Saltar para:
Logótipo
Você está em: Início > EEC0030

Laboratório de Programação

Código: EEC0030     Sigla: LPRO

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Informática

Ocorrência: 2013/2014 - 1S Ícone do Moodle

Ativa? Sim
Página Web: http://paginas.fe.up.pt/~jlopes/doku.php/teach/lpro/
Página e-learning: http://moodle.up.pt/
Unidade Responsável: Departamento de Engenharia Informática
Curso/CE Responsável: Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MIEEC 53 Plano de estudos de Transição a partir de 2010/11 4 - 6 63 162
Plano de estudos oficial 4 - 6 63 162

Docência - Horas

Teóricas: 2,00
Práticas Laboratoriais: 2,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 1 2,00
João António Correia Lopes 2,00
Práticas Laboratoriais Totais 4 8,00
Daniel Augusto Gama de Castro Silva 2,00
João António Correia Lopes 6,00

Língua de trabalho

Português - Suitable for English-speaking students

Objetivos

No contexto da especificação, desenvolvimento e manutenção de aplicações de software com interface gráfica em arquiteturas cliente/servidor, esta unidade curricular tem por objetivos:
- Promover a aquisição de conceitos, métodos e técnicas de Engenharia de Software e dotar os estudantes da capacidade de os aplicar na conceção e desenvolvimento de sistemas de software.
- Dotar os estudantes de conhecimentos práticos na utilização de ferramentas de desenvolvimento de software adequadas à metodologia a usar e que permitam o acompanhamento do desenvolvimento do produto durante todo o seu ciclo de vida, incluindo a depuração, teste e documentação de código na linguagem de programação Java.

Resultados de aprendizagem e competências

Ao completar esta unidade curricular o estudante deve ser capaz de:
- Identificar e documentar os requisitos de um Sistema de Software utilizando narrativas de utilizador
- Descrever os casos de utilização utilizando UML
- Realizar um protótipo de interface com o utilizador
- Identificar e documentar os requisitos suplementares
- Obter o modelo conceptual do domínio utilizando UML
- Obter modelos de processos de negócio utilizando UML
- Descrever a arquitetura utilizando UML
- Validar a arquitetura através de um protótipo vertical
- Modelar o comportamento de objetos utilizando UML
- Modelar a estrutura de classes utilizando UML
- Elaborar a Ajuda ao Utilizador
- Elaborar o Manual de Instalação
- Codificar classes em Java usando as API standard
- Realizar versões de componentes de software
- Documentar o código Java utilizando Javadoc
- Testar o código utilizando Junit
- Utilizar uma ferramenta de elaboração colaborativa de documentação
- Utilizar um IDE na manutenção do software
- Utilizar um sistema de controlo de versões

Modo de trabalho

Presencial

Pré-requisitos (conhecimentos prévios) e co-requisitos (conhecimentos simultâneos)

Conhecimentos em Programação

Programa

- Introdução à Engenharia de Software e à modelação ágil.
- Introdução à Engenharia de requisitos. Documentação de requisitos.
- Linguagem de modelação UML.
- Projeto de software orientado por objetos. Modelação de arquitetura, estrutura de classes e comportamento.
- Projeto de interfaces.
- Codificação em Java.
- Verificação, validação e teste de software.
- Manutenção de software. Gestão de configurações. Controlo de versões.
- Gestão e planeamento de projetos.

Bibliografia Obrigatória

Scott Ambler; The Object Primer, Cambridge University Press, 3rd Edition, 2004. ISBN: 978-0-521-54018-6
Thinking in Java; Bruce Eckel, Prentice Hall, 4th Edition, 2006. ISBN: 0131-87248-6

Bibliografia Complementar

Alberto Manuel Rodrigues da Silva e Carlos Alberto Escaleira Videira; UML, metodologias e ferramentas CASE. ISBN: 989-615-009-5
Russ Miles and Kim Hamilton; Learning UML 2.0. ISBN: 978-0-596-00982-3
Mauro Nunes, Henrique O.Neill; Fundamental de UML. ISBN: 972-722-481-4

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

A unidade curricular tem aulas teóricas (2 horas por semana) e aulas laboratoriais (2 horas por semana) em sala de computadores.
Os tempos letivos das aulas teóricas são usados para descrever brevemente as várias fases de desenvolvimento de software e os artefactos associados e para apresentar e exemplificar a utilização das metodologias e ferramentas a usar no trabalho prático. São ainda indicadas referências de leitura.
Nas aulas laboratoriais os estudantes trabalham, em grupos de 5, num projeto de software.

Software

ArgoUML
IDE NetBeans (Linux e Windows)
Enterprise Architect (Windows)
Umbrello (Linux)
SVN
CVS
dokuwiki

Palavras Chave

Ciências Físicas > Ciência de computadores > Programação > Engenharia de software
Ciências Físicas > Ciência de computadores > Programação

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Teste 40,00
Trabalho laboratorial 60,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Elaboração de projeto 106,00
Frequência das aulas 56,00
Total: 162,00

Obtenção de frequência

O trabalho prático (TP) será avaliado através da documentação apresentada, da aplicação desenvolvida e do desempenho individual nas aulas (TP1 a TP8).
Os conceitos teóricos são avaliados através da resposta individual a folhas de perguntas (FT1 a FT4), a realizar em algumas aulas laboratoriais.
A aprovação na unidade curricular está condicionada à obtenção de 50% em cada um dos trabalhos da avaliação prática (TP1 a TP8) e de 40% na média das folhas de perguntas relacionadas com a matéria teórica (FT1 a FT4).
Esta unidade curricular, dada a sua natureza laboratorial, não é passível de avaliação em momento único, pelo que não poderá ser substituída por exame de recurso.

Fórmula de cálculo da classificação final

A nota final será calculada usando a fórmula: NOTA = 80% TP + 20% FT
sendo:
TP = (TP1 + 3* TP2 + 2* TP3 + 2* TP4 + 2* TP5 + 8* TP6 + TP7 + TP8 ) / 20
FT = (FT1 + FT2 + FT3 + FT4) / 4

A classificação da componente prática (TP) pode variar de elemento para elemento do mesmo grupo em mais ou menos 2 valores, com base na opinião dos docentes e na autoavaliação a realizar internamente em cada grupo.

Provas e trabalhos especiais

Para além da demonstração do trabalho prático, pode ter lugar uma prova oral para alguns estudantes.

Avaliação especial (TE, DA, ...)

A avaliação prática e teórica, realizada nas aulas laboratoriais durante o semestre de funcionamento da unidade curricular, é exigida a todos os estudantes, independentemente do regime de inscrição e da necessidade de obter avaliação de frequência.
Os trabalhadores estudantes e equivalentes dispensados das aulas devem, com periodicidade a combinar com os docentes, apresentar a evolução dos seus trabalhos, assim como devem fazer a apresentação destes, simultaneamente com os estudantes ordinários, e realizar as provas teóricas e práticas de avaliação individual previstas.

Melhoria de classificação

A nota final pode ser melhorada apenas numa nova edição da disciplina.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2022 © Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2022-08-14 às 03:41:47 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais | Denúncias