Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
Formação regular da Biblioteca |fevereiro a maio
Você está em: Início > EEC0136
Autenticação




Mapa das Instalações
Edifício A (Administração) Edifício B (Aulas) - Bloco I Edifício B (Aulas) - Bloco II Edifício B (Aulas) - Bloco III Edifício B (Aulas) - Bloco IV Edifício C (Biblioteca) Edifício D (CICA) Edifício E (Química) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício G (Civil) Edifício H (Civil) Edifício I (Electrotecnia) Edifício J (Electrotecnia) Edifício K (Pavilhão FCNAUP) Edifício L (Mecânica) Edifício M (Mecânica) Edifício N (Garagem) Edifício O (Cafetaria) Edifício P (Cantina) Edifício Q (Central de Gases) Edifício R (Laboratório de Engenharia do Ambiente) Edifício S (INESC) Edifício T (Torre do INEGI) Edifício U (Nave do INEGI) Edifício X (Associação de Estudantes)

Sistemas e Automação

Código: EEC0136     Sigla: SA

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
OFICIAL Automação, Controlo e Sistemas de Produção Indust.

Ocorrência: 2010/2011 - 2S

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Automação, Controlo e Sistemas de Produção Industrial
Curso/CE Responsável: Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MIEEC 239 Plano de estudos de Transição a partir de 2010/11 2 - 6 63 162
Plano de estudos oficial 2 - 6 63 162

Docência - Horas

Teóricas: 2,00
Laboratórios: 2,00
Tipo Docente Turmas Horas
Teóricas Totais 2 4,00
Luis Miguel Pinho de Almeida 2,00
Mário Jorge Rodrigues de Sousa 2,00
Laboratórios Totais 9 18,00
Andry Maykol Gomes Pinto 2,00
Mário Jorge Rodrigues de Sousa 4,00
Luis Miguel Pinho de Almeida 4,00
Marcos André Magalhães Ferreira 4,00
Bruno Miguel Mateus Ferreira 4,00

Língua de trabalho

Português

Objetivos

OBJECTIVOS
- Conhecer os principais domínios de aplicação dos sistemas de automação
- Compreender os sistemas de automação a eventos discretos
- Conhecer os métodos de apoio à concepção destes sistemas
- Conhecer as tecnologias da automação
- Saber desenvolver sistemas de automação de complexidade média

RESULTADOS
O estudante, no final da Unidade Curricular, deve ser capaz de:
- Interpretar e construir modelos baseados em Máquinas de Estado, Grafcet e Redes de Petri para modelar sistemas de automação.
- Ser capaz de implementar Máquinas de Estados/Grafcet/Redes de Petri em Microcontroladores e Autómatos Programáveis
- Utilizar Grafcet/ST para controlo de sistemas automáticos de dificuldade média
- Compreender um caderno de encargos e projectar um sistema de controlo automático, orientado a eventos, para problemas de dificuldade média

Programa

* Introdução aos sistemas de automação:
- Principais domínios de aplicação
- Estudo de casos
- Sistemas orientados a eventos discretos versus sistemas a tempo contínuo

* Métodos de análise e concepção de sistemas a eventos discretos no âmbito da automação
- Máquina de estados: Noção de máquina de estados. Modelo de Moore e de Mealy. Modelos mistos e extensões. Exemplos de aplicação
- Grafcet: Noções fundamentais (etapa, transição, receptividade, acção, regras de evolução). Estudo de problemas tipo (concorrência, sincronização, partilha de recursos, sistemas hierárquicos). Noções avançadas (macro-acções e macro etapas). Métodos de implementação (assíncrono e síncrono).
- Redes de Petri. Análise e poder de modelação. Extensões possíveis: vantagens e desvantagens.

* Tecnologias dos sistemas de automação
- Detectores: princípios de funcionamento e aplicações
- Actuadores: princípios de funcionamento e aplicações dos actuadores electromecânicos, hidráulicos e pneumáticos
- Autómatos programáveis: arquitectura, programação e interfaces

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

1. A introdução de conceitos nas aulas teóricas será acompanhada da referência a exemplos práticos de aplicação, e da resolução de exercícios teórico-práticos.
2. As aulas práticas serão principalmente dedicadas à realização de trabalhos práticos em laboratório.

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Obtenção de frequência

-Regras gerais da FEUP (presença aulas práticas)

Fórmula de cálculo da classificação final

- componente presencial (5 valores) + componente escrita (15 valores)
- na componente escrita: duas provas (10 + 5 valores)
- Exige-se avaliação mínima de 30% em cada componente
- Nos casos em que exista uma diferença superior a 4 valores (em 20) entre duas componentes, a maior das classificações será ajustada por forma a que essa diferença passe a ser de 4 valores.

Provas e trabalhos especiais

* A componente laboratorial é obrigatória

Avaliação especial (TE, DA, ...)

* Os alunos eventualmente dispensados de frequentar as aulas práticas serão sujeitos a uma prova prática de avaliação dos conhecimentos adquiridos na componente laboratorial

Melhoria de classificação

* A componente laboratorial não pode ser melhorada

Observações

Os alunos que pretendam justificar eventuais faltas a aulas práticas, devem fornecer uma cópia do respectivo justificativo directamente ao respectivo docente.
Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2019-04-18 às 22:07:19 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais