o pilar onde se deve basear o tratamento médico integral desde que o doente é internado até ao momento da sua alta.

A avaliação do estado nutricional é uma aproximação exaustiva da situação nutricional do doente mediante o uso da história clínica, farmacológica e nutricional, exame físico, dados antropométricos e laboratoriais. Esta avaliação permitirá um correto diagnóstico.

O correto tratamento nutricional/dietético deve realizar-se cada vez mais de forma precoce para benefício da saúde do doente e com minimização dos custos associados aos dias de internamento. O desenvolvimento tecnológico permite hoje um melhor ajuste não só no tipo de dieta mais adequada ao doente, mas também à via de administração, ao tempo, ao material e à metodologia a utilizar. Tudo isto, fez alterar o conceito simplista de suporte nutricional pelo de tratamento nutricional ou nutrição especifica para o doente.
 
 
 
 

Objetivos

A terapia nutricional tem provado ser eficaz na prevenção e/ou tratamento do doente com alterações nutricionais (malnutrição) associadas a outras patologias médicas ou cirúrgicas e, portanto, capaz de reverter os efeitos deletérios decorrentes das mesmas.
Embora os profissionais e estudantes de Ciências da Saúde concordem que a nutrição/dietética tenha uma aplicação clínica relevante nos cuidados de saúde aos doentes, há uma ausência destas disciplinas como matérias independentes no plano de estudos das Faculdades de Medicina.
Em 1989 foi publicada uma proposta da American Society of Clinical Nutrition para o consenso sobre as prioridades dos conteúdos em nutrição do currículo das faculdades de medicina. Um dos elementos que se destaca naquela proposta é a aceitação e o reconhecimento da importância prática dos conhecimentos de nutrição/dietética na prática clinica médica.
Existe assim a necessidade de suplementar este “vazio” com formação ulterior à formação da licenciatura, através de cursos de formação continua.

Objetivos gerais do curso

- Proporcionar conhecimentos sobre metodologias de avaliação diretas e indiretas sobre o estado nutricional do doente

- Aquisição de conhecimentos relacionados com a fisiopatologia das doenças mais prevalentes em meio hospitalar, a sua etiologia e o seu tratamento nutricional.

- Conceitos básicos dietéticos e suporte nutricional artificial em todos os seus aspetos: avaliação do estado nutricional, indicações gerais do suporte nutricional e guia prático para a prescrição e seguimento do suporte nutricional artificial tanto enteral como parenteral.

- Proporcionar a discussão de casos clínicos baseados em casos reais tratados em ambiente hospitalar.

Resultados de aprendizagem

Os médicos internistas ficam com as competências e ferramentas necessárias para:

- Descriminar positivamente o tipo de dieta mais adequada ao doente/doença (s).

- Fazer avaliação nutricional que proporcione o diagnóstico nutricional e a instituição da terapêutica mais adequada a cada situação.

- Conhecimentos teórico-práticos que permitam resolver situações concretas, em particular em contexto do doente hospitalizado.

- Capacidade de análise diagnóstica nutricional para implementação de terapêutica nutricional.

Adequação das metodologias de ensino e dos métodos de avaliação aos resultados de aprendizagem dos estudantes

Método expositivo (aulas teóricas) – destinadas a organizar de forma hierárquica as noções respeitantes a cada tema, em nutrição clínica e dietoterapia.

Aulas teórico-práticas: apresentação e discussão de casos clínicos destinadas a consolidar os conhecimentos adquiridos através da participação ativa do estudante.

No final do curso existirá uma avaliação no formato de teste online disponibilizado na plataforma Moodle.

Áreas de Especialização

Destinatários
Médicos

Condições específicas de acesso
Licenciados ou detentores do Mestrado Integrado em Medicina.
Os candidatos serão seriados através da avaliação da média do curso e categoria profissional (ver abaixo ponderações). Em caso de empate será colocado o candidato com melhor ponderação na categoria profissional.

Critérios e subcritérios de seleção e seriação dos candidatos .

Ponderação (%)

Média do curso = 20 valores

80%

Média do curso = 19 valores

75%

Média do curso = 18 valores

70%

Média do curso = 17 valores

65%

Média do curso = 16 valores

60%

Média do curso = 15 valores

55%

Média do curso = 14 valores

50%

Média do curso = 13 valores

45%

Média do curso = 12 valores

40%

Média do curso = 11 valores

35%

Média do curso = 10 valores

30%

 

 

Categoria Profissional - Especialista

20%

Categoria Profissional – IC (Interno complementar)

10%

Categoria Profissional – IAC (Interno ano comum)

5%



Critério de desempate de candidatos
Em caso de empate será colocado o candidato com melhor ponderação na categoria profissional.

Competências Profissionais

Regime de frequência: 
Os estudantes têm a possibilidade de optar por dois regimes de frequência: o regime Presencial e o regime à Distância. Ambos os regimes possibilitam aos estudantes o acesso às aulas através da combinação de 3 vias (presença em sala de aula, videoconferência e aula gravada) variando entre si na percentagem de acesso atribuída a cada uma destas modalidades. 

   1. No regime presencial os estudantes devem frequentar no mínimo 75% das aulas presencialmente, em sala de aula. Em casos excecionais e devidamente justificados, os restantes 25% das aulas podem ser assistidos através de videoconferência e e/ou aula gravada. 

   2. No regime à distância os estudantes devem frequentar no mínimo 75% das aulas através de videoconferência. Em casos excecionais e devidamente justificados, os restantes 25% das aulas podem ser assistidos em diferido através de aula gravada. A inscrição no regime à Distância encontra-se reservado aos estudantes que não apresentem condições para frequência no regime presencial.


Informações

N.º DE VAGAS POR EDIÇÃO:
1.ª Edição:
 150 (máx. 20 alunos presenciais)
2.ª Edição: 150 (máx. 20 alunos presenciais)

Local de edição do Curso  17/18 
FMUP (b-learning)

Idioma de lecionação
Totalmente em Português

Calendarização e horário
Sábado das 9h às 13h

Propina 
300¤ (Pagamento no ato da matrícula)


CALENDARIZAÇÃO DAS CANDIDATURAS 

 

1ª EDIÇÃO

2ª EDIÇÃO

Apresentação das candidaturas

16 out a 6 nov 2017

1 a 21 mar 2018

Afixação de resultados provisórios

9 nov 2017

26 mar 2018

Audiência Prévia

10 a 23 nov 2017

27 mar a 10 abr 2018

Afixação de resultados definitivos

28 nov 2017

12 abr 2018

Apresentação de reclamação dos candidatos

29 nov 2017

13 abr 2018

Publicação da decisão de reclamações

30 nov 2017

16 abr 2018

Realização de matrículas

4 a 13 dez 2017

17 a 26 abr 2018

Eventual colocação de suplentes

15 dez 2017

27 abr 2018

Publicação de vagas sobrantes para a fase seguinte

Não se aplica

Não se aplica

Modo de notificação dos candidatos

On-line na página da FMUP

On-line na página da FMUP


Comentários

Calendarização do curso por edições

1ª edição

2ª edição

Início da atividade letiva no Curso de Educação Continua

6 jan 2018

5 mai 2018

Prazo limite para a conclusão da avaliação no Curso de Educação Continua

24 fev 2018

23 jun 2018



Para auxiliar a submissão da Candidatura, pode consultar o Guia de Apoio (1).

CANDIDATURAS AQUI



Para auxiliar a realização da Matrícula/Inscrição, pode consultar o Guia de Apoio (2). 

REALIZAR MATRÍCULA / INSCRIÇÃO AQUI

 
Toda a informação para candidatos à FMUP. Informação disponível aqui!


 


Contactos

Departamento de Apoio à Investigação e à Pós-Graduação Educação Contínua

Tel.: 220426957

E.mail: educacaocontinua@med.up.pt

Dados Gerais

Docente Responsável: Ovídio Costa
Sigla: NCMI
Tipo de curso/ciclo de estudos: Unidade de Formação Contínua
Início: 2017/2018
Duração: 108 Horas

Planos de Estudos

Diplomas

  • Nutrição Clínica para Médicos Internistas (4 Créditos ECTS)

Áreas Científicas Predominantes

Recomendar Página Voltar ao Topo