Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
FEUP
Você está em: Início > Notícias > Abertura da exposição A Intersecção de Duas Linhas Paralelas de Joaquim Filipe Faria
Autenticação




Mapa das Instalações
Edifício A (Administração) Edifício B (Aulas) - Bloco I Edifício B (Aulas) - Bloco II Edifício B (Aulas) - Bloco III Edifício B (Aulas) - Bloco IV Edifício C (Biblioteca) Edifício D (CICA) Edifício E (Química) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício G (Civil) Edifício H (Civil) Edifício I (Electrotecnia) Edifício J (Electrotecnia) Edifício K (Pavilhão FCNAUP) Edifício L (Mecânica) Edifício M (Mecânica) Edifício N (Garagem) Edifício O (Cafetaria) Edifício P (Cantina) Edifício Q (Central de Gases) Edifício R (Laboratório de Engenharia do Ambiente) Edifício S (INESC) Edifício T (Torre do INEGI) Edifício U (Nave do INEGI) Edifício X (Associação de Estudantes)

Notícias

Abertura da exposição ''A Intersecção de Duas Linhas Paralelas'' de Joaquim Filipe Faria

18 de dezembro | 18h00 |Sala de Exposições da Biblioteca | FEUP

Cartaz

A abertura da exposição “A Intersecção de Duas Linhas Paralelas” de Joaquim Filipe Faria, terá lugar no próximo dia 18 de dezembro, pelas 18h00, na Sala de Exposições da Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Sobre a exposição:

A exposição Na Intersecção de Duas Linhas Paralelas é a primeira mostra pública dos trabalhos de Joaquim Filipe Faria desde 2013. Esta data marca o ano em que levou a sua expressão artística para uma nova fase, com o ingresso no Atelier Hélder Bandarra. Apoiando em toda a sua aprendizagem prévia, foi neste período que o artista encontrou e desenvolveu uma linguagem própria: afastando-se dos motivos e técnicas mais “académicas” na busca de uma temática mais livre e sentida.

Devaneios foi o nome escolhido para a série de obras de expressionismo abstrato que inicia e representa este processo de descoberta pessoal, seguidas de perto pela série Discrepâncias.  Aqui, Joaquim Filipe Faria aproveita os grandes formatos para permitir ao pincel explorar a vastidão da tela, trazendo à vida uma miríade de linhas e manchas arqueadas que flui e dança sobre a tela, enquanto planos esquinados se intersectam e sobrepõem. Trabalhando em conjunto com cores e sombras, estes elementos abstratos —cujos significados ocultos pulsam sob as suas simples construções geométricas— culminam na criação de sensações de movimento e profundidade que procuram despertar algo no âmago do observador.

Posteriormente, entra em cena a figura humana, aproveitando o jogo de cores e formas já desenvolvido para trazer às telas uma vida e alegria mais próxima para quem a observa. Deixa-se assim o abstracionismo puro da cor e da luz e inclui-se, em traços simples, mas fulcrais, o calor da interação entre seres que coexistem em plena harmonia no plano da tela.

Recentemente, deu os seus primeiros passos —ou pinceladas— numa nova fase, com a qual dá nome a esta exposição: biólogo de formação e vocação, o artista inclui na sua linguagem artística essa parte de si. Num projeto em curso que começa com a obra Evolução Convergente – Chamaeleo chamaeleon, são intersectadas assim, pela primeira vez, estas duas facetas que havia desde sempre vindo a desenvolver paralelamente.

Sobre o autor:

Joaquim Filipe Polónia de Faria nasceu no Porto, a 16 de julho de 1996. Desde pequeno que mostrou uma predisposição natural tanto para o campo das ciências como das artes, e apesar de ter decidido enveredar pelo primeiro, nunca abandou o segundo, recebendo instrução nas áreas da música e belas artes paralelamente ao seu percurso académico.

Licenciado em Biologia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto em 2017 e neste ano Mestre em Biodiversidade, Genética e Evolução pela mesma instituição, tem como objetivo prosseguir a sua carreira académica nesta área, com vista a um futuro de investigação nos temas que dão nome ao mestrado que completou.

Concluiu o Curso Básico de Música, 5º Grau do Conservatório para violino em 2011 e o 6º Grau de Violino do Trinity College of London em 2016, procurando desde então melhorar a sua técnica com cursos e aulas em regime livre e particular. É também, desde 2015, membro integrante da Orquestra Clássica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

No campo das belas artes, apesar de não possuir uma educação formal ou diplomada, frequentou de 2003 a 2012 o Atelier Espaço Artes, sob orientação da artista plástica Madalena Leal, e frequenta desde 2013 o Atelier Hélder Bandarra, sob orientação do artista plástico Hélder Bandarra. No desenvolver desta prática, Joaquim Filipe Faria conta já com várias exposições individuais e coletivas.

Durante a sua Licenciatura em Biologia, Joaquim Filipe Faria dedicou-se ainda a algumas atividades de associativismo, estando ligado ao Núcleo de Estudantes de Biologia da Universidade do Porto, de 2016 a 2019 —do qual foi presidente durante o ano de 2018—, e ao Young European Biologists, durante 2017 e 2018 —enquanto representante da associação em Portugal.


Mais informações: agora@fe.up.pt.



::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: 
Divulgue os seus eventos e projetos através do e-mail: noticias@fe.up.pt. Saiba mais sobre os nossos serviços no site dos SICC.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2020 © Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2020-01-22 às 06:07:25 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais