Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
Paulo Jesus: Exposição Retrospectiva
Você está em: Início > Cursos/CE > Mestrado Integrado > LEQ
Autenticação




Mapa das Instalações
Edifício A (Administração) Edifício B (Aulas) - Bloco I Edifício B (Aulas) - Bloco II Edifício B (Aulas) - Bloco III Edifício B (Aulas) - Bloco IV Edifício C (Biblioteca) Edifício D (CICA) Edifício E (Química) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício F (Minas e Metalurgia) Edifício G (Civil) Edifício H (Civil) Edifício I (Electrotecnia) Edifício J (Electrotecnia) Edifício K (Pavilhão FCNAUP) Edifício L (Mecânica) Edifício M (Mecânica) Edifício N (Garagem) Edifício O (Cafetaria) Edifício P (Cantina) Edifício Q (Central de Gases) Edifício R (Laboratório de Engenharia do Ambiente) Edifício S (INESC) Edifício T (Torre do INEGI) Edifício U (Nave do INEGI) Edifício X (Associação de Estudantes)

Cursos

Engenharia Química

InformaçãoO curso/CE não admite estudantes em 2007/2008.
Em 2003 a FEUP aprovou uma reforma da Licenciatura em Engenharia Química (LEQ) que entrará em vigor já em 2003/2004. Este Plano não difere substancialmente em conteúdos do plano em vigor desde 1985, mas foi desenhado para representar um passo significativo no sentido de dar resposta à evolução de paradigmas de ensino/aprendizagem que se tem vindo a notar nas Universidades Europeias.

Para mais detalhes sobre a LEQ sugere-se a consulta da Secção sobre Ensino da Página do DEQ na Internet.

Objectivo e estrutura do curso
O objectivo do Curso de Licenciatura em Engenharia Química da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto é proporcionar formação universitária, científica, técnica e humana, com os mais altos níveis de qualidade, na aplicação das ciências e técnicas respeitantes ao ramo da engenharia química e afins nas actividades de investigação, concepção, estudo, projecto, fabrico, construção, produção, fiscalização e controlo de qualidade, incluindo a coordenação e gestão dessas actividades e outras com elas relacionadas.

Merece esta focalização do objectivo o seguinte conjunto de referências complementares:
  • Em primeiro lugar: os detalhes de formação descritos decorrem directamente do objectivo legal e prático da formação de Engenheiros Químicos nos precisos termos do artigo 4º do Decreto-lei 119/92 de 30 de Junho que define o título de Engenheiro em Portugal.
  • Em segundo lugar: o termo empregue 'os mais altos níveis de qualidade' tem o significado preciso de o objectivo ser o de dar uma formação reconhecidamente comparável à formação proporcionada pelas melhores Escolas e Departamentos Europeus, com a devida consequência de mobilidade e intercâmbio científicos e culturais, resultantes do reconhecimento internacional das qualidades dos nossos alunos e do nosso curso.
Feitos comentários conceptuais, releva apresentar alguns detalhes sobre a estrutura:
  • É um curso de banda larga que mantem uma forte componente de Matemática, Química e Física, de Ciências da Engenharia Química e de Análise e Projecto de Processos Químicos, sendo também leccionadas matérias sobre Organização e Gestão e sobre aspectos gerais da Engenharia
  • Globalmente, em termos do sistema de créditos europeu caracteriza-se por ter:
    • 28% de créditos nas áreas da matemática, física e química
    • 16% em ciências de engenharia
    • 41% em engenharia química, incluindo projecto
    • 11% em disciplinas ou temas opcionais
    • 4% em disciplinas complementares.
  • Tem uma estrutura que inclui cinco disciplinas semestrais, um mínimo de uma disciplina de cariz laboratorial por semestre e um tempo médio de contacto obrigatório semanal de 20,4 horas.
  • Oferece seis opções de especialização limitada a quatro disciplinas semestrais em cada uma das áreas seguintes: Refinação de Petróleos e Petroquímica; Química Têxtil; Ambiente; Polímeros; Bioengenharia e Informática Industrial.
  • Oferece a possibilidade de frequência de um dos semestres do último ano no estrangeiro:
    • em Escolas Europeias no âmbito do programa Socrates/Erasmus.
    • na UMBC - University of Maryland, Baltimore County, EUA.
O curso tem pois uma estrutura e uma política que dá grande ênfase a actividade prática laboratorial (cerca de 20% de créditos) e a actividade autónoma dos alunos, com o devido enquadramento docente. É objectivo consignado fazer evoluir o ensino para aprendizagem, responsabilizando os professores por responsabilizarem os alunos a trabalhar de forma crescentemente autónoma, com uma adequada gestão do seu tempo.

Alunos - ingresso e saídas profissionais
Nos últimos seis anos (de 1997/98 a 2002/2003) a LEQ tem contado com uma média anual de cerca de 475 alunos inscritos, na maioria (cerca de 55%) raparigas. Anualmente tem recebido entre 80 e 90 novos alunos, registando-se classificações mínimas de entrada na primeira fase da ordem dos 145/200 valores.
Em todos estes anos a procura de vaga excedeu a oferta numa razão sempre superior a 3:1.
No período de cinco anos entre 1997/1998 e 2001/2002 licenciaram-se 327 alunos, com um tempo médio de formatura estimado por excesso em 6,1 anos.
As saídas profissionais incluem principalmente o ingresso na indústria, a investigação, actividade tecnico-comercial ou a docência a nível de ensino técnico ou ensino secundário.
As saídas profissionais para a indústria situam-se nas áreas da indústria química, dos petróleos e petroquímica, do ambiente, agro-alimentar, farmacéutica, celulose e papel, têxtil, cerâmica, produção de energia e de um modo geral da transformação de matérias-primas em produtos acabados. A actividade funcional propriamente dita pode ocorrer tanto a nível de apoio à operação industrial, incluindo monitorização e controlo de processo, como a nível de gestão de produção, incluindo programação de operação e controlo de qualidade, como ainda em projecto e inovação industrial.
Uma parte significativa (cerca de 20 por cento) dos licenciados dos últimos anos tem continuado na Universidade, na FEUP ou noutra instituição, a fazer investigação, alguns deles tendo sido subsequentemente absorvidos pelos sub-sistemas universitário e politécnico.

Laboratórios de Ensino
Os laboratórios de ensino ocupam uma área útil de cerca de 1000 m2 e estão bem equipados. Actualmente estão organizados nas seguintes Unidades:
  • Laboratório de Química Geral
  • Laboratório de Química Orgânica
  • Laboratório de Ciências da Engenharia
  • Laboratórios de Engenharia Química
  • Laboratório de Bioengenharia
  • Laboratório de Ciências do Ambiente
  • Laboratório de Métodos Instrumentais de Análise
  • Laboratório de Informática e ProjectoLaboratórios de disciplinas de Opção (Polímeros, Química Têxtil)
Acreditação e avaliação
A licenciatura em Engenharia Química está acreditada pela Ordem dos Engenheiros por um período de 6 anos, que expira em 21 de Janeiro de 2005.
Também, foi sujeita em 2001/2002 a avaliação por parte de uma Comissão de Avaliação Externa sob a égide da Fundação das Universidades Portuguesas, tendo obtido nível A (máximo) em todos os níveis de avaliação, à excepção do item Instalações e Equipamentos, em que obteve nível B, por entendimentos da Comissão relativamente a acessibilidades externas ao Campus Universitário.


Informações

Regime de Acesso
    Disciplinas Específicas:
  • Fisica ou Quimica
  • Matemática
    Numerus Clausus - 70

Comentários

Não admitem alunos

Dados Gerais

Código Oficial: 331
Diretor: Sebastião Feyo de Azevedo
Sigla: LEQ
Grau Académico: Licenciado
Tipo de curso/ciclo de estudos: Licenciatura
Início: 1937/1938
Fim: 2007/2008
Duração: 5 Anos

Planos de Estudos

Diplomas

  • Licenciatura em Engenharia Química ( Créditos nacionais)

Áreas Científicas Predominantes

Recomendar Página Voltar ao Topo