Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
Formação regular da Biblioteca |fevereiro a maio
Você está em: Início > EIC0053
Autenticação




Mapa das Instalações
Edifício A (Administração) Edifício B (Aulas) - Bloco I Edifício B (Aulas) - Bloco II Edifício B (Aulas) - Bloco III Edifício B (Aulas) - Bloco IV Edifício C (Biblioteca) Edifício D (CICA) Edifício E (Química) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício G (Civil) Edifício H (Civil) Edifício I (Electrotecnia) Edifício J (Electrotecnia) Edifício K (Pavilhão FCNAUP) Edifício L (Mecânica) Edifício M (Mecânica) Edifício N (Garagem) Edifício O (Cafetaria) Edifício P (Cantina) Edifício Q (Central de Gases) Edifício R (Laboratório de Engenharia do Ambiente) Edifício S (INESC) Edifício T (Torre do INEGI) Edifício U (Nave do INEGI) Edifício X (Associação de Estudantes)

Engenharia de Requisitos de Sistemas de Software

Código: EIC0053     Sigla: ERSS

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Engenharia de Software

Ocorrência: 2018/2019 - 2S Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento de Engenharia Informática
Curso/CE Responsável: Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MIEIC 20 Plano de estudos a partir de 2009/10 4 - 6 42 162

Docência - Horas

Teórico-Práticas: 3,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teórico-Práticas Totais 1 3,00
António Manuel Lucas Soares 3,00

Língua de trabalho

Inglês

Objetivos

Dotar os alunos com competências para planear, gerir e levar a cabo um processo de análise e especificação de requisitos de um sistema de software.

Resultados de aprendizagem e competências

Ao serem aprovados à unidade curricular, os estudantes serão capazes de:

- definir requisito de um sistema de informação e explivcar a sua importância

- explicar a importância do processo de engenharia de requitos no sucesso de um sistema de informação

- descrever o processo de engenharia de requisitos de um sistema de informação

- identificar e explicar os papéis e actores no processo de engenharia de requisitos

- descrever a aplicação na engenharia de requisitos das técnicas de análise de problemas

- explicar como se usam e aplicar as técnicas de workshops de requisitos e prototipagem

- aplicar as técnicas de cenários e storyboarding e observação e análise social (métodos etnográficos)

- explicar em que consiste e qual a importância da análise de requisitos - descrever as técnicas de análise de requisitos

- explicar a importância da classificação de requisitos - classificar requisitos quanto a prioridade e risco

- explicar a necessidade e importância da negociação de requisitos

- negociar requisitos - descrever as várias formas de representação de requisitos

- descrever a estrutura básica de um documento de requisitos

- estruturar a descrição dos requisitos de um sistema segundo a norma IEEE 830-1998

- construir modelos de casos de uso simples a partir de uma descrição de requisitos

- elaborar um documento de requisitos completo.

Modo de trabalho

Presencial

Programa

1. Introdução à engenharia de requisitos

1.1.Noção de requisito: requisitos funcionais e não funcionais; importância dos requisitos; o papel da análise e especificação; domínios de aplicação; requisitos como objectos sócio-técnicos; requisitos de sistemas de actividades humanas.

1.2.O processo de Engenharia de Requisitos: aspectos interdisciplinares da engenharia de requisitos; aspectos organizacionais; modelos de processo de ER; actores do processo de ER (stakeholders); apoio e gestão do processo de ER; qualidade e melhoria do processo de ER.

2. Identificação, análise e negociação de requisitos.

2.1.Processos para a identificação, descoberta e refinamento de requisitos: guiados por políticas organizacionais; desencadeados por problemas; desencadeados por imitação (by-example); iniciados por imposições do ambiente externo.

2.2.Técnicas genéricas para identificação, descoberta e refinamento de requisitos de requisitos: análise de problemas; modelação da organização e do negócio; brainstorming; inquéritos; entrevistas;

2.3.Técnicas específicas para identificação, descoberta e refinamento de requisitos de requisitos: workshops de requisitos; cenários e storyboarding; prototipagem; observação e análise social (métodos etnográficos).

2.4.Estruturas genéricas de conversações para identificação de requisitos: diálogos e contextos; estruturas de diálogos; comunicação não verbal; padrões e actos de diálogos (identificação, análise e modelação, refinamento, validação, negociação);

2.5.Análise de requisitos: checklists, de análise; matrizes de interacção ou dependência; riscos e prioridades dos requisitos; classificação dos requisitos; desenho de arquitecturas e divisão dos requisitos; verificação de consistência, métricas.

2.6.Negociação de requisitos: conflito e negociação; pontos de vista;

3. Documentação e comunicação de requisitos

3.1. Representações de requisitos: critérios; representações e requisitos de informação; meios de representação; selecção de representações; paradigmas representacionais; qualidade das representações;

3.2. Descrições textuais de requisitos: estruturas de documentos de requisitos; o documento de visão; a norma IEEE 830-1998; formas de discurso na descrição de requisitos;

3.3. Representação de requisitos através de casos de uso: passos na construção de um modelo de casos de uso; extensão e inclusão de casos de uso; integração de casos de uso nas técnicas de identificação de requisitos; integração de modelos de caos de uso em documentos de requisitos; utilização de outros diagramas da UML na representação de requisitos - diagramas de classes, actividades, sequência, pacotes;

3.4. Representação do contexto organizacional: modelação de processos organizacionais; modelação de objectivos; padrões de análise e negócio em UML;

3.5. Modelação e especificação formal: visão geral de técnicas de modelação e especificação formal;

4. Validação, teste e rastreabilidade de requisitos

4.1.Validação de requisitos: revisão de requisitos; prototipagem; validação de modelos; teste de requisitos; revisão de casos de uso;

4.2.Teste de requisitos: conceitos básicos; casos de teste; cenários; derivação de casos de teste de casos de uso;

4.3.Rastreabilidade de requisitos: o papel da rastreabilidade no desenvolvimento de sistemas; a relação de rastreabilidade; modelo generalizado de rastreabilidade; ferramentas para apoiar a rastreabilidade;

5. Gestão de requisitos

5.1.Gestão da alteração de requisitos: o porquê da mudança; requisitos estáveis e voláteis; processos para gerir alterações; gestão de configurações de requisitos; ferramentas para gestão de requisitos;

5.2.Qualidade de requisitos: qualidade do projecto; avaliação da qualidade; checklists para garantia de qualidade.

Bibliografia Obrigatória

Klaus Pohl; Requirements Engineering: Fundamentals, Principles, , Springer, 2010. ISBN: 978-3-642-12577-5
IAN ALEXANDER AND NEIL MAIDEN; SCENARIOS, STORIES, USE CASES Through the Systems Development Life-Cycle, John Wiley & Sons. ISBN: 0-470-86194-0

Bibliografia Complementar

Alexander, Ian F.; Writing better requirements. ISBN: 0-321-13163-0
Alistair Stutcliffe; User Centered Requirements Engineering: Theory and Practice, Springer, 2002
Crabtree, Andy; Designing collaborative systems. ISBN: 1-85233-718-4
Gottesdiener, Ellen; Requirements by collaboration. ISBN: 0-201-78606-0
Withall, Stephen; Software requirement patterns. ISBN: 978-0-7356-2398-9
Maciaszek, Leszek A.; Requirements analysis and system design. ISBN: 0-201-70944-9
Kurt Bittner, Ian Spence; Use Case Modelling, Addison-Wesley, 2003
Gibson, John E.; How to do systems analysis. ISBN: 978-0-470-00765-5
Kotonya, Gerald; Requirements engineering. ISBN: 0-471-97208-8
Sommerville, Ian; Requirements engineering. ISBN: 0-471-97444-7

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

Ensino orientado ao projecto. Os alunos dividem-se em grupos que levarão a cabo 1 projecto abrangendo todas as fases de um processo de engenharia de requisitos. A aulas teóricas fornecem a base conceptual, teórica e metodológica para a realização dos projectos.

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Apresentação/discussão de um trabalho científico 40,00
Trabalho escrito 30,00
Trabalho prático ou de projeto 30,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Elaboração de projeto 54,00
Estudo autónomo 35,00
Frequência das aulas 33,00
Trabalho escrito 40,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

Nota mínima de 40% em qualquer das componentes de avaliação

Fórmula de cálculo da classificação final

30% - PS - Projecto (grupo) 

30% - EI - Ensaio (individual)

20% - DA - Discussão de um artigo (grupo)

20% - AA - Folha de leitura de artigo (individual)

Avaliação especial (TE, DA, ...)

De acordo com o regulamento do curso.

Melhoria de classificação

É possível melhorar o ensaio individual (EI). As componentes de projecto (PS) e análise de artigos AG podem ser melhoradas na próxima ocorrência da Unidade Curricular.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2019-05-23 às 02:30:49 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais