Saltar para:
Logótipo
Você está em: Início > Notícias > Nova ponte do Metro sobre o Douro | impacto no conjunto de edifícios da FAUP e envolvente

Nova ponte do Metro sobre o Douro | impacto no conjunto de edifícios da FAUP e envolvente

outubro de 2021

Imagem

As Faculdades de Arquitectura, Ciências, Letras e Nutrição, localizadas no Polo do Campo Alegre da U.Porto, contestam a atual proposta de traçado, cota e perfil da ponte e acessos da nova travessia do Metro sobre o Rio Douro. Em causa estão questões de defesa da paisagem, salvaguarda patrimonial, impedimento do projecto de expansão da Faculdade de Arquitectura, segurança do acesso nascente da Faculdade, e agravamento das dificuldades de ligação entre os vários espaços e edifícios do Pólo Universitário do Campo Alegre.

Fazendo tábua-rasa do 'Programa Estratégico de Desenvolvimento do Metro do Porto' realizado por uma equipa da FEUP coordenada pelo Professor Paulo Pinho, em 2007, que previa o atravessamento do Douro pela Ponte de Arrábida, a Metro do Porto lançou, em março de 2021, o Concurso Internacional de Conceção para a elaboração do projeto de execução da Ponte Sobre o Rio Douro e Acessos entre o Porto (Campo Alegre) e Vila Nova de Gaia (Candal).

A FAUP e a Reitoria da Universidade do Porto, não tendo sido nunca contactadas pela Metro do Porto, apenas no momento do lançamento do Concurso tomaram conhecimento do traçado e demais termos de referência de desenho da intervenção. Entendendo que estes eram altamente questionáveis e fatalmente determinariam soluções projetuais que desqualificam urbanisticamente o Pólo universitário do Campo Alegre, manifestaram-se junto da administração da Metro do Porto, contestando-os. Foi nesse momento apenas garantido à FAUP que a ponte não poderia passar sobre o terreno da Quinta da Póvoa.

Com o conhecimento das propostas apresentadas a concurso e a 'Decisão de Selecção' confirmaram-se as expectativas mais negativas. As determinantes impostas no Concurso traduziram-se em propostas gravosas e penalizadoras para a paisagem e contexto urbano, dado o traçado, cota e perfil que impõem à nova ponte.

A FAUP integra não só um conjunto de 18 obras de Álvaro Siza propostas pelo Governo Português para a Lista Indicativa do Património Mundial, como é atualmente objecto de um processo de Classificação como Monumento Nacional. No processo destaca-se o elevado valor cultural e paisagístico do conjunto e seu contributo para a qualificação da Paisagem Urbana da cidade do Porto. Defende-se uma Zona Especial de Proteção que salvaguarde as relações do edifício com a envolvente, em especial o conjunto de casas na Travessa da Pena até à Calçada da Boa Viagem que reforçam a relação de escala com a Casa Cor-de-Rosa, e garantem uma unidade de paisagem notável que não deverá ser interrompida.

O tabuleiro proposto para a nova ponte, com 15,4 metros de largura, aterra a nascente da Quinta da Póvoa, passando sobre a via panorâmica resvés entre a Casa de Agustina Bessa Luís e a Casa Cor de Rosa, rompendo com a escala do lugar e unidade paisagística.
A ponte projectada cai na vertical da FAUP, cortando uma área significativa do terreno da Quinta da Póvoa junto à Casa Cor de Rosa, condição que a administração da Metro do Porto havia garantido que não poderia acontecer.

O túnel de saída do Metro para a superfície exterior é feito através de uma "trincheira" que atravessa o terreno a nascente da FAUP, impedindo a realização prevista para a expansão dos edifícios da FAUP.

A entrada nascente da FAUP, acesso à área onde se concentra o Centro de Estudos, o Centro de Investigação e as seis salas de aula do Pavilhão Carlos Ramos, fica confrontada com a necessidade de atravessamento da linha de Metro num troço muito sensível do ponto de vista da segurança - a saída do túnel em rampa.

Em todo o processo de planeamento da nova ligação entre Casa da Música e Santo Ovídio, infraestrutura imprescindível para a zona do Campo Alegre e muito em especial para o Pólo Universitário da U. Porto, a FAUP considera incompreensível a total desconsideração pela Universidade e, muito concretamente, pela condição urbana do Pólo do Campo Alegre. Este espaço, que se estende do CDUP (Estádio Universitário) à Faculdade de Letras e inclui o Jardim Botânico, Faculdade de Ciências, Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, Teatro do Campo Alegre, Planetário, Cantina, Residências e Círculo Universitário, carece duma intervenção unificadora que, amortecendo o impacto da estrutura viária que o espartilha (e que a proposta apresentada pelo Metro vem agravar), possibilite a criação de percursos pedonais e ciclovias entre as diferentes Faculdades. Com o reforço da valiosa mancha verde que o caracteriza, este lugar universitário poderia assumir a condição de pólo-jardim, aberto à cidade, aos seus cidadãos e não apenas aos utentes.

Ciente da oportunidade que a intervenção do Metro poderia representar para a qualificação de todo o conjunto do Campo Alegre, e entendendo que o Concurso de Conceção poderia servir como espaço/tempo para pensar a cidade, as Faculdades do Pólo do Campo Alegre da U.Porto lamentam que um número muito significativo de soluções apresentadas a concurso, que enveredaram por traçados e cotas alternativas menos lesivas relativamente às características paisagísticas e urbanas preexistentes, tenham sido liminarmente eliminadas.

Sem qualquer pretensão de invalidar ou protelar no tempo a execução de tão importante infraestrutura para a área metropolitana do Porto, e em especial para o Pólo Universitário do Campo Alegre, as quatro Faculdades manifestam total disponibilidade para dialogar, debater e estabelecer compromissos para viabilizar uma melhor solução de implantação da rede de Metro no Campo Alegre.


Recortes de imprensa [seleção]

Artigo de opinião | Público | 29 de março 2021
"Será mesmo necessária outra ponte na Arrábida?" por Teresa Calix

Artigo de opinião | Público | 27 de outubro 2021
"Uma ponte precipitada, uma oportunidade perdida?" por Edgar Brito


Notícias U.Porto
Faculdades do Campo Alegre contestam traçado da nova ponte de Metro sobre o Douro

Responsáveis do Pólo Universitário do Campo Alegre contestam localização da nova ponte sobre o Douro | com Vice-Directora FAUP Prof.ª Teresa Calix, e Prof da FCUP Paulo Farinha Marques





Entrevista Director FAUP, Professor João Pedro Xavier




Porto Canal
Entrevista ao Engenheiro Civil Edgar Brito sobre a nova ponte sobre o Douro

SIC

Nova ponte do metro sobre o Douro contestada pela Universidade do Porto

RTP
Nova travessia do Douro está a ser contestada

TVI

Polémica entre FAUP e Metro do Porto sobre a construção da nova ponte sobre o Douro

Porto Canal
'Grande Angular' Comentário de Pedro Bragança (a partir do minuto 14:28)
Observador
Nova ponte de metro sobre o Douro mergulhada em polémicas. Concorrentes contestam exclusão do concurso público

Público | Lusa

Faculdade de Arquitectura do Porto contesta propostas para nova ponte de metro no Douro

Jornal de Notícias | Agências
Faculdade de Arquitetura do Porto contesta propostas para nova ponte de metro no Douro

Observador
Faculdade de Arquitetura do Porto contesta propostas para nova ponte de metro no Douro

Expresso
Nova travessia sobre o Douro envolta em discórdia: alteração ao traçado pode custar ¤300 milhões

Recomendar Página Voltar ao Topo
Copyright 1996-2021 © Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto  I Termos e Condições  I Acessibilidade  I Índice A-Z  I Livro de Visitas
Página gerada em: 2021-12-08 às 13:02:09 | Política de Utilização Aceitável | Política de Proteção de Dados Pessoais