Go to:
Logótipo
Esta página em português Contextual Help is not available Autenticar-se
FMUP
Você está em: Start » Publicações » Visualization » “Physical Activity, Exercise and the Pelvic Floor”.
Authentication




Esqueceu-se da senha?

Publication

“Physical Activity, Exercise and the Pelvic Floor”.

Title
“Physical Activity, Exercise and the Pelvic Floor”.
Type
Tese
Year
2018-07-16
Authors
Alice Maria da Costa Carvalhais
(Autor)
FADEUP
Ver página pessoal Sem permissões para visualizar email institucional Pesquisar Publicações do Participante Sem AUTHENTICUS Sem ORCID
Classificação Científica
FOS: Medical and Health sciences > Health sciences
Outras Informações
Abstract: XIII Resumo A incontinência uriná ria (IU) é uma disfunção prevalente em atletas do sexo feminino. A atividade física (AF) intensa t em sido identificada como um fa tor de risco para a IU, enquanto a AF moderada parece ter um efeito protetor. Contudo, o impacto de diferentes níveis de AF nos músculos do pavimento pélvico (MPP) tem sido pouco investigado. O objetivo desta tese foi analisar a prevalência da IU em atleta s portuguesas de alta competição e identificar os seus potenciais fatores de risco. Pretendeu - se ainda analisar a associação entre o nível de AF e variáveis da função dos MPP. Foram efetuados 3 estudos transversais, em mulheres jovens e saudáveis com difer entes níveis de AF. Os dados foram recolhidos através de questionários, excepto os relativos às variáveis da função dos MPP tendo sido avaliadas através de manometria. Foi efetuada a análise estatística adequada aos objetivos em estudo, com ajuste para pot enciais variáveis de confundimento. No estudo I, avaliou - se a prevalência e os fatores de risco da IU em 372 atletas de diferentes desportos e 372 controlos. No estudo II, investigou - se a associação dos Distúrbios Alimentares (DA) com a IU na mesma amostr a. No estudo III, explorou - se a associação de diferentes níveis de AF com as variáveis da função dos MPP. Os resultados mostraram que: as atletas de alta competição apresentam um odds superior de IU em comparaçã o com os controlos; as atletas com DA apresen taram maior probabilidade de IU de qualquer tipo, relativamente às atl etas sem DA; o nível de AF associ o u - se com a pressão vaginal em repouso mas não com a força e a endurance dos MPP. Em conclusão, as atletas de alta competição apresentaram maior probabil idade de apresentar IU, sendo o risco aumentado naquelas que apresentaram DA. A AF em geral parece ser insuficiente para se obter um efeito de treino na força e na endurance dos MPP. PALAVRAS CHAVE: PRESSÃO INTRA-ABDOMINAL; MÚSCULOS DO PAVIMENTO PÉLVICO; ATIVIDADE FÍSICA; PREVALÊNCIA; FATORES DE RISCO; INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO; EXERCÍCIO FÍSICO
Abstract: Urinary incontinence (UI) is a prevalent dysfunction reported by female athletes. Strenuous physical activity (PA) has been identified as a risk factor for UI, whereas moderate PA seems to have a protective effect. However, the impact of different levels of PA on pelvic floor muscle (PFM) function has been scarcely investigated. The aim of this thesis was to assess the prevalence of UI in Portuguese elite female athletes and to identify its potential risk factors. Also, it aimed to clarify the association between PA level and variables of PFM function. Three cross-sectional studies were developed among young and healthy women with different levels of PA. All data were collected by questionnaires, except variables of PFM function that were assessed by manometry. Appropriate statistical analyses were performed, controlling for potential confounders. Study I assessed the prevalence and risk factors for UI among 372 elite athletes from different sports and 372 controls. The association of disordered eating (DE) and UI was assessed in Study II, in the same sample. In Study III, association of different levels of PA and variables of PFM function was explored. The results showed that the odds of UI was three times higher in elite athletes than in controls. Athletes with DE presented increased odds of UI of any type, in comparison to athletes without DE. PA was associated with vaginal resting pressure but not with PFM strength or endurance. In conclusion, athletes competing at elite level are at higher risk for UI than non-athletes, and DE behaviours may increase the risk for UI. General PA seems to be insufficient to achieve a training effect on PFM strength and endurance.
Language: Inglês
Documents
Nome do Ficheiro Description Size
Tese de Doutoramento em Fisioterapia da Doutora Alice Maria da Costa Carvalhais “Physical Activity, Exercise and the Pelvic Floor”. 1045.98 KB
Recommend this page Top
Copyright 1996-2019 © Faculdade de Medicina da Universidade do Porto  I Terms and Conditions  I Acessibility  I Index A-Z  I Guest Book
Page created on: 2019-04-18 at 12:28:16