Saltar para:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Início > DIG01

Discursos Interdisciplinares sobre Geometria

Código: DIG01     Sigla: DIG

Áreas Científicas
Classificação Área Científica
CNAEF Formação de professores de áreas disciplinares específicas

Ocorrência: 2018/2019 - 1S

Ativa? Sim
Unidade Responsável: Desenho
Instituição Responsável: Faculdade de Belas Artes

Ciclos de Estudo/Cursos

Sigla Nº de Estudantes Plano de Estudos Anos Curriculares Créditos UCN Créditos ECTS Horas de Contacto Horas Totais
MDIP 3 Plano Oficial 2013 2 - 6 42 162

Docência - Responsabilidades

Docente Responsabilidade
Vasco Manuel Baptista da Silva Pinto Cardoso Regente

Docência - Horas

Outras: 3,00
Tipo Docente Turmas Horas
Outras Totais 1 3,00
Maria Helena Pinto da Rocha Mena de Matos 1,00
Vasco Manuel Baptista da Silva Pinto Cardoso 2,00
Mais informaçõesA ficha foi alterada no dia 2018-09-29.

Campos alterados: Componentes de Avaliação e Ocupação

Língua de trabalho

Português - Suitable for English-speaking students

Objetivos

A UC Discursos Interdisciplinares sobre Geometria pretende contribuir para a formação de cidadãos responsáveis, ativos, críticos e construtores de soluções, cidadãos livres que estejam preparados para uma vida ativa de constante aprendizagem.

A UC Discursos Interdisciplinares sobre Geometria será aberta a todos os interessados e, como desafia o seu nome, saberá moldar-se ao perfil dos seus estudantes, individual e coletivamente. Assim, a UC está aberta não só a todos os estudantes do 2.º Ciclo da UP, mas também a professores, formadores e profissionais que pretendam formação específica no âmbito do desígnio da UC.

São três os objetivos gerais estruturantes indicados como necessários à aquisição de competências e conhecimentos que são intenção da UC Discursos Interdisciplinares sobre Geometria:

- reconhecer os discursos do Desenho e da Matemática sobre a Geometria;

- problematizar os denominadores comuns nas diferentes abordagens à Geometria, quer a partir de uma perspetiva da ciência fundamental, quer a partir de problemas do campo da ciência aplicada, por exemplo, propostas programáticas de ensino/aprendizagem, em particular, as presentes nos currículos das disciplinas do Ensino Básico e Secundário;

- desde o Desenho e a Matemática, delinear estratégias comuns de resolução de problemas que possam ser evocados pelo modelo geométrico.

Resultados de aprendizagem e competências

Cumprindo as duas tarefas estabelecidas, e à frente indicadas, destinadas ao alcance dos objetivos gerais, os estudantes conseguirão atingir quatro conhecimentos e competências específicos:

- conhecer e valorizar diferentes discursos disciplinares sobre a Geometria;

- enunciar propostas de investigação em campos de interdisciplinaridade, atendendo e fazendo participar, no caso de investigação aplicada, os seus destinatários;

- apontar meios de futuro desenvolvimento e avaliação, permanentes e participados, da investigação;

- comunicar, divulgar, transmitir e partilhar produtos e efeitos da investigação.

Modo de trabalho

Presencial

Programa

- Discursos sobre a criação da forma: Abordagens do Desenho e da Matemática sobre a Geometria Sintética e a Geometria Analítica - polígonos, pavimentações, poliedros, tesselações;

- Discursos sobre a alteração da forma: Abordagens do Desenho e da Matemática sobre as Transformações Geométricas - operações booleanas, isometrias, homotetias;

- Discursos sobre representação da forma: Abordagens do Desenho e da Matemática sobre a Geometria Projetiva - geometria projetiva, sistemas de representação.

Bibliografia Obrigatória

CUCKER, Felipe ; Manifold Mirrors: The Crossing Paths of the Arts and Mathematics, Cambridge University Press, 2013. ISBN: ISBN 978-0-521-42963-4
IVINS Jr., William M. ; Art and Geometry: A Study in Space Intuitions, Dover Books, 2011. ISBN: 486-20941-5 ((1.ª Ed. 1964))
Ricca Guilherme; Geometria descritiva. ISBN: 972-31-0547-0

Bibliografia Complementar

ANDERSEN, Kirsty ; The Geometry of an Art - The History of the Mathematical Theory of Perspective from Alberti to Monge, Springer, 2007. ISBN: 978-0-387-25961-1
FRANTZ, Marc, CRANNELL, Annalisa ; Viewpoints: Mathematical Perspective and Fractal Geometry in Art, Princeton University Press, 2011. ISBN: 978-0-691-12592-3
GAMWELL, Lynn ; Mathematics and Art: A Cultural History, Princeton University Press, 2016. ISBN: 978-0-691-116528-8
KAPPRAFF, Jay ; Connections: The Geometric Bridge Between Art and Science , World Scientific, 2001. ISBN: 981-02-4585-8 ((1.ª Ed. 1990))

Métodos de ensino e atividades de aprendizagem

Selecionou-se a investigação como estrutura da metodologia seguida, uma vez ser capaz de dinamizar pedagogias ativas e facilitadoras da formação que se segue para os estudantes.
A investigação, enunciada e a realizada, será desenvolvida em parcerias, quer com pares, quer com individualidades ou instituições, como Escolas Básicas e Secundárias, centros de formação ou empresas. Também será do maior relevo a promoção de visitas de estudo, de debates e de leituras. Estes momentos de experiência vivida encontrarão amparo teórico na bibliografia recomendada, reforçando o papel desta na aprendizagem.
Para finalizar o perfil metodológico seguido, importa sublinhar o papel relevante de um debate crítico e avaliativo permanente, responsável e participado, que será a peça fundamental na aferição e reorientação das atividades.
Com lastro nos princípios referidos, propõe-se a seguinte distribuição da atividade, entre Horas de Contacto e Horas de Trabalho Autónomo.

As Horas de Contato destinar-se-ão a aulas com um caráter teórico-prático, compostas por diferentes momentos, determinados pelas necessidades do desenvolvimento da investigação sobre as plataformas comuns aos diferentes discursos sobre a Geometria, bem como à transmissão desse conhecimento, em cujo desenvolvimento e crítica se investe a maior fatia deste período. Dos restantes momentos farão parte as seguintes atividades:

- apresentação de comunicações de investigadores convidados, para abordarem experiências que considerem pertinentes, seguidas de debate;

- visitas de estudo – quer a centros de investigação homólogos, quer entidades parceiras no campo da educação, ou ainda a fontes de pesquisa;

- debate avaliativo – a acontecer periodicamente, mantendo o estudante, o grupo turma e os docentes sempre a par da evolução do processo de ensino-aprendizagem e da satisfação de todos os envolvidos, podendo ser, a todo o tempo, equacionadas todas as necessárias consolidações e/ou reorientações.

As Horas de Trabalho Autónomo serão reservadas:

- ao desenvolvimento e consolidação autónoma e em grupo dos conhecimentos adquiridos;
- à materialização de um projeto de investigação, alicerçado nas parcerias e no debate, debaixo da possibilidade da orientação docente, durante os tempos de apoio ao discente.

Tipo de avaliação

Avaliação distribuída sem exame final

Componentes de Avaliação

Designação Peso (%)
Trabalho prático ou de projeto 100,00
Total: 100,00

Componentes de Ocupação

Designação Tempo (Horas)
Elaboração de projeto 25,00
Estudo autónomo 25,00
Frequência das aulas 25,00
Trabalho de investigação 25,00
Total: 100,00

Obtenção de frequência

A avaliação será distribuída e incidirá (100%) sobre os projetos de investigação conduzidos pelos estudantes.

Perante os desenhos curriculares dos estudantes, conseguirá a docência melhor estabelecer a orientação do perfil da avaliação aos estudantes da turma. Por outro lado e na sequência, os estudantes serão implicados na definição, à partida, um corpo genérico de parâmetros de avaliação, face aos desafios que a unidade curricular lhes apresentará. Importa referir que no decorrer do tempo esses parâmetros irão sendo alvo de discussão e adequação ao perfil dos conteúdos e do trabalho desenvolvido, sob estritos critérios de qualidade do conhecimento a ser produzido.

No final do semestre letivo haverá um tempo para que todos os estudantes possam refletir de modo crítico, individualmente e em grupo-turma, sobre a produção de conhecimento alcançado, de acordo com os parâmetros de avaliação estabelecidos.

Fórmula de cálculo da classificação final

O acompanhamento do trabalho investigativo e a participação nas aulas revelarão o investimento que cada estudante fez, e como o fez, dos tributos recolhidos dos momentos de pendor mais expositivo, da bibliografia e das sessões críticas dinamizadas em grupo-turma. Por outro lado, aqueles, permitirão que o estudante vá tendo conhecimento do progresso da sua aprendizagem e dos rumos a experimentar e/ou consolidar. Este acompanhamento terá um peso de 40% da classificação final.
O resultado final conseguido com o trabalho na área da investigação significará 60% da classificação final dos estudantes.

 

Trabalho de estágio/projeto

Serão duas as tarefas essenciais consideradas pelos objetivos gerais inventariados, tarefas que, se cumpridas, assegurarão o alcance das competências e conhecimentos propostos pela UC:

- formalizar propostas de investigação sobre possíveis abordagens integradas à Geometria, como resposta a um problema e adequadas a um programa de segundo ciclo;

- delinear estratégias de comunicação, transmissão e aplicação da investigação lançada, por exemplo em futuros contextos de ensino/aprendizagem, particularmente no Ensino Básico e Secundário.

Observações

Na UC Discursos Interdisciplinares sobre Geometria o estudante pertencerá a um grupo de investigação, por tal, contar-se-á com a sua autonomia, por um lado, e pela sua capacidade de trabalho em grupo, por outro. Assim, o estudante exercerá o seu poder de decisor sobre o seu crescimento no conhecimento.

O método de ensino proposto assentará na investigação individual e coletiva, como que se a UC fosse um laboratório. O sistema de avaliação será de perspetiva integrada, com vistas sobre todo o processo e implicará a participação responsável de todos, quer na definição dos critérios, quer na sua aplicação – sob orientação docente. Com estes dois esteios se suportará um processo de construção do conhecimento ativo, crítico, participado e promotor da autonomia.

Aponta-se o trabalho investigativo como impulsionador de um desenvolvimento harmónico e sincronizado, quer individualmente, quer enquanto grupo. Assim, e atentos a parcerias e redes de conhecimento, poder-se-á atingir os conhecimentos e competências específicas, delineados como um corpo que se procurou coeso e significativo.

Pela outra vertente, a modalidade de avaliação seguida promove uma responsabilização individual e coletiva que reforça um conhecimento transversal e a diferentes tempos – por tal, adequado ao desenvolvimento do corpo de conhecimentos e de competências referido.

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2019 © Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2019-05-22 às 02:24:53 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais