Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
Projecto da Casa da U. Porto
Você está em: Início > EIG0066
Autenticação




Mapa das Instalações
Edifício A (Administração) Edifício B (Aulas) - Bloco I Edifício B (Aulas) - Bloco II Edifício B (Aulas) - Bloco III Edifício B (Aulas) - Bloco IV Edifício C (Biblioteca) Edifício D (CICA) Edifício E (Química) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício G (Civil) Edifício H (Civil) Edifício I (Electrotecnia) Edifício J (Electrotecnia) Edifício K (Pavilhão FCNAUP) Edifício L (Mecânica) Edifício M (Mecânica) Edifício N (Garagem) Edifício O (Cafetaria) Edifício P (Cantina) Edifício Q (Central de Gases) Edifício R (Laboratório de Engenharia do Ambiente) Edifício S (INESC) Edifício T (Torre do INEGI) Edifício U (Nave do INEGI) Edifício X (Associação de Estudantes)

Informática Industrial

Código: EIG0066     Sigla: INFI

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Automação

Ocorrência: 2017/2018 - 2S

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores
Curso/CE Responsável: Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MIEGI 66 Plano de estudos oficial a partir de 2006/07 3 - 6 56 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
Mário Jorge Rodrigues de Sousa Regente

Docência - Horas

Teóricas: 2,00
Teórico-Práticas: 2,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 1 2,00
Mário Jorge Rodrigues de Sousa 2,00
Teórico-Práticas Totais 3 6,00
Mário Jorge Rodrigues de Sousa 2,00
Andry Maykol Gomes Pinto 4,00

Língua de trabalho

Português - Suitable for English-speaking students

Objetivos

O objetivo principal desta unidade curricular é dotar os alunos de competências que lhes permitam conhecer os requisitos, os processos de desenvolvimento e as tecnologias utilizadas nas aplicações de controlo e/ou supervisão de processos industriais ao nível de célula e shop floor.

O aluno tomará contacto com técnicas utilizadas na especificação destas aplicações, bem como com as tecnologias mais recentes utilizadas no respetivo desenvolvimento.

 

Resultados de aprendizagem e competências

-- Conhecer as características e os requisitos dos sistemas de automação utilizados em diferentes tipos de indústrias.
-- Conhecer os processos de especificação e desenvolvimento de aplicações situadas ao nível de célula.
-- Conhecer as tecnologias de integração vertical utilizadas em sistemas industriais.
-- Conhecer as tecnologias de recolha automática de dados utilizados em sistemas industriais.
-- Conhecer as tecnologias de supervisão e controlo de execução de processos industriais
-- Desenvolver aplicações (simples), multinível, de controlo e supervisão de processos industriais.

Modo de trabalho

Presencial

Pré-requisitos (conhecimentos prévios) e co-requisitos (conhecimentos simultâneos)

-- Conhecimento de programação.
-- Noções básicas de sistemas de informação.

Programa

Sistemas de Automação

-- Introdução. Arquitetura de um sistema de automação. Hierarquia de controlo.
-- Controlo de sistemas conduzidos por eventos.  Modelação utilizando Grafcet.
-- Desenvolvimento e implementação de aplicações de controlo utilizando linguagens IEC 61131-3: SFC e ST.


Tecnologias de Identificação Automáticas em Sistemas de Automação.

-- Introdução.
-- Códigos de barras.
-- RFID (Radio Frequency Identification).


Protocolos de Comunicação na Integração Vertical de Sistemas de Automação

-- Introdução. Perspectiva geral.
-- Modelos de interação: mestre-escravo e cliente-servidor.
-- Breve introdução aos protocolos: TCP/IP, Modbus e OPC.


Sistemas de Supervisão (SCADA – Supervisory Controlo and Data Acquisition)

-- Introdução. Arquitetura geral.

-- Acesso aos sinais de campo: tags.

-- Módulos de sinópticos, alarmes, históricos, relatórios e comunicações.

-- Integração com níveis hierárquicos inferiores e superiores


Sistema de Controlo da Execução (MES – Manufacturing Execution Systems)

-- Introdução. Arquitetura geral.

-- Design patterns para sistemas de automação: ISA88 e ISA95

-- Integração com níveis hierárquicos inferiores e superiores

Bibliografia Obrigatória

Hanssen Dag H.; Programmable logic controllers. ISBN: 978-1-118-94924-5

Bibliografia Complementar

KLS Sharma; Overview of industrial process automation. ISBN: 978-0-124-15779-8
Stuart G. McCrady; Designing SCADA application software. ISBN: 978-0-12-417000-1
Jürgen Kletti; Manufacturing Execution System - MES
Wolfgang Mahnke; OPC Unified Architecture
Mikell P. Groover; Automation, production systems, and computer-integrated manufacturing. ISBN: 978-0-13-207073-7

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

- Aulas teóricas: exposição dos assuntos lecionados.
- Aulas teorico-praticas: resolução de problemas de modelação com Grafcet
- Aulas laboratoriais: realização de um trabalho integrador envolvendo uma aplicação de controlo e supervisão de uma célula de fabrico existente no laboratório.

Palavras Chave

Ciências Tecnológicas > Engenharia > Engenharia de controlo > Automação
Ciências Tecnológicas > Engenharia > Engenharia electrotécnica
Ciências Tecnológicas > Engenharia > Engenharia de processos > Controlo de processos

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída com exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Participação presencial 5,00
Teste 45,00
Trabalho laboratorial 50,00
Total: 100,00

Obtenção de frequência

-- Regulamentos da UP
-- Realização e apresentação do trabalho laboratorial.
-- Nota mínima de 7.00 (sete) valores em todas as partes (teórica e laboratorial)

Fórmula de cálculo da classificação final

-- Participação presencial: 5%
-- Parte teórica: 45% (exame)
-- Parte pratica: 50% (trabalho laboratorial)

 -- Coerência entre nota de grupo e individual: a nota da parte laboratorial não poderá ser 5 (cinco) valores superior à nota teórica (o contrário não se aplica).
-- Notas iguais ou superiores a 18 valores ficam condicionadas à realização de uma prova oral.

Provas e trabalhos especiais

Os alunos que não tenham realizado a componente laboratorial durante o período letivo, terão que realizar uma prova equivalente no período normal de avaliação (exames).

Avaliação especial (TE, DA, ...)

Regulamentos da UP

Melhoria de classificação

A classificação da parte prática não é susceptível de melhoria no exame de recurso.
Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2019-04-23 às 13:28:20 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais