Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
Formação regular da Biblioteca |fevereiro a maio
Você está em: Início > EMM0035
Autenticação




Mapa das Instalações
Edifício A (Administração) Edifício B (Aulas) - Bloco I Edifício B (Aulas) - Bloco II Edifício B (Aulas) - Bloco III Edifício B (Aulas) - Bloco IV Edifício C (Biblioteca) Edifício D (CICA) Edifício E (Química) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício G (Civil) Edifício H (Civil) Edifício I (Electrotecnia) Edifício J (Electrotecnia) Edifício K (Pavilhão FCNAUP) Edifício L (Mecânica) Edifício M (Mecânica) Edifício N (Garagem) Edifício O (Cafetaria) Edifício P (Cantina) Edifício Q (Central de Gases) Edifício R (Laboratório de Engenharia do Ambiente) Edifício S (INESC) Edifício T (Torre do INEGI) Edifício U (Nave do INEGI) Edifício X (Associação de Estudantes)

Gestão de Operações I

Código: EMM0035     Sigla: GOPE1

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Gestão

Ocorrência: 2018/2019 - 2S Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento de Engenharia e Gestão Industrial
Curso/CE Responsável: Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MIEMM 35 Plano de estudos oficial a partir de 2006/07 4 - 6 56 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
João Alberto Vieira Campos Pereira Claro Regente

Docência - Horas

Teórico-Práticas: 4,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teórico-Práticas Totais 1 4,00
José Manuel de Araújo Baptista Mendonça 0,00
Alípio José Silva da Torre 2,00
Abílio Carlos Pereira Pacheco 2,00

Língua de trabalho

Português

Objetivos

Após a aprovação nesta unidade curricular, os estudantes deverão ser capazes de:
1-a) Recordar os princípios fundamentais do valor temporal do dinheiro, a estrutura das principais ferramentas de análise financeira, e a lógica da sua articulação para permitir a análise financeira de projectos de investimento.
1-b) Analisar activos financeiros e documentos financeiros simples.
1-c) Desenvolver projecções financeiras e analisar projectos de investimento simples com rigor.
2-a) Recordar as definições das principais visões sobre estratégia empresarial, e os conceitos e estrutura das ferramentas de análise utilizadas em cada uma dessas visões.
2-b) Utilizar esses conceitos de raiz na ideação de projectos de base tecnológica.
2-c) Analisar a criação de valor em projectos de base tecnológica, utilizando essas ferramentas.
3-a) Recordar as definições, categorizações, critérios de avaliação e elementos de sucesso de oportunidades e empreendedorismo, bem como os argumentos que justificam a respectiva importância social e económica.
3-b) Recordar os principais blocos constituintes dos conceitos de produto e negócio de base tecnológica, e os factores que podem condicionar o acesso de um inovador aos retornos gerados pela sua inovação.
3-c) Utilizar estes enquadramentos de raiz na ideação de projectos de base tecnológica.
3-d) Utilizar estes enquadramentos para analisar a capacidade de criação, entrega e apropriação de valor, em projectos de base tecnológica.
4-a) Recordar as definições das principais visões sobre as operações, os seus principais objectivos, e a lógica dos compromissos entre estes, num contexto de cadeia de abastecimento.
4-b) Utilizar estes conhecimentos para formular e analisar de modo genérico estratégias de operações em cadeias simples.
4-c) Recordar as definições dos principais componentes do pensamento sistémico.
4-d) Reconhecer esses componentes em sistemas de base tecnológica.
5-a) Recordar a lógica da importância das interacções empresariais e sociais dos sistemas de engenharia, e da necessidade de abordagens sistémicas e interdisciplinares para lidar com esses sistemas.
5-b) Identificar essas interacções e a sua importância em diversos domínios de aplicação da engenharia.
No final da unidade curricular devem ser capazes de, de forma simples e introdutória, analisar ou desenvolver um projecto de engenharia para além da tecnologia, com uma visão mais abrangente, tendo em consideração múltiplos aspectos de interacção empresarial e social, em particular ao longo de perspectivas financeira, estratégica, de inovação, e de operações.

Resultados de aprendizagem e competências

A aprendizagem a realizar ao longo do semestre incide sobre as seguintes aptidões CDIO:
- 1.4 - Aquisição de conhecimentos de gestão e desenvolvimento da capacidade de os utilizar no projecto, implementação e operação de sistemas. Toda a aprendizagem contribui para desenvolver esta aptidão.
- 2.1 - Raciocínio em engenharia e resolução de problemas A aprendizagem no domínio do empreendedorismo tecnológico tem o contributo mais forte neste domínio, em que é trabalhada a perspectiva da inovação tecnológica como a utilização de conhecimento para aplicar ferramentas, materiais, processos e técnicas para desenvolver novas soluções para problemas.
- 2.3 - Pensamento sistémico O pensamento sistémico é um eixo fundamental da aprendizagem. É ele que suporta a integração da diversidade de aspectos tratados de natureza económica e de gestão, externos e internos às organizações. A simulação “Beer Game”, que ilustra aspectos fundamentais da perspectiva sistémica, é realizada nas aulas, e o seu “debriefing” conduz a discussão de questões de estrutura, modelos mentais, comportamento, entre outros.
- 2.4 - Capacidades e atitudes pessoais A aprendizagem no domínio do empreendedorismo tecnológico será o contributo mais forte neste domínio. São explicitamente discutidos aspectos relacionados com a iniciativa e vontade de assumir riscos, o relevo da perseverança e flexibilidade dos empreendedores, o lugar do pensamento criativo e do pensamento crítico na identificação e exploração de oportunidades, a existência de assimetrias de informação e limitações de conhecimento, salientando-se a importância das equipas multidisciplinares, e o papel fundamental da gestão do tempo e dos recursos, que são especialmente escassos e críticos nas fases embrionárias dos projectos empresariais.
- 2.5 - Capacidades e atitudes profissionais Toda a aprendizagem contribui para desenvolver esta aptidão. Toda a discussão é orientada por princípios de ética, integridade e responsabilidade profissionais, e toda a actividade é regida por exigências de um comportamento profissional. A exposição aos contextos empresariais em que se realiza a actividade da engenharia contribui para o conhecimento do mundo da profissão e para a construção de um quadro conceptual relevante para o planeamento da carreira.
- 3.1 - Trabalho em grupo O trabalho prático e os mini-testes são realizados em grupo. Por outro lado, a aprendizagem no domínio do empreendedorismo tecnológico tem novamente um contributo forte. São explicitamente discutidos aspectos relacionados com a importância do trabalho em equipa e com o seu funcionamento.
- 4.1 - Contextos externo e social Toda a aprendizagem contribui para desenvolver esta aptidão.
- 4.2 - Contextos empresarial e de negócios Toda a aprendizagem contribui para desenvolver esta aptidão.
- 4.4 - Projecto A aprendizagem no domínio da Análise de Projectos de Investimento (alicerçada no trabalho realizado no domínio da Matemática Financeira e da Análise Financeira) tem o contributo mais forte para o desenvolvimento desta aptidão.
- 4.6 - Operação A aprendizagem no domínio da Gestão de Operações, incluindo a realização da simulação “Beer Game”, tem o contributo mais forte para o desenvolvimento desta aptidão. No “debriefing” da simulação são discutidas questões fundamentais na gestão de cadeias de abastecimento.

Modo de trabalho

Presencial

Programa

1. A engenharia na perspectiva financeira. Conceitos básicos de matemática financeira. Introdução à análise financeira. Análise de projectos de investimento.
2. A engenharia na perspectiva estratégica. Definições de estratégia. A visão concorrencial: atractividade da indústria, modelo das cinco forças, posicionamento concorrencial, modelo da cadeia de valor. A visão baseada nos recursos. Comparação e integração de enquadramentos.
3. A engenharia na perspectiva da inovação. Oportunidade e empreendedorismo. Perfil do empreendedor. Importância social e económica do empreendedorismo. Categorias e avaliação de oportunidades. Equipa empreendedora. Os desafios da comercialização de tecnologia. Ligações Tecnologia-Produto-Mercado. Condicionantes da apropriação dos retornos da inovação.
4. A engenharia na perspectiva das operações. Visões baseadas em recursos, processos, e competências. Compromissos entre objectivos da gestão de operações. Eficiência operacional. Gestão de cadeias de abastecimento. Simulação “Beer Game”. Perspectiva sistémica: padrões de comportamento, estrutura, modelos mentais, e pontos de alavancagem. O “Bullwhip Effect”.
5. Sistemas de engenharia. Soluções tecnológicas: operações em volume e sistemas complexos. Arquitecturas e conceitos de produtos e de negócios. Função social. Interacções empresariais e sociais. Perspectiva sistémica. Abordagens interdisciplinares. Domínios de aplicação.

Bibliografia Obrigatória

Apontamentos e transparências das aulas

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

Uma sessão semanal de 1h30 será dedicada à exposição dos temas programáticos e uma sessão semanal de 2h30 será dedicada à discussão mais detalhada dos temas expostos e à realização de exercícios e do trabalho prático.
A sessão de 2h30 decorrerá em sala de computadores, e os exercícios e mini-testes propostos serão realizados com o apoio de software de folhas de cálculo. Ao longo do semestre será realizado um trabalho, em grupos de cinco estudantes, utilizando tempo nas sessões e fora das sessões.

Software

Microsoft Excel
Beer Game with a difference

Palavras Chave

Ciências Sociais > Economia > Estudos de gestão
Ciências Sociais > Economia

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Exame 65,00
Participação presencial 0,00
Teste 10,00
Trabalho escrito 25,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Estudo autónomo 50,00
Total: 50,00

Obtenção de frequência

Presença nas aulas práticas de acordo com o estipulado nas Normas Gerais de Avaliação e obtenção de pelo menos 8 valores (em 20) na componente de avaliação distribuída.

Fórmula de cálculo da classificação final

A classificação final é dada por 35% x AD + 65% x E, em que:
- AD é a classificação da componente de avaliação distribuída, que deverá ser no mínimo de 8 valores (em 20);
- E é a classificação do exame final, que deverá ser no mínimo de 8 valores (em 20).

A classificação da componente de avaliação distribuída é dada por 71.4% x TP + 14.3% x (MT1 + MT2 + MT3 - min(MT1, MT2, MT3)), em que:
- TP é a classificação do trabalho prático (sobre empreendedorismo e comercialização de tecnologia)
- MT1 é a classificação do mini-teste 1 (sobre matemática financeira);
- MT2 é a classificação do mini-teste 2 (sobre análise financeira);
- MT3 é a classificação do mini-teste 3 (sobre análise de projectos de investimento).

A parte de cada elemento na classificação final global é a seguinte:
- TP - 5 valores; 
- MT1, MT2, MT3 - para cada uma das duas melhores classificações, 1 valor;
- E - 13 valores.

Provas e trabalhos especiais

Ao longo do semestre os estudantes deverão realizar um trabalho prático:
- TP: Trabalho prático sobre empreendedorismo e comercialização de tecnologia, a realizar em grupos de 5 estudantes, com data limite de entrega a anunciar na primeira aula.

Ao longo do semestre os estudantes deverão realizar 3 mini-testes:
- MT1: Mini-teste sobre Matemática Financeira, a realizar em computador, em grupos de 2 estudantes, numa aula TP (data a anunciar na primeira aula).
- MT2: Mini-teste sobre Análise Financeira, a realizar em computador, em grupos de 2 estudantes, numa aula TP (data a anunciar na primeira aula).
- MT3: Mini-teste sobre Análise de Projetos de Investimento, a realizar em computador, em grupos de 2 estudantes, numa aula TP (data a anunciar na primeira aula).

Para os estudantes com estatuto especial os mini-testes poderão ser realizados em datas ajustadas individualmente.

Avaliação especial (TE, DA, ...)

Os estudantes com estatuto especial não estão dispensados de realizar o trabalho prático e os mini-testes, no entanto estão dispensados de assistir às aulas.

Melhoria de classificação

A melhoria de classificação da componente distribuída pode ser realizada através de uma prova especial individual no decorrer da época de exames.

Observações

Avaliação do desenvolvimento das aptidões CDIO:
- 1.4 - Aquisição de conhecimentos de gestão e desenvolvimento da capacidade de os utilizar no projecto, implementação e operação de sistemas.
O trabalho prático, mini-testes, bem como o exame final avaliam a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento da capacidade de os utilizar.
- 2.1 - Raciocínio em engenharia e resolução de problemas
O trabalho prático avalia a capacidade de articular uma oportunidade de negócio de base tecnológica, com a identificação e articulação do problema a resolver ou necessidade a satisfazer, a modelização das componentes de criação, captura e entrega de valor na oportunidade, uma análise qualitativa e quantitativa das diversas vertentes da oportunidade, uma análise dos principais elementos de incerteza e das formas previstas para com eles lidar, a conceptualização do produto ou serviço de base tecnológica como uma solução para o problema identificado, e uma análise e síntese dos pontos fortes e fracos da oportunidade. O exame final avalia a aquisição de conhecimentos neste domínio.
- 2.3 - Pensamento sistémico
O exame final avalia a apreensão dos conceitos fundamentais do pensamento sistémico, nomeadamente, as interacções da componente tecnológica de um sistema de engenharia com aspectos empresariais e sociais. No trabalho prático, a perspectiva sistémica é também trabalhada, na medida em que a articulação das oportunidades de negócio força a integração de múltiplos componentes que interagem num sistema complexo com vertentes tecnológicas, sociais, económicas e de gestão.
- 2.4 - Capacidades e atitudes pessoais
O exame final avalia a apreensão dos conceitos fundamentais relativos à relevância das capacidades e atitudes pessoais. O trabalho prático permite avaliar a capacidade de análise do papel que estes aspectos desempenham num projecto empresarial de base tecnológica, e coloca em jogo capacidades de pensamento crítico e de gestão de tempo.
- 2.5 - Capacidades e atitudes profissionais
O trabalho prático promove o desenvolvimento destas capacidades e permite, naturalmente, a sua avaliação. O exame final avalia a aquisição de conhecimentos neste domínio.
- 3.1 - Trabalho em grupo
O exame final avalia a apreensão dos conceitos fundamentais relativos à relevância do trabalho em equipa. O trabalho prático, sobretudo, promove o desenvolvimento destas aptidões e permite, naturalmente, a sua avaliação.
- 4.1 - Contextos externo e social
O trabalho prático, mini-testes, bem como o exame final avaliam a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento da capacidade de os utilizar.
- 4.2 - Contextos empresarial e de negócios
O trabalho prático, mini-testes, bem como o exame final avaliam a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento da capacidade de os utilizar.
- 4.4 - Projecto
Os mini-testes 1, 2 e 3 avaliam o domínio de algumas ferramentas fundamentais para a Análise de Projectos de Investimento. O exame final avalia a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento da capacidade de os utilizar.
- 4.6 - Operação
O exame final avalia a apreensão de conceitos fundamentais de Gestão de Operações. No trabalho prático terão que ser abordados alguns aspectos relacionados com a área das operações.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2019-05-21 às 06:23:04 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais