Saltar para:
Logótipo
Você está em: Início > Notícias > Investigadores da FCUP desenvolvem antídotos para venenos de serpentes
Mapa das Instalações
FC6 - Departamento de Ciência de Computadores FC5 - Edifício Central FC4 - Departamento de Biologia FC3 - Departamento de Física e Astronomia e Departamento GAOT FC2 - Departamento de Química e Bioquímica FC1 - Departamento de Matemática

Investigadores da FCUP desenvolvem antídotos para venenos de serpentes

Projeto Murderous Venom


Todos os anos há, em todo o mundo, mais de cinco milhões de pessoas atacadas por serpentes, das quais cerca de meio milhão sofre amputações e danos irreversíveis e mais de 100 mil morrem em consequência do ataque. Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) vão desenvolver antídotos para o veneno destes animais que são considerados dos mais mortíferos do planeta. 

“Pretendemos desenvolver antídotos inovadores para o envenenamento, baseados em compostos baratos, para distribuir maioritariamente pelas comunidades rurais de África e da Ásia”, conta Pedro Alexandrino, docente do Departamento de Química e Bioquímica da FCUP e responsável pelo projeto “Murderous Venom”. 

Os investigadores do Grupo de Bioquímica Computacional da FCUP serão responsáveis por desenhar estes fármacos, a partir de “pequenas moléculas químicas com grande estabilidade e durabilidade à temperatura ambiente”. 

“A terapia atual é baseada em anticorpos, que (para além de outros problemas) exigem toda uma cadeia de transporte e armazenamento refrigerados, e que são muito dispendiosos, o que impede a sua disponibilização às populações desfavorecidas  que vivem em zonas rurais remotas de África e da Ásia, onde a maior parte dos ataques tem efetivamente lugar”, explica o investigador. 

Pedro Alexandrino, que trabalha no projeto em conjunto com a também docente Maria João Ramos e com a investigadora Ana Luísa Oliveira, acrescenta que “as vítimas poderão injectar o antídoto imediatamente após o ataque e chegar ainda vivas, e sem consequências irreversíveis, aos hospitais centrais, para receber tratamento adicional”. 

Como o objetivo é chegar às populações economicamente desfavorecidas de África e da Ásia, os investigadores pretendem usar compostos baratos que estejam acessíveis “de imediato” a estas comunidades.  

O projeto, recentemente financiado em 250.000 euros pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, é da responsabilidade do Grupo de Bioquímica Computacional da FCUP e conta com uma rede de colaborações internacional. “Temos uma rede de colaborações que nos vai permitir testar os antídotos em "contexto real", ou seja, em animais a quem o veneno é administrado, e ainda produzi-lo em larga escala”, conta o investigador. 

Neste estudo participam investigadores da Universidade da Costa Rica (Costa Rica), da Universidade de Cuenca, no Equador, da Fundação Oswaldo Cruz, Rondônia, no Brasil, e na Universidade de Tezpur, na Índia, todas elas em países onde há alta incidência de ataques por víbora e que possuem as víboras mais perigosas em cativeiro, das quais extraem o veneno.
 


snake


Divulgue os seus eventos e projetos | comunica@fc.up.pt 



Renata Silva. SICC. 19-01-2021 
Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2022 © Faculdade de Ciências da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Última actualização: 2022-07-18 I  Página gerada em: 2022-10-02 às 17:29:41 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais | Denúncias