Saltar para:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Início > Cursos/CE > Mestrado > MARQ

Cursos

Mestrado em Arqueologia

InformaçãoO curso/CE encontra-se acreditado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES).
- Toda a informação administrativa em: http://web.letras.up.pt/sga -

A FLUP conta-se entre as primeiras universidades portuguesas a adotar a Variante de História da Arte e Arqueologia da Licenciatura de História (1978-79). Posteriormente, coube à FLUP a criação da primeira Licenciatura em Arqueologia, no ano de 1999.
Ao nível do Ensino Pós-graduado, a FLUP foi responsável pelo primeiro Curso de Mestrado em Arqueologia a funcionar em Portugal, que arrancou no ano letivo de 1989-90, ainda com duração de quatro anos (Portaria nº 722/89, DR, I Série, nº 194, de 24 de Agosto de 1989), mais tarde reformulado numa estrutura de dois anos letivos (Resolução no 15/SC/SG/93, DR, II Série, nº 199, de 25 de Agosto de 1993; com alterações no DR, II Série, nº 92, de 20 de Abril de 1994; Resolução nº 109/98, DR, II Série, no 185, de 12 de Agosto de 1998).
Com a adequação ao processo de Bolonha (Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março), adotou-se uma estrutura curricular de quatro semestres, totalizando 120 ECTS (Deliberação nº 731/2007, DR, II Série, nº 82, de 27 de Julho de 2007), que, após uma reflexão crítica sobre o ajustamento à preparação dos novos licenciados (3 anos), já́ foi reformulada (Despacho nº 7923/2011, DR, II Série, nº 106, de 1 de Junho de 2011).
 
Prevê a existência de um primeiro ano com diferentes unidades curriculares de formação - curso de Mestrado em Arqueologia - seguido no segundo ano pela elaboração de uma dissertação ou a participação em estágio curricular complementado pelo respetivo Relatório de Estágio, ambos sujeitos a apreciação e discussão pública por um júri. Confere ao estudante uma formação de 120 ECTS e o grau académico de Mestre.
A estrutura curricular do 2º Ciclo comporta, assim, unidades curriculares de especialização e prática de Arqueologia capazes de assegurar uma mais eficaz preparação do Licenciado para o mercado do trabalho, e seminários vocacionados para o desenvolvimento de competências na área da investigação científica e da aplicação inovadora.

Consultar os Documentos Oficiais do Ciclo de Estudos.

A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) acreditou o ciclo de estudos sem condições:

Objetivos

O ciclo de estudos tem como objetivo geral formar Arqueólogos e cidadãos com consciência cívica e interventiva, motivados para manter a aprendizagem ao longo da vida e capazes de uma prática profissional autónoma e ética, alicerçada numa formação teórica e experimental específica, com perfis diferenciados, mas gerando sempre aptidões profissionais que lhes permitam desempenhar diversas tarefas na área de Arqueologia e do Património Cultural, nomeadamente nas vertentes da pesquisa e investigação cientifica, da gestão e planeamento, da intervenção e preservação, e da defesa, valorização e divulgação.

Áreas de Especialização

A Dissertação e o Relatório de Estágio podem ser realizados nas áreas de:
  • Arqueologia da Pré-História;
  • Arqueologia da Proto-História;
  • Arqueologia Clássica;
  • Arqueologia Histórica de Portugal;
  • Epigrafia (romana e portuguesa);
  • Numismática (romana e portuguesa);
  • Arqueologia e Património.

Competências Profissionais

O Mestrado em Arqueologia pretende desenvolver um conjunto de competências genéricas e de competências específicas.
São competências específicas:
  • adquirir instrumentos concetuais e metodológicos fundamentais para compreensão e a elaboração de conhecimento em arqueologia e património cultural;
  • identificar os diferentes paradigmas científicos, passados e presentes, subjacentes à produção do saber em arqueologia;
  • identificar os diferentes paradigmas científicos, passados e presentes, subjacentes à produção da ciência do património;
  • dominar o método científico e as técnicas a utilizar em diferentes situações;
  • experimentar a prática da investigação arqueológica em diversas valências (prospeção, escavação, estudo de materiais, etc.) e para diferentes cronologias e contextos arqueológicos;
  • conhecer os procedimentos necessários à elaboração de um projeto de investigação em arqueologia;
  • reconhecer a diacronia das formas de ocupação e de organização do espaço, nomeadamente no que concerne aos locais de ocupação, de extração, de transformação e de simbolização de um território;
  • ser capaz de identificar (e fundamentar) a cronologia e o enquadramento cultural de um sitio ou de um conjunto de materiais arqueológicos;
  • perceber a variabilidade regional dos vestígios arqueológicos, seu significado e relevância;
  • conhecer os materiais e saber atuar preventivamente em matéria de conservação;
  • saber avaliar a importância relativa de um testemunho arqueológico;
  • conhecer o enquadramento legal dos locais e bens arqueológicos com interesse patrimonial;
  • saber realizar o procedimento de inventariação e pedido de classificação dos bens arqueológicos;
  • saber integrar o património arqueológico no planeamento e gestão do território;
  • atuar em prol da preservação, valorização e divulgação a todos os níveis do património arqueológico;
  • valorizar o património cultural, nomeadamente o arqueológico, como um fator de qualidade de vida para as populações.
Estas competências são transversais a todas as unidades curriculares e atingem-se desenvolvendo: uma sólida formação teórica e metodológica; um método de trabalho científico; o interesse pela atualização bibliográfica e pela diversificação das fontes de informação; o conhecimento direto de sítios patrimoniais relevantes e de coleções; a experimentação e participação em trabalhos de campo e laboratório no país e no estrangeiro; a abertura a uma permanente atualização de problemáticas e de saberes, mesmo que de outras origens disciplinares; o interesse pela auto-aprendizagem, a manter ao longo da vida; o espírito crítico e aberto; uma mundividência diversificada; uma cultura de exigência no trabalho e na intervenção social.


Informações

- Para mais informações ver a Página do Candidato -

N.º de vagas
N.º de vagas para estudantes internacionais
Propinas

Número mínimo de estudantes: 10
Requisitos de acesso: licenciatura ou equivalente

Todas as informações em: http://web.letras.up.pt/sga


3.ª FASE - ENTREVISTAS AOS CANDIDATOS 2017/2018
Dia: 19/10/2017
Local: DCTP (Torre A, 4º piso)
Hora: 14h30


Comentários

C.E. reconhecido ao abrigo do artigo 54º do Estatuto da Carreira Docente (Decreto-Lei nº15/2007, de 19/01), regulamentado pela Portaria nº334/2008, de 30/04, para os grupos 200 (Português e Estudos Sociais/História) e 400 (História). (Despacho de Sua Excelência o Secretário de Estado da Educação, de 21 de Julho de 2009).

Contactos

Para questões científicas e académicas - contactar a direção do curso: marq@letras.up.pt
Para questões administrativas - contactar os Serviços de Gestão Académica: sga@letras.up.pt
Para estudantes de mobilidade internacional - contactar o Serviço de Relações Internacionais: gri@letras.up.pt

Dados Gerais

Código Oficial: 6011
Diretor: Teresa Soeiro
Sigla: MARQ
Grau Académico: Mestre
Tipo de curso/ciclo de estudos: Mestrado
Início: 2007/2008
Duração: 2 Anos

Planos de Estudos

Diplomas

  • Mestrado em Arqueologia (120 Créditos ECTS)
  • Curso de Mestrado em Arqueologia (60 Créditos ECTS)

Áreas Científicas Predominantes

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2018 © Faculdade de Letras da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2018-04-20 às 19:32:22