Go to:
Logótipo
Comuta visibilidade da coluna esquerda
Você está em: Start > News > Open Class by Tomás Maia

News

Open Class by Tomás Maia

Inserida na Unidade Curricular, Seminários de Pintura

No dia 6 de dezembro de 2022, pelas 17h00, na Aula Magna da FBAUP, terá lugar a Aula Aberta subordinada ao tema ‘O sacrifício da arte. Diálogo em torno do livro Vida a Crédito. Arte Contemporânea e Capitalismo Financeiro.’ 

‘O livro Vida a Crédito (Documenta, 2022) parte desta premissa: 

Na era do capital fictício é a própria ficção que é capital e que é o capital. 

Eis por que razão a arte — pela primeira vez na sua história — está a ser destruída no seu ser: o conceito operante do capitalismo financeiro é o mesmo pelo qual a arte se deixou pensar ao longo do seu percurso milenar: em grego, mimesis, em latim, fictio.’

 

Nota introdutória (retirada do livro Vida a Crédito.):

‘Arte contemporânea' e 'capitalismo financeiro': se a primeira das duas designações tomará apenas o significado de índice histórico (pois interrogá-la em si mesma motivaria um outro livro), já a segunda será objecto de um prolongado exame (religioso e metafísico). Com efeito, trata-se sobretudo de tornar inteligível o modo como, na era 'contemporânea' da história da arte (sobretudo a partir dos anos setenta do século passado), a criação artística começou a comprometer-se com a financeirização da economia (e o predomínio da finança coincide, precisamente, com o advento da dita era). Entre arte e capitalismo, à partida, tudo parece ser motivo de distinção e mesmo de antagonismo: se a primeira se define pela prática de um dom, o segundo rege-se pela apropriação da mais-valia. E se de um lado advém a partilha de uma dádiva, do outro é-nos imposta uma dívida. Ora, é todavia a uma convergência entre capital financeiro e parte significativa da 'arte contemporânea' aquilo a que assistimos hoje — a um tal ponto que, pela primeira vez na história, é o próprio ser da arte que é atingido. Daí a necessidade, a urgência deste livro.
[…]
Uma palavra, ainda, sobre o título: Vida a Crédito.
Este apareceu enquanto escrevia o segundo capítulo e, sobretudo, o seu décimo segundo parágrafo. De súbito, apercebi-me de que invertia um título de Céline: Mort à crédit, fazendo ressoar a extrema miséria que grassava no seio frenético de uma certa ideologia do progresso (no caso do romance céliniano, no âmago de uma época que se auto-intitulara Belle — mas que iria desvanecer-se com a deflagração da Primeira Guerra Mundial). Se Céline sugere que a própria morte passara a ser, também ela, objecto de crédito, o presente título procura assinalar que é a vida, na sua totalidade e, mais exactamente, o tempo humano que se encontra expropriado pelo capital financeiro.’

[Tomás Maia]

Org.: Mestrado em Artes Plásticas (MAP)

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Aula Aberta com Tomás Maia |O sacrifício da arte. Diálogo em torno do livro Vida a Crédito ‘

6 de dezembro 2022 | 17h00

Aula Magna, FBAUP

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Recommend this page Top
Copyright 1996-2023 © Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto  I Terms and Conditions  I Acessibility  I Index A-Z  I Guest Book
Page created on: 2023-02-01 at 05:17:34 | Reports Portal