Saltar para:
Logótipo
This page in english Ajuda Autenticar-se
FCUP
Você está em: Início > Notícias > Luz emitida por organismos marinhos pode ajudar a melhorar a terapia do cancro
Autenticação




Mapa das Instalações
FC6 - Departamento de Ciência de Computadores FC5 - Edifício Central FC4 - Departamento de Biologia FC3 - Departamento de Física e Astronomia e Departamento GAOT FC2 - Departamento de Química e Bioquímica FC1 - Departamento de Matemática

Informações

Luz emitida por organismos marinhos pode ajudar a melhorar a terapia do cancro

Projeto Chemi-Tumor


E se a luz emitida por organismos marinhos puder ser a chave para atacar as células cancerígenas? Uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) está a inspirar-se nestes animais para criar novas moléculas com capacidade para destruir tumores.

“A Coelenterazina faz com que esses organismos emitam luz num processo semelhante ao que estamos mais habituados a ver em pirilampos, devido a uma reação química em que a energia é produzida na forma de luz”, explica Luís Pinto da Silva, investigador no Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território (DGAOT), na FCUP e no Centro de Investigação em Química da Universidade do Porto (CIQUP).

Os investigadores modificaram a Coelenterazina, natural e não tóxica, produzida atualmente em laboratório, para funcionar como fármaco. “Em vez de gerar luz, esta reação química traduz-se em espécies reativas de oxigénio responsáveis por destruir tumores”, acrescenta o investigador.

O que vai fazer esta molécula modificada nas células? Estas moléculas ativam-se quando em contacto com marcadores tumorais, como por exemplo o anião superóxido, um oxidante com uma forte expressão nas células cancerígenas. Em reação química é produzido o oxigénio singleto, mais forte do que o anião superóxido e que vai destruir o tumor.

Tornar a terapia fotodinâmica acessível a mais pacientes

Os cientistas da FCUP acreditam que, desta formam será possível superar as limitações da terapia fotodinâmica (PDT), um processo não invasivo que elimina células doentes através de luz de baixa intensidade.

Tradicionalmente, na PDT, só é possível tratar pequenos tumores localizados e muito próximos da superfície da pele, porque a luz ultravioleta só pode penetrar até um centímetro de pele. “Como a luz só pode ser usada à superfície, não dá para casos de cancros mais avançados e metastizados”, explica Joaquim Esteves da Silva, docente e investigador do DGAOT. Desta forma, esta terapia poderá ficar acessível a um maior número de pacientes com cancro.

O projeto “Chemi-Tumor” foi recentemente financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia para os próximos três anos.

Depois de terem concluído com sucesso os primeiros passos – design e síntese das moléculas e avaliação in vitro, seguem-se novos desafios. Os próximos passos são otimizar estas moléculas e comprovar os resultados com testes em ratinhos com vários tipos de cancro. Além disso, os investigadores estão a estudar soluções possíveis para a criação de um potencial fármaco. Esta é uma ambição que depende de parcerias com empresas e de “avultados investimentos”. No entanto, está, para já, no horizonte a criação de uma startup para o desenvolvimento de ensaios clínicos.

Por detrás deste projeto está também a investigadora Carla Magalhães, estudante de doutoramento em Química da FCUP, Patrícia González-Berdullas, colaboradora do CIQUP, e o docente e investigador José Enrique Rodriguez Borge, do Departamento de Química e Bioquímica.
 

cancro








Divulgue os seus eventos e projetos | comunica@fc.up.pt  



Renata Silva. SICC. 30-04-2021

 

 

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Faculdade de Ciências da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Última actualização: 2013-10-23 I  Página gerada em: 2021-10-17 às 03:21:47 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais